Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Blog do Lorençato Por Arnaldo Lorençato O editor sênior Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há 29 anos. De 1992 para cá, fez mais de 15 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie

Erick Jacquin prepara estreia de 3 unidades: restaurante italiano, café e boteco

Junto aos sócios Orlando e Silvinha Leone, com quem tem o Président, o Ça-Va e o Jojo Gastrô, o jurado do MasterChef demonstra apetite para os negócios

Por Arnaldo Lorençato Atualizado em 18 jun 2021, 11h22 - Publicado em 18 jun 2021, 06h00

Felizmente, é impossível acreditar na palavra do Erick Jacquin. Na época da falência de seu restaurante, o La Brasserie, há mais de sete anos, ele disse que nunca mais voltaria ao ramo. Ao menos como patrão. Um terremoto de popularidade na vida do cozinheiro francês chamado MasterChef Brasil, reality da Band que estreou em 2014, mudou e muito seu expediente comercial. Depois de se descobrir um talento para a câmera como um jurado implacável, está se revelando um midas para novos negócios.

Além de dois restaurantes, o Président, nos Jardins, e o Ça-Va, na Bela Vista, mais a dark kitchen Jojo Gastrô (para delivery), também nos Jardins, ele é a imagem de um grupo que se prepara para inaugurar três casas. Vêm aí o restaurante italiano Lvtetia, o Buteco do Jacquin, no Espaço Helbor, e o Ça-Va Café, no térreo de um edifício residencial da mesma incorporadora Helbor. É pouco? Está também em tratativas para a compra de mais uma casa, cujo nome ainda faz mistério.

Projeção 3D do restaurante Lvtetia. Salão com pinturas no teto e espelhos nas paredes à esquerda e à direita. Mesas em ambos os lados ao longo do espaço.
Projeção em 3D da casa italiana: endereço nos Jardins Divulgação/Divulgação

Afora o reality de TV que o projetou — desde então, o chef já engatou mais dois programas, dá consultorias, palestras e faz comerciais via Instagram para várias marcas, incluindo aí uma de comida para animais de estimação e, nesta semana, a rede McDonald’s —, ele conta com uma parceria para os negócios gastronômicos: o empresário Orlando Cesar Leone e a esposa, Silvinha.

“O Orlando passou de cliente a investidor”, conta o cozinheiro. “Meu medo era não dar certo, porque nós dois temos personalidades fortes.” O compromisso entre eles é que cada um cuide de sua especialidade, um na cozinha e outro na administração. “Já tive vontade de matar o Jacquin algumas vezes”, brincou quase gargalhando Leone, durante a entrevista com a dupla no terraço do restaurante Badebec, no ponto do extinto Marcel, vizinho ao Président.

LEIA TAMBÉM: Érick Jacquin estreia novo delivery, o Jojo Gastrô

 

Projeção 3D do restaurante Lvtetia. Paredes em formato de U cobertas por folhas com bancada na mesma forma rodeada por banquetas de acrílico transparente.
Lvtetia: terraço aos fundos da nova casa Divulgação/Divulgação

Neófito no mundo da gastronomia, Leone dedicava-se integralmente aos grupos Montanna e Monte Leone, que inclui uma distribuidora de peças e concessionárias Honda. “Sou presidente da Anfamoto, a Associação Nacional dos Fabricantes e Atacadistas de Motopeças. Não conhecia nada de gastronomia. Mas é apaixonante”, garante.

mulher de roupa amarela olhando para o lado
Rosângela Jacquin: “hoje, ela é minha patroa”, revela o francês sobre a esposa Instagram/Reprodução

O vistoso Président, com fachada e interior em um vermelho luminoso, foi oficialmente inaugurado em dezembro de 2019. “Foram três anos até que o Président ficasse pronto. A Rosângela, minha mulher e sócia do negócio, não queria ter mais um restaurante. Ela dizia: ‘A gente vai começar uma história que não vamos terminar’. Hoje, ela é minha patroa”, revela Jacquin. Faz sentido a apreensão depois dos reveses anteriores. Logo em seguida à abertura no fim do ano retrasado, a casa de alta gastronomia teve seu funcionamento interrompido pelo surto mundial da Covid-19, como aconteceu com todo o segmento.

Continua após a publicidade
Projeção 3D do restaurante Lvtetia. Salão de paredes brancas com mesa retangular em destaque de tampo preto rodeada de cadeiras saarinen com braço brancas.
Espaço do endereço italiano, com inauguração prevista para agosto: na mesma quadra do Président Divulgação/Divulgação

O contratempo não tirou o senso de oportunidade de expansão dos sócios. Em novembro de 2020, quando São Paulo experimentou uma melhora durante a pandemia, chegando à fase verde, foi anunciada a compra do Ça-Va, bistrozinho charmoso que estava com os dias contados após a morte de seu antigo proprietário. “Os filhos iam fechar o restaurante, que está na mais recente temporada de Pesadelo na Cozinha (outro reality de sucesso estrelado pelo chef). Assumimos o imóvel, indenizamos os funcionários e fizemos a reforma”, diz Jacquin.

Salão do restaurante Ça-Va. Com paredes verde-água cobertas de quadrinhos e mesas com pessoas comendo em mesas nos cantos esquerdo e direito.
O bistrô Ça-Va: arrematado por 600 000 reais Romero Cruz/Veja SP

Avesso a falar sobre números e dono do bordão “Investimos o valor de mercado”, Leone deixa escapar um deles: “Para ficar com o Ça-Va, gastamos cerca de 600 000 reais”. Entre os aprimoramentos recentes, está um fogão novinho em folha que acaba de chegar ao bistrô. Na mesma quadra e a dois passos do Président, o Lvtetia, o nome original de Paris em latim, é a primeira investida em uma culinária das mais amadas pelos paulistanos: a italiana.

O espaço grandioso, com antigas árvores num terraço aos fundos, será, digamos, pomposo como demonstram as projeções em 3D do arquiteto Adriano Mariutti. “A intenção era abrir em julho, mas devemos estar com tudo pronto só em agosto”, acredita o cozinheiro. Embora Leone assegure que convenceu Jacquin a fazer um menu franco-italiano, Jacquin rebate na lata. “Eu que decido. Será italiano. Acho que nem vinho francês vai ter”, esbraveja.

Restaurante com paredes vermelhas, balcão de bar e mesas
Salão do Président: cardápio francês Clayton Vieira/Veja SP

O chef com apetite para negócios também está metido no Espaço Helbor, previsto para ocupar por três anos o antigo prédio do Octavio Café, cafeteria fechada em julho de 2020 por Rodrigo Quercia, CEO do Grupo SolPanamby, filho do ex-governador Orestes Quércia (1938-2010) e responsável por administrar os muitos negócios da família — depois desse prazo de validade, a monumental edificação, projetada pelo escritório Seragini Farné Guardado Design, deve vir abaixo para dar lugar a apartamentos de alto padrão.

Foto tirada do mezanino do salão oval do extinto Octávio Café. À esquerda, fileira de mesas e, à direita, bancada com banquetas.
O monumental Octavio Café: vai abrigar o Buteco do Jacquin Fernando Moraes/Veja SP

Enquanto permanece de pé e com curadoria do construtor Beto Saad, vai sediar uma Casa do Saber do empresário, uma área para exposição de arte, uma concessionária de carros de luxo, uma adega com rótulos de seis importadoras e uma filial do Esch Café para charuteiros, além da sede do Buteco do Jacquin. “Vou aproveitar a cozinha, que é ótima”, elogia o chef. No cardápio, haverá de itens do café da manhã, como croissants e bolos, a pratos, caso de um par de massas e feijoada.

Ainda com a Helbor, está em curso outra parceria para ocupar parte do térreo do edifício residencial Wide, no número 2636 da Avenida Rebouças. “No prédio, com mais de 200 unidades e um complexo com salas do Cinemark, devemos ter nosso primeiro Ça-Va Café, bem pequeno. Ainda não fechamos esse formato”, antecipa Leone. Haja fôlego para tanta expansão.

Assine a Vejinha a partir de 8,90 mensais

Valeu pela visita! Para me seguir nas redes sociais, é só clicar em:
Facebook: Arnaldo Lorençato
Instagram: @alorencato
Twitter: @alorencato

Para enviar um email, escreva para arnaldo.lorencato@abril.com.br
Caderno de receitas: + Fettuccine alfredo como se faz em Roma

  • Continua após a publicidade
    Publicidade