Clique e assine com até 89% de desconto
Notas Etílicas Por Saulo Yassuda Dicas, novidades e observações do mundo dos bares e das bebidas

Comer & Beber 2020: Jean Ponce, do Guarita Bar, é o bartender do ano

Com uma trajetória de respeito, o profissional cria coquetéis de excelência, que ajudam a aumentar o repertório etílico da clientela

Por Saulo Yassuda 19 nov 2020, 20h13

Coquetéis muito populares, como moscow mule, não costumam sair do balcão de Jean Ponce (“70% das vendas seriam dele”, argumenta). E nem  tente pedir caipiroska, a caipirinha de vodca — “se já temos poucos drinques clássicos brasileiros, vamos fazê-los corretamente”, defende. Isso não é capricho de um bartender com quase vinte anos de experiência.

O sócio do Guarita Bar, do Guarita Burger e do Patties sabe do seu papel: ajudar no aumento de repertório da clientela e estimulá-la a beber melhor. Na carta mais recente do bar, ele faz questão de variar as bases das misturas: tem cachaças, gim, bourbon, vinho jerez… Uma grande contribuição ao mundo etílico.

Nascido no Ipiranga e criado em São Bernardo do Campo, Ponce decidiu ser bartender quando cursava hotelaria — as aulas sobre destilados o encantavam. Passou a dar expediente em endereços tão variados como o figurino que veste na foto acima: na casa noturna Urbano Club e no restaurante Brasil a Gosto, endereços que marcaram época. Outra escola de Ponce foi o Grupo D.O.M., de Alex Atala, onde trabalhou de 2010 a 2015, antes de partir para abrir o próprio bar, com o chef Greigor Caisley.

Guarita, sal e pepino, nome de um ótimo drinque do titular do balcão e sócio Ligia Skowronski/Veja SP

O projeto inicial era um pequeno ponto de drinques em cima da lanchonete Twelve Burger, que acabou não seguindo adiante. Foi, então, que a dupla montou o Guarita Bar, de início improvisado e hoje um dos melhores bares do país. Na casa, aonde Ponce vai todo dia de bicicleta — quando não usa sua Brasília 72 ou seu Fusca 72 —, ele atende o público com boa prosa e conta no dia a dia com o auxílio da talentosa bartender Alice Guedes.

São entregues — no salão e no delivery — deliciosas misturas como o guarita, sal e pepino (R$ 34,00), de gim, maracujá, água de pepino, sal negro e
folha de limoeiro, que alegra com um sabor pouco óbvio. A guarita, fincada em frente ao bar, já velhinha, deve ser substituída no início do ano que vem. Com a “histórica”, Ponce promete fazer algo nobre. Alguma intervenção artística, talvez. Ele ainda não sabe.

+ Conheça os melhores bares do guia VEJA SÃO PAULO COMER & BEBER 2020/2021

 

Continua após a publicidade

Também estou no Instagram: @sauloyassuda

E, olha só, voltei ao Twitter: @sauloy

Valeu pela visita! Tem alguma novidade para me enviar? Meu e-mail é saulo.yassuda@abril.com.br

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

Assine a Vejinha a partir de 5,90 mensais

Continua após a publicidade
Publicidade