Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Nunes diz que a chance de aumentar a tarifa de ônibus é de 50%

“A gente está fazendo um esforço gigantesco para não aumentar a passagem”, afirmou prefeito

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 29 jun 2022, 11h59 - Publicado em 29 jun 2022, 11h27

Ao comentar a greve dos motoristas e cobradores de ônibus da cidade de São Paulo nesta quarta-feira (29), o prefeito Ricardo Nunes (MDB) afirmou que a chance de manter a tarifa aos atuais 4,40 reais é de 50%, admitindo assim, a hipótese de reajustar o valor.

+Nova greve dos motoristas deixa 1,5 milhão sem ônibus na capital

A paralisação desta quarta afetou 1,5 milhão de passageiros no horário de pico da manhã.

A declaração de Nunes foi feita ao apresentador Joel Datena, do programa Bora SP, da TV Band. Na conversa, Nunes criticou o novo ato. “É um dia triste que marca uma grande irresponsabilidade desse sindicato”, afirmou.

Ao ser questionado se a greve poderia impactar nos cofres da prefeitura, já que a administração municipal subsidia o sistema –para pagar gratuidades e outros itens–, Nunes explicou que um dos principais insumos usados para fazer os ônibus rodarem, o diesel, teve uma elevação de 107% no último ano, e que conversaria com as viações para saber como repassar esse valor. O impacto seria absolvido pelo dinheiro em caixa.

+Governo de SP credita redução na letalidade policial às câmeras policiais

Ao ser questionado pelo apresentador se haveria aumento do valor do subsídio ou da tarifa, Nunes disse estar fazendo um esforço gigantesco para não aumentar a passagem, principalmente pelo momento atual da economia, em que 800 mil estão desempregados só em São Paulo, além da pobreza ter avançado. “Manter a tarifa é uma estratégia inclusive da retomada econômica da cidade”, disse.

Ao final, Joel Datena perguntou então se, de 0 a 10, qual era a chance de manter a tarifa em 4,40 reais neste ano, no que Nunes respondeu: “50%”.

+Elizabeth II agradece cartão enviado por alunos do colégio Santa Cruz

A greve

Continua após a publicidade

Os trabalhadores cruzaram os braços reivindicando por reivindicações não atendidas pelos patrões, tais como horário de almoço não remunerado e participação nos lucros e resultados.

Deflagrada à 0h desta quarta-feira (29), a paralisação atingiu 1,5 milhão de passageiros, segundo a empresa que gerencia o transporte público na capital, a SPTrans. Das 150 linhas que operam na madrugada, 88 não rodaram. Durante o dia, 675 linhas, que operam 6 008 ônibus, não saíram das garagens.

A prefeitura informou que os motoristas e cobradores desrespeitaram a decisão judicial que determinou a manutenção de 80% da frota operando nos horários de pico e 60% nos demais horários.

+“Ninguém merece ter a privacidade invadida”, diz aluno filmado em banheiro

A greve é a segunda realizada neste mês. No dia 14 de junho, os motoristas e cobradores de ônibus da capital paralisaram por 15 horas, porque queriam um reajuste salarial de 12,5% e a paralisação deixou 2,7 milhões de passageiros a pé.  Foi feito um acordo entre as empresas e os trabalhadores intermediado pelo vereador Milton Leite (União Brasil), o que chegou a ser comemorado em vídeo postado nas redes sociais do prefeito à época.

A paralisação foi decidida em assembleia nesta terça-feira (28). Com isso, a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) decidiu suspender o rodízio para veículos com placas finais 5 e 6. Além disso, as faixas de ônibus ficarão liberadas para circulação de carros enquanto durar a greve.

Julgamento

O TRT-SP (Tribunal Regional do Trabalho) marcou para as 15h desta quarta-feira o julgamento do dissídio coletivo para avaliar se os donos das viações de ônibus devem ou não atender as demandas dos trabalhadores.

Segundo o tribunal, a sessão será presidida pelo desembargador Davi Furtado Meirelles, relator do caso. A sessão foi marcada após um pedido do sindicato que reúne os patrões, o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo (SPUrbannus).

Em decisão anterior, o desembargador havia dado o prazo até o dia 1º de julho, próxima sexta-feira, para que eles chegassem a um acordo.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês