Clique e assine por apenas 6,90/mês

Pratos e petiscos clássicos da culinária paulistana

Confira quantos destes velhos e novos clássicos da cidade você já provou

Por Redação VEJA São Paulo - Atualizado em 23 jan 2020, 20h28 - Publicado em 18 jan 2013, 21h08

Acarajé é comida baiana; feijão-tropeiro, típico de Minas Gerais; já o picadinho vem do Rio de Janeiro. E quais são os pratos da culinária paulistana? De carona no aniversário de São Paulo, comemorado neste sábado (25), selecionamos pratos e petiscos clássicos da cidade. Confira.

Bolinhos de carne: feitos pela dona Idalina Fernando Moraes/Divulgação

BOLINHO DE CARNE
Concorrido patrimônio da Zona Norte, o Bar do Luiz Fernandes é um dos melhores botecos da capital e não raro se mostra lotado de gente de todos os cantos. Entre os motivos estão os saborosos bolinhos de dona Idalina, fundadora da casa com o marido, Luiz Fernandes. O mais famoso é o de carne, feito com acém, de casquinha crocante. O grande custa R$ 6,00.
Rua Augusto Tolle, 610, Mandaqui, tel. 2976-3556.

Coxinha com catupiry: tem capa crocante Ricardo D'Angelo/Veja SP

COXINHA
Instituição da Freguesia do Ó, o bar Frangó serve, além de cervejas especiais de diferentes países, uma das melhores e mais famosas coxinhas da cidade. Frita na hora do pedido, ela chega à mesa quentinha, com capa crocante e recheio de frango com uma camada generosa de catupiry. A porção de dez unidades sai por R$ 28,00.
Largo da Matriz de Nossa Senhora do Ó, 168, Freguesia do Ó, tel. 3932-4818.

POLPETTONE
Com sete décadas de tradição, a cantina Jardim de Napoli continua a ser um bom destino para quem quer saborear pedidas generosas. O clássico polpettone (R$ 74,00, para dois), criado por ali pelo fundador, Toninho Buonerba (1939-2018), é um bolo de carne empanado e recheado de mussarela. Por cima, traz ainda muito molho de tomate e parmesão ralado.
Rua Martinico Prado, 463, Higienópolis, tel. 3668-8383.

Bolinho de arroz: coberto por pargo Mario Rodrigues/Veja SP

SUSHI
São Paulo reserva uma pequena seleção de lugares que servem sushis de respeito. Alguns dos melhores saem das mãos de Leonardo Jun Sakamoto, que trabalha atrás do balcão do Jun Sakamoto. Os bolinhos de arroz cobertos com ingredientes do mar, como pargo com flor de sal e yuzu, são servidos na degustação na bancada com o anfitrião (R$ 395,00).
Rua Lisboa, 55, Pinheiros, tel. 3088-6019.

Suflê: feito com queijo gruyère Divulgação/Divulgação

SUFLÊ
O chef Raphael Durand Despirite, à frente do francês Marcel desde 2004, continua a preparar algumas receitas da época em que seu falecido avô, Jean Durand, tocava o restaurante. Entre os exemplos estão os suflês, que fizeram a fama da casa e começaram a ser preparados no fim dos anos 60. O mais famoso é o de queijo gruyère (R$ 61,00).
Rua da Consolação, 3545, Jardim Paulista, tel. 3064-3089.

Dadinhos de tapioca: criados por Rodrigo Oliveira Ligia Skowronski/Veja SP

DADINHO DE TAPIOCA
Num lampejo de genialidade, Rodrigo Oliveira criou para o Mocotó em 2006 uma das receitas mais consagradas e copiadas da cidade: os dadinhos de tapioca. É difícil, porém, encontrar uma réplica que alcance o mesmo nível de execução. Por ali, a receita é sequinha e tem queijo na medida. Custa R$ 26,90 a porção com doze unidades.
Avenida Nossa Senhora do Loreto, 1100, Vila Medeiros, tel. 2951-3056.

Bauru: leva rosbife cortado fino Leo Martins/Veja SP

BAURU
O Ponto Chic, inaugurado no Largo do Paissandu em 1922, imortalizou o bauru (R$ 26,90), sanduba clássico paulistano preparado no pão francês sem miolo. Entre as fatias vão camadas de rosbife cortado fino, tomate, pepino e ainda uma mistura dos queijos prato, gouda, suíço e estepe fundidos em dose caprichada.
Largo do Paissandu, 27, centro, tel. 3222- 6528/9057. Mais dois endereços. 

Bolinho de arroz no Ritz: preparado com queijo parmesão Tadeu Brunelli/Divulgação

BOLINHO DE ARROZ
O clima de badalação atrai muita gente para as casas do Ritz, cuja primeira unidade opera há quase quarenta anos nos Jardins. O que cativa a clientela são receitas benfeitas como o bolinho de arroz com queijo parmesão. Úmido por dentro, é servido em porção de seis (R$ 24,00) ou de dez unidades (R$ 34,00) com relish de pimentão verde.
Rua Jerônimo da Veiga, 141, Itaim Bibi, tel. 3079-2725. Mais três endereços.

Picanha fatiada: famosa na churrascaria Rodeio Ricardo De Vicq/Divulgação

PICANHA FATIADA
Com dois endereços na cidade, o Rodeio dedica-se às carnes desde 1958, quando foi aberta a matriz, nos Jardins. O negócio pertence à família Macedo e teve seu apogeu sob comando do patriarca, Roberto Macedo, já falecido. Especialidade da casa e clássico da pauliceia, a picanha fatiada sai por R$ 182,00.
Rua Haddock Lobo, 1498, Jardim Paulista, 3474-1333; Shopping Iguatemi, tel. 2348-1111.

Margherita: combina mussarela, tomate e manjericão Divulgação/Divulgação

PIZZA MARGHERITA
Pizzaria sessentona, a Speranza carrega a fama de ter sido a primeira a servir o sabor margherita (R$ 77,90) em São Paulo. Não demorou muito para que a cobertura, composta de mussarela, tomate e manjericão, estivesse (literalmente) na boca do público e se popularizasse pela capital.
Rua 13 de Maio, 1004, Bela Vista, tel. 3288-8502/3512; Avenida Sabiá, 786, Moema, tel. 5051-1229/7615.

Fraldinha: popularizada no Templo da Carne Marcos Bassi Eza Gragnado/Divulgação

FRALDINHA
Em funcionamento há mais de quatro décadas, o Templo da Carne Marcos Bassi carrega o legado do fundador Marcos Bassi, morto em 2013. Especialista em carnes, ele foi responsável por posicionar a fraldinha como um dos cortes mais desejados pelos paulistanos. Preparada na grelha, a pedida sai por R$ 298,00 para três pessoas.
Rua 13 de Maio, 668, Bela Vista, tel. 3251-1442.

Publicidade