Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Memória Por Blog Uma viagem no tempo às décadas passadas por meio de suas histórias, costumes e curiosidades.

Rua Visconde de Parnaíba, na Mooca, abrigava bonde até 2009

Carro tinha design clássico com número 28 e levava passageiros entre o Museu da Imigração e a estação Bresser; com inversão de sentido, ficou inviável

Por Sérgio Quintella Atualizado em 28 out 2021, 16h40 - Publicado em 29 out 2021, 06h00

A Rua Visconde de Parnaíba, que começa no Brás, passa pela Mooca e termina no Belenzinho, possui em seu carcomido asfalto um conjunto de trilhos que remete a um passado não muito distante. Até 2011, o caminho era usado por um bonde, de prefixo 38, que servia aos visitantes do Museu da Imigração, na mesma via, até a estação Bresser.

bonde andando na rua visconde de parnaiba levando passageiros e com o número 38 na lataria
Reprodução/Arquivo Portal da Mooca/Veja SP

Montado em Santos pela fábrica escocesa Hurst, Nelson and Company Ltd, em 1912, o veículo começou a ser utilizado no pedaço, em 1998, como uma extensão do memorial, reinaugurado naquele ano. Na ocasião, o então governador, Mário Covas, fez um passeio no veículo, que tinha capacidade para transportar 42 pessoas e era a alegria da criançada. O percurso, de 500 metros, deixou de ser viável depois que a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) mudou a mão de direção da rua, em 2009. Sem poder andar na contramão, o bonde foi abandonado e sofreu com furtos, depredações, deterioração pelo tempo e com sucessivas enchentes. Antes de servir aos visitantes do espaço cultural, o velho bonde carregou passageiros “de verdade” em longos trajetos em Santos, entre 1912 e 1971. Há dez anos o veículo retornou à cidade litorânea e à Associação Brasileira de Preservação Ferroviária, sua proprietária.

+Assine a Vejinha a partir de 12,90.

Publicado em VEJA São Paulo de 3 de novembro de 2021, edição nº 2762

Continua após a publicidade

Publicidade