Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Blog do Lorençato Por Arnaldo Lorençato O editor sênior Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há 30 anos. De 1992 para cá, fez mais de 15 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie

A canja do Vitrô e outras sopas

Antes obrigatórias em qualquer cardápio, as sopas se tornaram cada vez mais raras, tanto em casa quanto em restaurantes. Não falo aqui daquelas misturas prontas de saquinho ou as enlatadas. Mas dos caldos, cremes e consomês feitos com esmero nas cozinhas domésticas e nos restaurantes. É mais comum se pensar nesse tipo de receita quando […]

Por Arnaldo Lorençato Atualizado em 27 fev 2017, 13h19 - Publicado em 5 abr 2011, 21h13

Canja do Vitrô com pouco caldo e incrementada por um ovo pochê (Foto: Fernando Moraes)

Antes obrigatórias em qualquer cardápio, as sopas se tornaram cada vez mais raras, tanto em casa quanto em restaurantes. Não falo aqui daquelas misturas prontas de saquinho ou as enlatadas. Mas dos caldos, cremes e consomês feitos com esmero nas cozinhas domésticas e nos restaurantes.

É mais comum se pensar nesse tipo de receita quando chega o outono e o inverno, estações em que a cidade é invadida por bufês e mais bufês, montados especialmente por padarias.

Para mim, as sopas deveriam ser oferecidas o ano todo. Nos dias de calor tórrido, nada melhor do que um gaspacho, a sopa fria de tomate, pimentão e pepino, um dos pratos nacionais da Espanha e atração do cardápio do Maripili.

A vichyssoise, embora seja servida também quente, fica muito melhor fria. Sua invenção é polêmica. Alguns franceses dizem que teria nascido em território gaulês, enquanto americanos dizem ter surgido nos Estados Unidos pelas mãos de um chef francês. Não importa. É tão gostoso saboreá-la, ir encontrando tirinhas de alho-poró em meio ao creme de batata, como acontece no Freddy.

Das mais antigas e de alma luso-brasileira, a canja quase caiu no esquecimento. Era o prato predileto de dom Pedro II, como conta o jornalista Dias Lopes no ótimo livro de histórias gastronômicas “A Canja do Imperador” (Ibep Nacional, 445 páginas, R$ 48,00).

Além do delicioso caldo de galinha com arroz e legumes cortados em cubinhos feito por minha mãe, lembro com saudade da machado de assis (acho que esse era o nome), canja do extinto Spazio Pirandello, híbrido de bar e restaurante que foi um tremendo sucesso da Rua Augusta pré-balada. A sopa era um conforto para o estômago e a alma de muitos boêmios da cidade. Mais recentemente, uma receita bem bacana foi incorporada por Fred Frank no Vitrô, servida no jantar e aos fins de semana.

Mais do que o apreço pela sopa, compartilho um poema de Carlos Drummond de Andrade amorosamente irônico sobre o prato outrora cotidiano:

Sentimental

Ponho-me a escrever teu nome

Continua após a publicidade

com letras de macarrão.

No prato, a sopa esfria, cheia de escamas

e debruçadas na mesa todos completam

esse romântico trabalho.

Desgraçadamente falta uma letra,

uma letra somente

para acabar teu nome!

– Está sonhando? Olhe que a sopa esfria!

Eu estava sonhando…

E há em todas as consciências um cartaz amarelo:

“Neste país é proibido sonhar.”

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês