Imagem Blog

Blog do Lorençato

Por Arnaldo Lorençato Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
O editor-executivo Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há mais de 30 anos. De 1992 para cá, fez mais de 16 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista é professor-doutor e leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie
Continua após publicidade

A fórmula de sucesso dos chefs Paulo Barros e Salvatore Loi, do Moma

A dupla inaugura o bar-restaurante Ella Fitz, em Pinheiros, que abre ao custo de 3,5 milhões de reais

Por Arnaldo Lorençato Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
31 mar 2023, 06h00

Uma dupla de chefs tarimbados inaugura seu terceiro negócio nesta semana. Donos do megassucesso Moma — Modern Mamma Osteria, trattoria com matriz no Itaim Bibi e filial em Pinheiros, colocam para funcionar o Ella Fitz, um bar-restaurante, também em Pinheiros. Os cozinheiros em questão são o paulistano Paulo Barros e o italiano da Sardenha Salvatore Loi. Junto com os sócios Gustavo (diretor financeiro) e Nick Thomas (diretor de supply chain), cada um deles com 25% de participação, calculam ter investido 3,5 milhões de reais na montagem da nova casa, que começa a operar a partir desta terça (4).

Prato de ceramica sobre superfície espelhada contendo massa recheada de tom rosado com bordas em formato que lembra pétalas de flor
Flor de massa rosa fresca: recheio de queijo de ovelha, manteiga noisette, maçã verde, mel e amêndoa (Ligia Skowronski/Veja SP)

Com projeto do arquiteto Otavio de Sanctis, o Ella Fitz é uma homenagem à cantora americana Ella Fitzgerald, uma das grandes damas do jazz. No visual lembra um grande galpão, já que é todo revestido de madeira. Embora descenda de uma dupla de casas italianas, a promessa é de um cardápio um pouco mais amplo, com pedidas mediterrâneas que estão em moda pela cidade em endereços como o recém-inaugurado Azay, no mesmo bairro.

Prato de porcelana branca sobre superfície espelhada contendo cubos de atum e outros ingredientes como framboesa pistache e hortelã
Crudo de atum e framboesa: leva pistache, hortelã e stracciatella (Ligia Skowronski/Veja SP)

Se repetir os passos das duas trattorias anteriores, o Ella Fitz deve se tornar um tremendo sucesso, que vai ajudar a congestionar ainda mais a Rua dos Pinheiros, onde funcionam endereços magnéticos, como o francês Le Jazz Brasserie e o moderninho Cozinha 212, sempre lotados. “Queremos bons restaurantes que tragam gente. Torço para o Ella Fitz dar certo. É uma boa rua, mas não é fácil. Já abriu e fechou tanta coisa em volta da gente”, diz Gil Carvalhosa Leite, um dos sócios do Le Jazz. “Como eles têm uma cantora de jazz no nome, acho que reforça o nosso conceito e isso é muito bom.”

Ambiente interno de restaurante cheio com fila de espera do lado de fora da parede de vidro
Moma, do Itaim Bibi, numa noite de quinta-feira: espera ultrapassa facilmente uma hora para quem não chega cedo (Prestto Creations/Divulgação)

Fenômenos de público, as duas unidades do Moma bombam de segunda a segunda. “Em 2022, tivemos 300 000 clientes e faturamos 45 milhões de reais”, revela Barros. Isso equivale a um tíquete médio de 150 reais por pessoa em um salão para 125 pessoas no Itaim (a área de espera na esquina nascida como Moma Mia em 2018 acabou virando uma extensão do restaurante original, na Rua Manuel Guedes) e para 100 lugares da fervilhante Rua Ferreira de Araújo, em 2021. O que atrai multidões aos restaurantes são as receitas dos dois craques Loi e Barros. Aliás, Loi atua como diretor criativo e Barros é quem toca a operação. Para entender o match profissional da dupla, vale lembrar que eles estreitaram o relacionamento quando davam expediente no extinto Grupo Egeu, no qual Barros tinha uma participação e trazia a experiência de ter sido sócio do Due Cuochi Cucina, hoje com quatro endereços paulistanos. Loi, que havia acabado de sair do Fasano, foi comandar o Girarrosto, restaurante milionário e de vida breve montado onde funcionou o famoso e igualmente extinto bar Pandoro. Posteriormente, passou pelo Loi Ristorantino e pelo Loi, hoje apenas Ristorantino e Evvai, respectivamente, que não tinham relação com Barros.

Continua após a publicidade
Recipiente de vidro em formato de terrário contendo legumes e espuma de aspargos verde que lembra a areia colorida dos terrários de verdade
Terrário de mini legumes: espuma de aspargos e azeitonas desidratadas (Ligia Skowronski/Veja SP)

Se esses negócios não prosperaram, a amizade entre os dois chefs, que dura mais de uma década, se solidificou com a montagem da primeira trattoria em 2016. “O Paulo viu o ponto onde era o Il Fornaio d’Italia, e assim nasceu o primeiro Moma”, lembra Loi, que hoje mora em Brasília, onde dá consultoria para o restaurante DOC Cucina e vem a cada quinze dias para São Paulo. “O conceito do restaurante foi criado com a ajuda de uma agência de marcas, junto com o arquiteto Otavio de Sanctis.” Nada mal uma trattoria ter dois profissionais desse quilate, um dos motivos para que as filas na porta sejam constantes.

Fachada de madeira com toldo marrom que lembra galpão industrial novaiorquino
Fachada de madeira com mesas na calçada: inspirada em um galpão industrial nova-iorquino (Ligia Skowronski/Veja SP)

A fórmula de um cardápio a preços razoáveis deve se repetir no Ella Fitz, mas com uma diferença significativa em relação às irmãs mais velhas. Primeiro, encontram-se no cardápio sugestões exclusivas criadas por Loi e Barros em parceria com a chef-residente Ana Paula Cremonezi (no Itaim Bibi, esse papel é exercido por Daniel Brum, e na outra unidade de Pinheiros, por Yuji Tsugio). Todas chamam atenção pelo visual e devem agradar ao paladar — ainda não tive a oportunidade de provar. Algumas recebem nomes criativos, como terrário de minilegumes, espuma de aspargo e azeitona desidratada, e outros tiram partido da cor, caso do crudo de atum e framboesa com pistache, hortelã e queijo stracciatella, além do bocadillo de lula crocante, brioche negro, maçã, aïoli de gengibre e saladinha de ervas. No formato de flor, há uma massa rosa fresca recheada de queijo de ovelha, manteiga noisette, maçã verde, favo de mel e amêndoa. “Usamos produtos mais frescos possíveis em um cardápio autoral, no qual até o prato mais clássico terá personalidade”, diz Ana ao detalhar o conceito culinário. Não vai adiantar procurar, então, sucessos da casa-mãe como a lasanheta de vitelo, pici com ragu de linguiça e o polpettone de black angus. “O mais parecido de um clássico será a lasanha à bolonhesa, que terá outra forma de apresentação”, conta Barros. Como essa massa, alguns pratos são para compartilhar.

Homem de camisa preta prepara drinque sobre bancada de madeira, com garrafas no bar ao fundo e ao lado de coqueteleira prateada
Ricardo Barrero: criações a partir do drinque clássico (Ligia Skowronski/Veja SP)

Na proposta da nova casa, se não houver mudança de rota com o passar do tempo, o Ella Fitz nasce também com uma pegada etílica, e o bar ganha lugar de destaque. Com uma pintura multicolorida de Norio Taniguchi, ocupa um espaço à direita da entrada. Quem vai chacoalhar as coqueteleiras é Ricardo Barrero, cuja carreira, iniciada em 2004, inclui uma temporada na Austrália. Ele passou por lugares bacanas, como o saudoso MyNY Bar, no Itaim Bibi, antes de se dedicar a marcas de bebida e fazer consultorias. Seu trabalho também inclui reconhecimento em concursos promovidos pela grande indústria. Em 2021, ele foi um dos finalistas da etapa nacional do campeonato World Class, da Diageo.

Continua após a publicidade
Taça de haste curta contendo drinque branco e alaranjado translúcido
Temperance: releitura do drinque que nomeia o bar leva gim, cítricos, espumante, bitter de cacau e o nome da mãe da cantora (Ligia Skowronski/Veja SP)

Não por acaso, o sufixo fitz, que nomeia o bar, é também um drinque famoso, o fitzgerald, lançado por um dos bartenders mais badalados do mundo, o americano Dale DeGroff, no fim dos anos 90. Além de clássicos como esse e de outros como o new york sour e o manhattan, a carta elaborada por Barrero traz pedidas autorais a partir do próprio fitzgerald. O temperance, por exemplo, que leva o nome da mãe da cantora americana, é feito de gim, cítricos, espumante e bitter de cacau. “Pensei em uma versão mais refrescante e, de certa maneira, como receitas mais vintage que também levam espumante”, explica. Diamante bruto, maneira como Ella Fitzgerald era conhecida antes da fama, elabora-se como uma versão clarificada do clássico fitzgerald com espuma de cítricos e bitter. Bairro nova-iorquino onde a diva debutou nos palcos, o harlem “brinca com as texturas do fitzgerald ao combinar gim, limão-siciliano, emulsão de claras e caviar de bitter”, descreve o criador.

Drinque em copo baixo de tom branco translúcido e espuma clara
Harlem: brinca com as texturas do fitzgerald ao combinar gim, limão-siciliano, emulsão de claras e caviar de bitter (Lígia Skowronski/Veja SP)

Ainda é cedo para dizer se Ella Fitz, que oferece um mix de pratos e bebidas com tudo para agradar como os dois Momas, vai tornar a Rua dos Pinheiros ainda mais congestionada. Em breve se saberá.

Ella Fitz Rua dos Pinheiros, 332, Pinheiros, telefone 93083-8387

Moma — Modern Mamma Osteria Rua Manuel Guedes, 160, Itaim Bibi, telefone 93083-8387; Rua Ferreira de Araújo, 342, Pinheiros, telefone 93083-8387

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA São Paulo de 5 de abril de 2023, edição nº 2835

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.