Slow food: restaurantes que apostam no conceito

Nada de atacar, em pé e com pressa, aquele pedaço de pizza de ontem. Demos um mergulho no slow food (expressão em inglês que se contrapõe a fast-food, algo como cozinha rápida). O movimento defende a refeição saudável e tranquila, seja em casa, seja na rua. É uma combinação dos conceitos de sustentabilidade com comportamento – deixar a ansiedade e os compromissos para depois e realmente ter prazer na refeição

+ O slow food surgiu na Itália, em 1986, como um protesto contra a comida rápida e industrializada. Hoje, a associação está presente em 150 países e tem mais 85.000 associados.

+ Não é comer em câmera lenta e vai muito além de se contrapor ao fast-food. Trata-se de fazer as refeições com calma, na companhia de pessoas queridas e se preocupar com a origem do alimento, se ele é fresco, saboroso, produzido segundo as normas de sustentabilidade ambiental e se tem um preço justo para quem compra e para quem vende.

+ O slow food contempla também uma espécie de campanha a favor do uso de alimentos regionais, típicos. Uma das atividades consiste em batalhar pela proteção de ingredientes que, por causa do desmatamento, da poluição ou até mesmo pela falta de incentivo à produção, estão desaparecendo. No Brasil, o guaraná, o palmito juçara, o pirarucu e o umbu estão sob “ameaça de extinção”.

+ A feijoada pode ser mais leve que um sanduíche? Segundo a filosofia do slow food, sim. Se for preparada com produtos naturais, de preferência orgânicos, e a refeição for tranquila e prazerosa, a feijoada pesará menos em seu estômago do que o lanche devorado, em pé, com um olho no relógio e outro no balcão da padaria.

+ Associados do slow food podem frequentar feiras e eventos temáticos. Para participar é só acessar o site do Slow Food Brasil ou entrar em contato com o grupo local e pagar uma taxa anual de cinco euros (cerca de 15 reais).

1/8
O Brasil também está descobrindo o conceito ( / Para Steven Kerlo, da Mercearia do Francês, movimento slow é antigo)
2/8
Saiba como ela cuida dos ingredientes que chegam ao seu restaurante ( / Mara Salles, do Tordesilhas, acredita no alimento como cultura)
3/8
A chef acredita que slow é a combinação do sustentável, do orgânico e do incentivo ao pequeno produtor ( / Anayde Lima, do Julia, crê na busca incansável pelo orgânico)
4/8
Dimet frequenta reuniões promovidas pelo slow food para defender a idéia ( / Clo Dimet, do La Table O. & Co.: gastronomia como política de produção)
5/8
A busca pelo produtor artesanal para não errar ( / Gabriel Matteuzzi, do do Tête à Tête: minimorangas colhidas à mão)
6/8
( / Julia Gastronomia)
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s