Clique e assine por apenas 6,90/mês

Covid-19: Mais quatro centros de pesquisa vão iniciar testes com CoronaVac

Ao todo são doze as entidades que participam do estudo em diversas regiões do país

Por Redação VEJA São Paulo - 28 jul 2020, 17h00

O governo de São Paulo anunciou nesta terça (28) que mais quatro centros de pesquisa vão iniciar nesta semana a testagem da vacina contra a Covid19, desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac Life Science em parceria com o Instituto Butantan. No total são doze os centros de estudo que participam da iniciativa.

O Hospital Emílio Ribas e o Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto iniciam o estudo no dia 30 de julho, quinta-feira. Depois, no dia 31, é a vez da Universidade Municipal de São Caetano do Sul e a Universidade Federal de Minas Gerais. Serão 9 000 voluntários em diversas regiões do país.

João Doria afirmou na última segunda-feira que a CoronaVac, como é chamada a vacina, deve estar disponível em janeiro de 2021.

Participam da iniciativa:

Continua após a publicidade
  • Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP
  • Instituto de Infectologia Emílio Ribas
  • Hospital Israelita Albert Einstein
  • Universidade Municipal de São Caetano do Sul
  • Hospital das Clínicas da Unicamp
  • Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto
  • Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto
  • Universidade de Brasília
  • Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas de Fiocruz (RJ)
  • Universidade Federal de Minas Gerais
  • Hospital São Lucas da PUC do Rio Grande do Sul
  • Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Paraná

O primeiro centro a testar a CoronaVac foi o Hospital das Clínicas na capital, no dia 21 de julho. Caso a vacina seja aprovada, a Sinovac e o Butantan vão fornecer a tecnologia para o fornecimento ao SUS.

Os 9 000 voluntários são, exclusivamente, profissionais da saúde que não tiveram a doença e lidam com pacientes com a Covid-19. Eles não podem ter comorbidades e não podem participar da testagem de outras vacinas. As voluntárias do sexo feminino não podem estar grávidas.

Publicidade