Clique e assine por apenas 6,90/mês
Memória Por Blog Uma viagem no tempo às décadas passadas por meio de suas histórias, costumes e curiosidades.

Vamos jogar Stop?

Diversão garantida para todas as idades

Por Roosevelt Garcia - 24 abr 2018, 12h11

A melhor diversão em dias de chuva ou naquelas noites em que os amigos resolvem aparecer e ninguém quer sair pra lugar nenhum, não precisa de tabuleiro, não precisa ser comprado e nem precisa de equipamento especial. Somente canetas e papeis.

Ninguém sabe explicar a origem do Stop, um jogo que requer apenas um bom vocabulário e uma boa dose de conhecimentos gerais. O fato é que ele é diversão garantida há muito tempo.

Nessas décadas em que é um hit, as regras do jogo não mudaram, simplesmente porque ele é muito simples de se jogar. A única coisa que pode variar de um jogo pra outro são as categorias das palavras a serem preenchidas. Se você é um dos poucos que nunca jogou isso na vida, eis aqui um tutorial bem rápido.

– O número de participantes tem que ser acima de três, mas pra ficar mais legal, quanto mais gente melhor.

– Vocês definem as categorias. As mais comuns e sempre usadas são “nomes”, “animais”, “frutas”, “cores”, “localidades”, mas vocês podem escolher quantas e quais quiserem, incrementando ainda mais o jogo com categorias mais rebuscadas, como “o que tem no banheiro” ou “nome de filme”.

– Distribua papel e caneta pra todo mundo, e todos devem desenhar uma tabela no papel para organizar melhor seus itens.

– Sorteie uma letra, e os jogadores devem preencher as categorias cujos nomes se iniciam com a letra sorteada.

Continua após a publicidade

– Aquele que terminar de preencher tudo primeiro grita “stop”, e todos param de escrever.

– Para calcular o placar, dê cinco pontos para uma palavra que mais de uma pessoa escolheu e dez pontos para aquela palavra que só uma pessoa usou. Somando todas as categorias, você saberá quantos pontos fez nessa rodada.

– Aí é só sortear outra letra e começar de novo.

– Quando cansarem da brincadeira, some todos os pontos de todas as rodadas para eleger o campeão.

Tabela típica de um jogo de Stop bem animado Reprodução/Veja SP

O que certamente não vai faltar na sua partida de Stop, além da diversão, é claro, são as discussões sobre a validade de algum item preenchido. Fatalmente alguém vai colocar “dinossauro” na hora de preencher animais com a letra D, ou “salmão” em cores com a letra S. Cabe a vocês definirem, de preferência antes de iniciar o jogo, quais são as regras para cada caso. A propósito, “dinossauro” não vale como animal, porque é um nome genérico, uma classificação de animais. Seria como colocar “ave” ou “mamífero”. Já “salmão”, é sim uma cor e pode também ser colocado na categoria “animais”.

Variações e incrementos na forma de jogar e de marcar os pontos existem aos montes. Numa das mais interessantes partidas que já joguei, uma das categorias era formar um frase com o maior número de palavras possível que começassem com a letra sorteada. Além de fazer a gente “queimar neurônios” pra bolar alguma coisa, a leitura das frases era sempre motivo de gargalhadas de todos.

Na era da informação e das redes sociais, até o Stop ganhou uma versão digital. Existem aplicativos para celular que simulam o jogo, e que dão até a possibilidade de se jogar online com desconhecidos. Isso certamente é interessante, e um sinal dos tempos, mas com certeza não substitui a alegria de se jogar com os amigos gritando do lado e jurando que aquela palavra esdrúxula realmente existe!

Tela de um dos aplicativos disponíveis para jogar Stop Reprodução/Veja SP

 

Continua após a publicidade
Publicidade