Continua após publicidade

Marca mineira ocupa mezanino do Copan com shows, bar e restaurante

Em mais de 2 000 metros quadrados, local terá programação cultural e projeto gastronômico com ingredientes vegetais e bebidas servidas direto da "torneira"

Por Humberto Abdo
Atualizado em 27 Maio 2024, 22h06 - Publicado em 14 abr 2022, 06h00

A partir de setembro, um novo espaço no centro deve integrar o itinerário dos paulistanos que adoram comer e beber aos pés do Copan ou precisam apenas de um cantinho com boa internet para trabalhar na região. Trata-se de um amplo mezanino escondido em cima de bares como Fel e Dona Onça, “descoberto” por um arquiteto mineiro ao visitar a cidade.

+ Cantora Céu apresenta novo disco em São Paulo e prepara turnê pela Europa

“O Copan era meu ‘marco zero’ quando decidi buscar um local para ampliar os negócios além de Belo Horizonte”, conta Lucas Durães, que comanda desde 2016 o Guaja, café-coworking moderninho instalado em um casarão com formato de convés na capital mineira. Agora o grupo terá ponto fixo em São Paulo, com salas de reuniões, espaços de convivência, cafeteria e novo bar e restaurante nos mais de 2 000 metros quadrados até então ocupados pelo grupo Ri Happy.

Imagem mostra representação 3D de andar de prédio com mesas e diversos ambientes iluminados
Projeto arquitetônico assinado pelo proprietário Lucas Durães. (Divulgação/Divulgação)

Para apagar o clima corporativo deixado pela empresa, Lucas pretende recuperar o amplo pé-direito, até então encoberto por um forro, e planeja liberar o acesso ao andar pela escada de ferro que fica bem em frente à banca de jornais da Avenida Ipiranga. “Não sei se isso é sina ou tara, mas é a terceira vez que trabalho com um imóvel tombado”, brinca. O projeto arquitetônico é assinado por ele e por João Pedro Facury.

Apesar das limitações e desafios de reformar parte de um prédio histórico, ele espera trazer a mesma aparência descontraída da sede e uma agenda cultural fervilhante para que a novidade seja mais que um grande escritório compartilhado. “Meu sonho é que as pessoas passem a confiar na nossa curadoria e queiram nos visitar mesmo sem saber qual artista vai tocar por aqui.”

Continua após a publicidade
Imagem mostra representação 3D de andar de prédio com duas pessoas levando um cachorro passear e uma mulher sentada, usando um computador.
Em planta de 2 100 metros quadrados, as áreas de convivência, como corredores, café e salão de eventos, ficarão abertas à visitação. (Divulgação/Divulgação)

Além de pocket shows e programação de DJs, a ideia é que o salão principal com palco fixo tenha rodas de conversa, exposições de arte, lançamentos de livros e lojas pop-up. O projeto gastronômico, tocado pela Favo Hospitalidade, considera algumas lições vividas na cozinha de Belo Horizonte. “No começo só tínhamos hambúrguer e muitas vezes as pessoas queriam continuar por ali, mas iam embora pela falta de opções para comer.”

Desta vez, o cardápio terá alguns pratos com carne, mas o foco principal será os vegetais, considerando a sazonalidade dos ingredientes. No bar, as bebidas serão servidas direto de torneiras, no sistema on tap, com chopes, refrigerantes e uma kombucha de receita própria.

Imagem mostra representação 3D de bar com pessoas sentadas e barman.
Bar terá chopes e bebidas fermentadas servidas direto da torneira. (Divulgação/Divulgação)

Comprada pela organização Baanko em 2021, hoje a marca tem orçamento de cerca de 8 milhões de reais para lançar o novo endereço e também criou cotas de 5 000 reais para pessoas pretas interessadas em participar da empreitada, cujas obras deverão começar a partir de maio. “Para conseguir parar em pé, preciso vender coisas, mas todos poderão subir livremente e explorar o espaço sem pagar ingresso”, promete.

Continua após a publicidade

Lucas mantém o otimismo ao investir no projeto mesmo após ouvir os relatos de furtos e assaltos que crescem pelo bairro. “Todo mundo me recomendava Pinheiros ou Vila Madalena, mas, se todos cismarem que a violência é um problema insolúvel, ninguém vai fazer nada e vai ficar mais difícil. O abandono é a pior solução.”

+Assine a Vejinha a partir de 12,90.

Para mais novidades e destaques paulistanos, siga Humberto Abdo no Instagram e no Twitter.

Publicado em VEJA São Paulo de 20 de abril de 2022, edição nº 2785

Continua após a publicidade
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.