Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Notas Etílicas Por Saulo Yassuda Dicas, novidades e observações do mundo dos bares e das bebidas

Onze bartenders premiados até hoje pelo Comer & Beber

Desde 2000, o guia homenageia profissionais da área etílica na categoria bartender do ano

Por Saulo Yassuda Atualizado em 30 out 2021, 23h36 - Publicado em 20 out 2021, 19h02

O guia COMER & BEBER foi pioneiro em premiar os bartenders na capital paulista. Desde 2000, passou a destacar esses profissionais que mandam bem não só na arte de compor ótimas misturas etílicas como na de receber bem.

Na premiação de 2021, o trio de finalistas na categoria é inédito, formado por Gabriel Santana (Santana Bar), Lula Mascella (Picco) e Michelly Rossi (Bar dos Arcos). Quem será que vai ganhar? Na quinta (21), a gente vai divulgar no YouTube da Vejinha o nome do ou da bartender!

Três fotos verticais unidas por linhas finas brancas. Gabriel Santana, à esquerda,Michelly Rossi ao centro e Lula Mascella, à direita.
Indicações inéditas: Gabriel, Michelly e Lula concorrem ao prêmio em 2021 Reprodução/Juliana Pinto/Divulgação

Enquanto isso, veja abaixo quem são os onze profissionais que já levaram o troféu, nos últimos vinte anos. Estão dispostos em ordem cronológica.

 

Souza (2000, 2003, 2005, 2006, 2007, 2008)

Homem segura caipirinha em bar

O piauense Deusdete Neres de Souza foi o primeiro barman do ano, em 2000, quando dava expediente no  bar-restaurante Bistrô, no centro, onde era pupilo de Derivan de Souza. Voltou ao topo do pódio em 2003, quando estava no Hampton, um bar em estilo inglês que antecedia o restaurante de mesmo nome no Itaim Bibi. No Veloso, onde se especializou em caipirinhas, levou o título em 2005, 2006, 2007 e 2008. Haja limão e cachaça!

 

Celio de Freitas (2001, 2002)

Celio Alves de Freitas posa em frente ao bar enquanto prepara um drinque usando a coqueteleira

Francisco Celio Alves de Freitas, o Celio, nasceu no Ceará. Em São Paulo, rodou por diferentes casas do Grupo Fasano até se estabelecer no Baretto, onde recebeu o troféu em 2001 e 2002 por seus dry martinis e outros que tais. Foi gerente da unidade de Brasília do restaurante Gero, do mesmo grupo, que fechou no ano passado.

 

Derivan Ferreira de Souza (2004)

Derivan Ferreira de Souza posa em frente de barris

Um dos mais experientes profissionais do ramo (leia aqui a entrevista que fiz com ele em 2019), o bartender baiano foi premiado em 2004 pelo trabalho no extinto Tanoeiro, no Brooklin, onde servia clássicos a uma clientela madura. Passou, ainda, por outras casas, como o extinto Numero, no Jardim Paulista, e o bar de jazz Blue Note, na Avenida Paulista. É um dos criadores do concurso Concurso Nacional de Rabo de Galo, do qual já fui jurado.

 

Pereira (2009)

Lucivaldo Pereira da Silva, barman dos bares Astor e SubAstor, entre taças de martini.

O cearense Lucivaldo Pereira da Silva, o Pereira, foi o barman do ano em 2009 por seu trabalho no duo Astor/SubAstor. Desde 2001, ele dá expediente no Astor da Vila Madalena e, por um período, tomou conta também do bar de alta coquetelaria do subsolo. Até hoje, Pereira atende a clientes das antigas, que fazem questão de tomar clássicos como o manhattan feitos diretamente por ele.

 

Marcelo Serrano (2010, 2011)

Marcelo Serrano, barman do MyNY Bar, posa no ambiente do estabelecimento

O bartender arrasava no balcão do ótimo MyNY Bar (2009-2013) e, por isso, levou o prêmio nos anos de 2010 e 2011. Foi ali, aliás, que criou sua própria versão do moscow mule, com espuma de gengibre, receita que ganhou o país inteiro. Serrano passou um bom período no comando do extinto Brasserie des Arts, nos Jardins. Até setembro, foi o responsável pela carta do G&T Gin Bar, na Rua Oscar Freire e acaba de lançar uma espuma de gengibre pronta no mercado.

 

Spencer Amereno Jr. (2012, 2014, 2016)

Continua após a publicidade

Spencer Jr. posa frente a um fundo azul enquanto despeja um líquido sobre sua cabeça

Por três dos bares pelos quais passou, o paulistano foi premiado. Em 2012, ganhou o título pelo trabalho no MyNY Bar, onde substituiu Marcelo Serrano. Em 2014, foi reconhecido pelo ofício no pequeno Isola, no Shopping JK Iguatemi. Em 2016, foi a vez de levar o troféu enquanto dava expediente no Frank, no hotel Maksoud Plaza. Atualmente, Spencer cuida do balcão do Guilhotina Bar, em Pinheiros, e de um novo bar que funciona lá dentro, dedicado aos coquetéis autorais.

 

Fabio La Pietra (2013)

Fabio La Pietra posa em frente a um fundo vermelho e garrafas de rótulos de mesma cor

Recém-chegado a São Paulo, o bartender italiano já mandava muuuito bem no SubAstor, com uma atrevida lista de coquetéis. É por isso que foi premiado em 2013. Em 2016, deixou a casa, para tocar o extinto Peppino Bar, no Itaim Bibi. Retornou ao Sub no ano seguinte. Hoje, embora não dê expediente no dia a dia, La Pietra é o responsável pela bem montada carta do bar, assim como as de outros negócios da Cia. Tradicional de Comércio.

 

Kennedy Nascimento (2015)

Kennedy Nascimento - Riviera Bar

Prodígio nas coqueteleiras e ex-pupilo de Spencer Amereno Jr., ele levou o troféu em 2015, quanto era responsável por bares do Grupo Vegas, entre eles o Riviera Bar, que está para reabrir. Foi o profissional mais jovem receber o título do COMER & BEBER — tinha 22 anos à época. Hoje, trabalha para marcas de bebida da Diageo. A carta do novo Infini, no centro, foi criada por ele.

 

Márcio Silva (2017, 2019)

Homem sobre balcão de bar com mesas ao lado

Criativo e com muito conhecimento do mercado nacional e internacional, Márcio Silva começou a chamar a atenção no SubAstor, em 2009. Mas foi no Guilhotina, em Pinheiros, que estourou. Pelo trabalho na casa, levou em 2017 e 2019 dois prêmios de bartender do ano. Em 2020, a sociedade desandou e Silva deixou o estabelecimento. Atualmente, além de seguir viajando pelo mundo, cuida muito bem da carta do Locale Caffè, no Itaim Bibi.

 

Ale D’Agostino (2018)

Homem em balcão de bar mexe em coquetel

O paulistano levou o título em 2018, mesmo ano em que seu bar, o Apothek (que funcionou até 2020) foi premiado pelo COMER & BEBER. Por quase dezoito anos, Ale havia trabalhado atrás do balcão do restaurante Spot, feito raro para um profissional do ramo. Atualmente, dedica-se à fábrica de bebidas APTK SPRITS.

 

Jean Ponce (2020)

Jean Ponce - GUARITA BAR

Entusiasta da coquetelaria nacional, o bartender paulistano chamou a atenção do público quando dava expediente no renomado D.O.M., do chef Alex Atala. Mas é no próprio bar, o Guarita, em Pinheiros, onde se sente bem à vontade para criar junto da equipe. Por esse trabalho, levou o título em 2020.

 

Valeu pela visita! Tem alguma novidade para me enviar? Meu e-mail é saulo.yassuda@abril.com.br

Também estou no Instagram: @sauloyassuda

E, olha só, voltei ao Twitter: @sauloy

Continua após a publicidade

Publicidade