Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Blog do Lorençato Por Arnaldo Lorençato O editor sênior Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há 29 anos. De 1992 para cá, fez mais de 15 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie

Mudança de endereço: eñe perde chef para o Bistrô Charlô

Titular de um dos mais badalados restaurantes espanhóis da cidade desde junho de 2011 junto dos chefs-proprietários, os gêmeos catalães Sergio e Javier Torres, o chef Chico Farah deu baixa no eñe em dezembro. E trocou completamente de estilo de cozinha. Em vez de preparar modernos pratos ibéricos, ele se tornou o novo titular do […]

Por Arnaldo Lorençato Atualizado em 27 fev 2017, 11h34 - Publicado em 20 jan 2013, 09h43

Farah: novo chef do Bistrô Charlô (Foto: Arnaldo Lorençato)

Titular de um dos mais badalados restaurantes espanhóis da cidade desde junho de 2011 junto dos chefs-proprietários, os gêmeos catalães Sergio e Javier Torres, o chef Chico Farah deu baixa no eñe em dezembro. E trocou completamente de estilo de cozinha. Em vez de preparar modernos pratos ibéricos, ele se tornou o novo titular do Bistrô Charlô, onde se dedica a uma culinária de estilo mais tradicional, com pitadas brasileiras, portuguesas e francesas.

Farah, de 25 anos, explica ter sido essa uma saída planejada para dar não atrapalhar o andamento do eñe, que foi inclusive premiado como o melhor espanhol da pela edição especial “Comer & Beber” de VEJA SÃO PAULO em 2010. “Em outubro, tive as primeiras as conversas com o Charlô [Carlos Whately, chef e um dos donos do Bistrô Charlô]”, conta. “Fiquei cinco anos com o Javier e o Sergio [sócios do eñe]. Foi uma experiência ótima, mas apenas reproduzia, executava as ideias deles. Como estava no mesmo lugar há muito tempo, queria mudar.”

+ Chico Farah é o segundo chef que o eñe perde

+ Revoada de chefs: mudanças nos restaurantes agitam a cena gastronômica paulistana

O cozinheiro também viu a oportunidade de desenvolver um trabalho mais autoral. “Tenho carta branca para criar e mostrar tudo para o Charlô. Depois, trabalhamos juntos o conceito final”, explica. Embora não fale em valores, o salário também pesou na decisão de mudar. “Vou ganhar 50% a mais”, revela.

Continua após a publicidade

Responsável pelo restaurante e pelo menu do espaço de eventos, Farah está fazendo vários testes. Entre as novas sugestões, adianta que terá um polvo cozido em baixa temperatura, cujos molho e guarnição ainda precisam ser definidos. Haverá também uma massa, a mezzaluna de bacalhau. Os clássicos da casa passarão por uma renovação, entre eles o picadinho. “Esse prato já é muito bom e terá agora uma farinha de mandioca especial para a farofa, descoberta pelo Charlô em Minas Gerais.”

Farah passou a cozinha do eñe para aquele que define como seu braço direito, Michel Pessoa. “Sou o interino com a possibilidade de ficar definitivamente”, conta o paulistano de 29 anos, há três anos na casa. “A decisão deve ser tomada em fevereiro, quando Sergio [Torres] vem da Espanha.” Formado em marketing, Pessoa descobriu o interesse pela culinária em uma temporada de três anos na Austrália. No país dos cangurus, ele deu expediente em um pub e em um restaurante.

O cardápio criado pelos irmãos Torres segue inalterado.

Duas mudanças a conferir.

Pessoa: interino no eñe com a possibilidade de se tornar titular (Foto: divulgação)

 

Continua após a publicidade

Publicidade