Clique e assine com até 89% de desconto
Blog do Lorençato Por Arnaldo Lorençato O editor sênior Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há 28 anos. De 1992 para cá, fez mais de 15 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie

Comer & Beber 2020: Massimo Ferrari é a personalidade gastronômica

O restaurateur, que por três décadas recebeu a clientela com um sorriso no extinto Massimo e repete a fórmula na Felice e Maria, é homenageado pelo guia

Por Arnaldo Lorençato Atualizado em 20 nov 2020, 00h53 - Publicado em 19 nov 2020, 21h00

Se São Paulo tem um anfitrião gastronômico, ele se chama Massimo Ferrari. Italiano nascido na pequena cidade de Premosello-Chiovenda, na região do Piemonte, exercitou essa arte durante as três décadas que esteve à frente do extinto restaurante com seu nome, nos Jardins. Aos 77 anos, continua a receber a clientela no Felice e Maria, na Vila Olímpia, um estabelecimento múltiplo aberto em 2009 que funciona como rotisseria e salão para recepções e pequenos eventos, além de serviço de almoço aos domingos a preço fixo e só com reserva. “Montamos um cardápio especial com até cinco entradas, oito pratos e cinco sobremesas”, explica o dono de uma das maiores bibliotecas gastronômicas da capital paulista, de quase 13 000 volumes.

É preciso voltar no tempo para entender a grande contribuição de Ferrari para a gastronomia paulistana. Em 25 de janeiro de 1976, o restaurante Massimo abriu as portas. Tratava-se de um projeto dos pais, Maria e Felice, ele havia falecido quase dois anos antes da inauguração da casa, dedicada à alta gastronomia italiana. “Era o grande sonho do meu pai levar o restaurante para região da Avenida Paulista, que se tornou o grande centro financeiro e cultural da cidade”, lembra-se.

Massimo - Comer & Beber 2013
Salão do extinto Massimo, que fechou em 2013 Roberto loffel/Divulgação

Antes, Felice Ferrari, ex-piloto da Força Aérea italiana, foi dono da lendária churrascaria Cabana, na Avenida Rio Branco. Originalmente, o imóvel na Alameda Santos seria um espaço gourmet, com restaurante no térreo e casa de grelhados no 1º piso. A culinária da Itália acabou se impondo — com exceção da memorável feijoada aos sábados e algumas intromissões internacionais como a lagosta thermidor — e o salão de 450 metros quadrados passou a abrigar só 56 mesas, muito disputadas por quem gostava de comer bem e não se importava com os números graúdos da conta.

Quem recebia a clientela sempre com um sorriso era Massimo, o economista de 1,87 metro, sempre trajando camisas claras e suspensórios coloridos presos à calça, visual inalterado até hoje. Esse primor de atendimento durou até 2006, ano em que ele se separou do irmão e sócio, Venanzio Ferrari — o restaurante funcionou até 2013, quando serviu a última refeição, no dia 27 de setembro.

No Felice e Maria há mais de uma década, o restaurateur continua a cultivar a arte do acolhimento e oferece sob encomenda receitas impecáveis como a lasanha clássica, o frango recheado e a tarte tatin. Pelos serviços prestados à boa mesa paulistana, Massimo Ferrari recebe o título de personalidade gastronômica de 2020.

Leia a resenha sobre o Felice e Maria

+ Conheça os melhores restaurantes do guia VEJA SÃO PAULO COMER & BEBER 2020/2021

+ Conheça os melhores endereços bons e baratos de São Paulo do guia VEJA SÃO PAULO COMER & BEBER 2020/2021

Continua após a publicidade

 

Valeu pela visita! Para me seguir nas redes sociais, é só clicar em:

Facebook: Arnaldo Lorençato

Instagram: @alorencato

Twitter: @alorencato

Para enviar um email, escreva para arnaldo.lorencato@abril.com.br

 

Assine a Vejinha a partir de 5,90 mensais

Continua após a publicidade
Publicidade