Clique e assine por apenas 5,90/mês

COMER & BEBER 2016/2017: docerias

Confira a seleção dos melhores endereços dessa categoria

Por Fábio Galib, Jennifer Detlinger e Mônica Santos - Atualizado em 2 jun 2017, 10h52 - Publicado em 21 out 2016, 23h00

A edição especial VEJA COMER & BEBER São Paulo reúne 200 endereços de comidinhas. Abaixo, a seleção das docerias.

Ale Tedesco Bakery Shop: no último ano, a confeiteira Alexandra Tedesco fechou a loja de Moema, mas a da Chácara Santo Antônio segue firme e forte. Ainda bem! Trata-se de um dos bons endereços para provar bolos altos, úmidos, cheios de camadas perfeitinhas. Hit local, o red velvet ganha uma versão “black”, com massa de chocolate. Igualmente tentador, o de morango com brigadeiro é farto na cobertura. Qualquer um deles é vendido em generosas fatias por R$ 15,30. Dá ainda para pedir um brownie, uma cheesecake, uma tortinha… Escolhido o doce, só resta pedir um expresso (R$ 4,90) para acompanhar.

Amor aos Pedaços: o número de lojas da marca na cidade diminuiu com o fechamento de cinco endereços no último ano. Fazem a fama do lugar os bolos fartos em recheio e cobertura e, em geral, muito adocicados. É o caso do bruna, com massas branca e de chocolate intercaladas por doce de leite e ovos moles e cobertura de marshmallow e coco (R$ 109,00 o quilo). Da linha 0% de açúcar, tem consistência leve e sabor equilibrado a torta musse de chocolate (R$ 116,00 o quilo). No mês de março, a grife lançou uma linha de receitas congeladas, para levar para casa, e com preço mais em conta. Com 900 gramas, os bolos de abacaxi com coco, floresta negra e de trufa custam R$ 59,00 cada um.

B.Lem Portuguese Bakery: além do pastel de nata (R$ 6,90), reluzem na vitrine das três unidades — a mais recente delas em Pinheiros — guloseimas como o pastel de torres, uma massa folhada recheada de purê de amêndoa; R$ 7,90. Também fazem bonito os salgados (empada de frango caipira; R$ 8,90), assim como os pães. Estes podem compor combos de café da manhã como o mouraria (R$ 19,90), que reúne pão de água, manteiga, geleia, madalena e café ou chá.

Comer e Beber 2013 - bolo caseiro - Bolo à Toa
Comer e Beber 2013 – bolo caseiro – Bolo à Toa

Bolo à Toa: lojas especializadas em bolo existem várias, mas nenhuma delas tem receitas tão certeiras como a marca comandada pelos irmãos Renata Frioli e Marcelo Grosso. Na matriz, em Pinheiros, ou nas outras duas unidades, no Itaim e no Real Parque, os bolos expostos estão sempre fresquinhos e são embalados na hora do pedido. O fofíssimo bolo de iogurte sai em versões com limão (R$ 22,00), maracujá (R$ 22,00) e amora (R$ 25,00). O de chuva (R$ 30,00) vem com doce de leite. É de lamber os dedos.

Bolo & Bule: acomode-se sem pressa e esteja preparado para render-se aos bolos que reluzem no balcão. A delicadeza e o cuidado revelam-se no ambiente e nas receitas muito benfeitas, como o bolinho individual de banana sem glúten nem lactose (R$ 8,50). Se preferir levar para casa, o de tamanho grande custa R$ 44,00. Para comer ali mesmo, agrada o de tâmaras com especiarias (R$ 8,50), que vai bem com o bule de chá (R$ 8,50; 300 mililitros) ou o café coado na hora (R$ 8,50; 200 mililitros).

Boutique CFC Pâtissier: quem entra nesta charmosa loja decorada em tons de rosa tem a sensação de ser transportado para uma pâtisserie em Paris. A inspiração francesa do lugar se estende às belas guloseimas elaboradas com capricho pelo sócio e chef pâtissier Caio Corrêa, que trabalhou por quase três anos na filial de Londres da confeitaria Ladurée. Entre os doces na vitrine, brilha o plaisir du chocolat (R$ 23,00), combinação de ganache, folhas e chantili (tudo feito com chocolate), montado em uma massa de avelã e praliné. Também dá para se deliciar com os ótimos macarons, como os de framboesa e pistache. Cada um sai por R$ 5,00.

Brigadeiro Doceria & Café: feitos sem frescura, com chocolate em pó nacional, leite condensado, manteiga e um toque de mel, os brigadeiros enrolados deram fama à graciosa casa. É difícil escolher entre o de nozes, o de Nutella e o meio amargo (R$ 3,75 a unidade). Durante o almoço, há a bandejinha, espécie de combo que pode juntar a quiche de queijo gruyère e cenoura com uma saladinha, um brigadeiro e um expresso da marca Lavazza por R$ 35,00.

Brigadeiros by Cousin’s: os brigadeiros, boleados na hora do pedido, são ótimos e aparecem em versões como chocolate suíço (R$ 4,75) e caramelo com flor de sal (R$ 5,50). Mas Giulianna Loduca Scalamandré vai muito além: sua vitrine traz uma profusão de clássicos da confeitaria francesa executados com esmero. É o caso do paris-brest (R$ 18,50), que tem forma de rosquinha e vem preenchido de creme de amêndoas, e do mil-folhas (R$ 18,50) cuja massa é de uma delicadeza exemplar. Outra sugestão, o mimi choux (R$ 8,50) consiste em uma carolina de pistache recheada de creme de confeiteiro.

+ Cinco tortinhas com frutas para saborear na primavera

Casa de Bolos: criada em 2009 na cidade de Ribeirão Preto, a marca cresceu de forma impressionante e hoje são mais de 200 endereços pelo Brasil, cinquenta deles na capital paulista. Em comum, todos têm ambientes de decoração simples e sem mesas, o que convida os clientes a levar para casa exemplares das fornadas que perfumam o ambiente. É o caso do bolo de banana com canela (R$ 13,00) e do que tem massa de cenoura e cobertura de chocolate (R$ 19,00). Mais recentemente, a rede passou a investir também nos chamados bolos de pote, em versões como prestígio e leite Ninho (R$ 7,00 cada um).

Casa Mathilde – Doçaria Tradicional Portuguesa
Casa Mathilde – Doçaria Tradicional Portuguesa

Casa Mathilde Doçaria Tradicional Portuguesa: do centro, a marca se expandiu no último ano para a Zona Norte, ao ganhar um ponto de venda no Santana Parque Shopping, e para a Zona Sul, ao abrir uma bonita loja em Moema. Em todos os estabelecimentos, impressiona a alta qualidade dos doces portugueses. Além do pastel de nata (R$ 6,80), clássico absoluto de massa crocante e recheio cremoso, há delícias como o travesseiro de sintra (R$ 7,50) e o pastel de são bento (R$ 7,00), ambos com ovos e amêndoa. As areias de cascais (R$ 75,00 o quilo) são feitas para comer aos montes: os pequenos biscoitinhos amanteigados se desmancham na boca. Os preços são ligeiramente mais altos nas outras duas lojas.

Condimento: é comum enfrentar alguns minutos de espera para sentar-se a uma das mesas do gracioso salão com papel de parede florido e móveis brancos. Dona do negócio, Carol Doher prepara guloseimas tentadoras, expostas numa mesa na lateral da doceria. Entre as queridas do público, está o brownie alpino com pedacinhos do chocolate, que pode levar cobertura de Nutella (R$ 18,00). Agrada também o bolinho de banana, servido aquecido com calda bem densa de doce de leite (R$ 12,00). Para que a gulodice venha acompanhada de uma bola de sorvete, os preços sobem para R$ 22,00 e R$ 16,00, respectivamente. Entre os salgados, há lanches montados na ciabatta. Desses, o chamado panini mignon (R$ 29,00) leva filé-mignon, queijo, cebola caramelada e mostarda de Dijon no pão prensado.

Confeitaria Dama: a receita de mil-folhas (R$ 13,50) é a saborosa explicação para o habitual movimento nas três unidades da Confeitaria Dama. Mas há outros bons motivos para o sucesso da loja de Pinheiros, entre eles os deliciosos éclairs de limão-siciliano e de avelã (R$ 9,00 e R$ 10,50, respectivamente, cada um). Neste ano, as proprietárias Daniela e Mariana Gorski lançaram uma linha batizada de viennoiserie, que é como os franceses se referem ao ramo da panificação que explora os folhados. Além do croissant tradicional (R$ 6,80), bem levinho e amanteigado na medida, a lista inclui uma ótima versão de amêndoa (R$ 13,20).

Confeitaria Marilia Zylbersztajn: mais um ano e Marilia Zylbersztajn continua no topo. Mas… qual o segredo do trabalho que leva a assinatura dessa moça de sobrenome difícil? Em uma palavra: equilíbrio. Conta pontos, é claro, o acabamento primoroso das tortas, cujo preparo privilegia ingredientes orgânicos, caso da farinha de trigo. O arrebatamento, contudo, vem mesmo é na garfada. Com menos açúcar, sobressaem os sabores dos outros elementos, a exemplo da receita que leva um creme de limão-siciliano de azedinho sutil ou da que combina manga e creme de coco, cheia de frescor (R$ 11,00 a fatia de cada uma). Tudo simples e bom, como deve ser. Pedida para quem não abre mão de chocolate, a versão que tem massa de cacau e amoras cultivadas na Serra da Mantiqueira é uma criação recente de arrancar suspiros (R$ 11,00 a fatia também). Com talento forjado na Califórnia pela escola Le Cordon Bleu e também na exigente cozinha do restaurante D.O.M., de Alex Atala, Marilia faz ainda compotas, caramelos e biscoitos para quem quer levar uma doçura para casa — sem perder o comedimento, é claro.

Cristallo: o cardápio até inclui sanduíches e saladas, mas a maior parte dos clientes que se acomodam em um dos oito endereços está disposta a um expresso (R$ 4,90), feito com grãos oriundos do sul de Minas, e pequenas guloseimas, a exemplo do fofinho panini de creme (R$ 7,50). Entre os salgados, são pagos R$ 7,50 por uma empadinha de frango pequena, daquelas que é preciso repetir. Dica: a casa vende panetone o ano inteiro, sempre fresquinho, mas o luxo fora de época custa caros R$ 10,50 por uma fatia de 70 gramas.

Da Feira ao Baile: no começo, só por encomenda Roberta Julião fazia seus tentadores bolos. Entre uma fornada e outra, postava dicas gastronômicas e receitas no blog que batiza o misto de doceria e café. Dos bolos expostos na vitrine, prefira a versão de brownie de chocolate meio amargo com doce de leite e crocante de castanha (R$ 95,00 o quilo). Entre os salgados, a porção de biscoito de polvilho com coalhada seca (R$ 10,00) faz par com o café coado (R$ 3,00). No almoço, entre 12h e 15h, a torta de frango mais catupiry vem com salada e cuscuz marroquino (R$ 34,90).

Dicunhada: a pequena doceria com cara de casa de boneca tem os brigadeiros como estrelas da vitrine. Entre os mais de setenta sabores, torça para encontrar as versões de paçoca, zabaione e nozes. Cada unidade custa R$ 4,50. Também oferece bons bolos em estilo caseiro, caso do sensação, que intercala pão de ló de chocolate, recheio de creme de morango e cobertura de ganache de chocolate (R$ 17,00 a fatia). Para dias de calor, há uma geladinha opção de coco ao doce de leite (R$ 7,50) embrulhada em papel-alumínio.

Di Cunto: a octogenária confeitaria é um símbolo da Mooca, bairro no qual mantém sua enorme matriz. Lá, ou em uma das três filiais espalhadas pela cidade, atraem os doces de sotaque italiano. Tem cannoli de creme de ricota, chocolate ou baunilha (R$ 7,80 qualquer um deles), sfogliatella de ricota e frutas cristalizadas (R$ 8,60) e zeppola (R$ 8,60), massa frita recheada de creme de confeiteiro e coberta com mel e castanha- de-caju. Outras boas pedidas são o panetone (R$ 19,90, 500 gramas), ali produzido o ano todo, o pão italiano (R$ 18,50 o quilo) e salgados como a minicoxinha (R$ 2,20 a unidade).

Dona Doceira: Adriana Lira Tarandach trabalha para preservar a doçaria tradicional de Goiás, seu estado natal. Entre os quitutes de preparo laborioso e pouco conhecidos por aqui está o limãozinho-galego preenchido com doce de leite caseiro (R$ 4,00), delicado tanto no sabor como no visual. Também são de encher os olhos o figo recheado de creme de castanha-de-baru (R$ 5,00) e as flores de fita de coco — na produção de cada uma a doceira despende mais de vinte minutos —, as quais têm versões de goiaba, morango, maracujá, abacaxi e açaí (R$ 6,50 a míni e R$ 8,00 a pequena).

Continua após a publicidade

Dulca: a agradável loja de esquina em Higienópolis permanece lotada, sobretudo nas tardes de sábado, mas os itens da vitrine deixam a desejar. Dos salgados, prefira a empada de palmito à coxinha (R$ 8,50 cada um), que pode vir com a casquinha murcha e soltando da massa. O sonho de creme (R$ 10,00), que ajudou a fazer a fama da marca, tem massa e recheio leves, mas nem sempre está fresquinho. O mesmo ocorre com o panini de creme em tamanho míni (R$ 5,50), que é boa companhia para o expresso (R$ 5,50).

Éclair Moi ParisÉclair Moi Paris

Éclair Moi Paris: depois de dois anos na Vila Nova Conceição, a confeitaria dos irmãos Nathalie e Edward Davies ganhou filial no Jardim Paulista. Aberto em abril, o novo endereço compartilha das ótimas bombas de massa choux da matriz. À clássica (e imperdível) versão de baunilha (R$ 11,65), somam-se possibilidades como caramelo com manteiga de sal e red velvet (massa vermelha com recheio de cream cheese; R$ 13,85 e R$ 11,65, respectivamente). Para um lanche da tarde, dispense o enjoativo éclair salgado com musse de fígado de frango e gelatina de uísque (R$ 13,85) para investir na gougère, o pão de queijo francês (R$ 3,50).

Empório Arte Nata: a doceria fica no térreo de um prédio comercial e tem sua sobriedade quebrada pelo painel que ilustra, de forma caricata, as antigas rotas comerciais entre Brasil e Portugal. Não por acaso: a vitrine é repleta de doces da terrinha, como o toucinho do céu (R$ 6,30), feito de gema e amêndoa. Para acompanhar o cafezinho (R$ 4,90), há ainda travesseiro de sintra, papo de anjo e queijada portuguesa, qualquer um deles a R$ 6,30. Sentiu falta de um salgado? O pastel de nata (R$ 5,90), de massa bem crocante, ganha uma versão de bacalhau (R$ 12,00).

Folie: entre os sabores dos delicados biscoitinhos de farinha de amêndoa, que deram fama à casa, estão caramelo com flor de sal e lichia com rosas. Eles são vendidos por unidade (R$ 5,00) ou em bonitas caixas verdes, que custam entre R$ 27,00 (com quatro) e R$ 132,00 (com 24). A loja também coloca na vitrine seis sabores de sorvete. Acomode-se na varanda do sobrado para provar receitas como a de coco fresco com lascas da fruta e chocolate Amma 100% de cacau. No copinho ou na casquinha, uma bola custa R$ 9,00; duas, R$ 14,00; e três, R$ 16,00.

Fôrma de Pudim: não é um pudim qualquer. Pelas mãos de Daniela Aliperti, o doce ganha textura ultrassedosa, valorizada por baunilha fresca e por uma calda bem suave. Custa R$ 10,00 a fatia ou R$ 4,50 em tamanho míni, mesmo preço das diferentes versões criadas pela confeiteira. Uma delas tem sabor de avelã e outra, um toque sutil de limão-siciliano. Feitos para levar, os doces, que aparecem ainda em mais onze variações, saem por R$ 55,00 (500 gramas), R$ 88,00 (1 quilo) e R$ 115,00 (1,7 quilo) e servem até quatro, oito e dezesseis pessoas, respectivamente — o de pistache e o tradicional sem açúcar custam um pouco mais (R$ 60,00, R$ 95,00 e R$ 130,00).

Genoveva Doçaria: Veridiana Nahas serve seus caprichados doces em uma agradável casa avarandada. A estrela é a cocada de forno, com interior macio e douradas lascas do fruto no topo. Custa R$ 10,00 a individual e R$ 90,00 a inteira, o mesmo preço cobrado pela torta de maçã. Mas ela não para por aí. De seu caderno de receitas, também saem um red velvet envolto em fina camada de chocolate branco e uma tortinha cuja massa é marzipã e o recheio, ganache de chocolate (R$ 10,00 cada uma). O expresso (R$ 4,50) e o chá gelado de hibisco (R$ 6,00, 300 mililitros) acompanham.

+ As melhores sorveterias

La Vie en Douce: a participação de Carole Crema como jurada do reality show Que Seja Doce, do GNT, só faz aumentar o movimento em sua loja. Sobretudo nos sábados, é comum ter fila na porta. Na vitrine, atraem o olhar os bolos altos e recheados, que também podem ser levados inteiros para casa. É bem equilibrado o que intercala a leve massa de amêndoas, geleia de damasco azedo e doce de leite mais merengue suíço na cobertura (R$ 11,90 a fatia). O expresso bem tirado chega com um minibolinho de fubá (R$ 6,00). Dica: o pão de ló com leite condensado e coco, embrulhadinho em papel-alumínio e servido gelado (R$ 7,90), é de deixar saudade.

Le Délice: a pequena loja de Moema funciona a portas fechadas. Ainda bem! Lá dentro, a temperatura está sempre amena, o perfume é de chocolate e não há barulho, exceto o do discreto tocar de xícaras e copos. O cuidado no acabamento dos bombons de matéria-prima belga fica evidente no coraçãozinho rendado com recheio de Nutella (R$ 4,50). Confeiteira formada pela escola francesa Lenôtre, Andrea Gatti também faz macarons (R$ 5,00 a unidade) e bolos de pote de brigadeiro, que podem ter massa de chocolate ou de cenoura (R$ 16,00).

+ Dez doces diferentões e surpreendentes encontrados na Liberdade

Lu Bonometti Biscotti & Dolcezze: os biscoitos da jovem Luciana Bonometti são de rara delicadeza, daqueles que se desmancham à primeira mordida. Na linha chamada gourmet, estão os de pistache, amêndoa e avelã, todos preparados com açúcar de confeiteiro e claras em neve (R$ 2,80 a unidade ou R$ 15,50 a embalagem de 100 gramas). Outra ótima receita consiste em discos finíssimos de lâminas de amêndoa com caramelo e mel — estes, disponíveis apenas para levar (R$ 14,50, 100 gramas). Mas nem tudo é doce: os taralli são biscoitinhos salgados e crocantes com erva-doce, azeitona ou alecrim (R$ 13,50, 150 gramas).

Manteigaria Lisboa: já são três os endereços da marca iniciada há cerca de um ano pelo português Duval Caetano Pestana e que vende apenas pastel de nata. Produzido aos montes, em fornadas a cada 45 minutos, tem casquinha crocante e recheio bem cremoso, com um toque de canela. Sozinho, ele custa R$ 5,00, mas dá para pedi-lo junto de um café, por R$ 7,00, ou na companhia de uma dose de vinho do Porto (R$ 12,00). Outra possibilidade é combiná-lo com ginginha (R$ 15,00), licor de cereja português servido geladinho.

Maria Brigadeiro: depois de muito bolear brigadeiros elaborados com matéria­prima importada da Bélgica e da França, Juliana Motter decidiu apostar alto. Três anos atrás, inaugurou nos fundos da loja, em Pinheiros, uma pequena fábrica de chocolate. Mas o que era para ser apenas um ingrediente feito com o intuito de deixar seu carro-chefe mais gostoso não tardou em tomar a forma de barra. E que barra! O processo começa na cidade baiana de Uruçuca, onde é cultivado um cacau de alta qualidade. A cada três meses, Juliana chega a encomendar até 2 toneladas do fruto. Aqui, ela controla desde a torra das amêndoas até a temperagem e a moldagem — tudo feito por oito funcionários. À versão ao leite, com 45% de cacau e sem excesso de doçura (R$ 22,00, 100 gramas), somaram‑se recentemente outra mais intensa (R$ 25,00), de 75%, e uma de chocolate branco (R$ 20,00). As três podem ser encontradas tanto na matriz como na bonita filial, que funciona desde maio no Shopping JK Iguatemi.

+ As melhores padarias

Ofner: hoje, a rede é porto seguro para bate-papos que avançam na madrugada — unidades como as do Itaim e do Jardim Paulista ficam abertas 24 horas. Muitos dos itens nas vitrines não empolgam, caso do mil-folhas e do strudel (R$ 11,50 cada um), ambos com massa por vezes molenga. Ainda que pouco lembre a receita francesa, a tarte tatin (R$ 10,90) é a pedida para acompanhar o cafezinho (R$ 5,30). Consiste em uma tortinha de maçã com creme de baunilha e lâminas de amêndoa. Dos salgados, a coxinha de frango com catupiry e a empada de camarão (R$ 8,30 e R$ 8,90, respectivamente) costumam agradar. Para preços mais em conta, vale ir à loja de fábrica, no Socorro, Zona Sul, onde o desconto nos itens chega a 30%.

Pâtisserie Douce France: macarrons
Pâtisserie Douce France: macarrons

Pâtisserie Douce France: da cozinha comandada por Fabrice Le Nud saem clássicos de sua terra-natal, a França. A linha clássica inclui baba ao rum, paris-brest, mil-folhas (R$ 17,50 cada um) e éclair (R$ 14,90). O croissant de massa amanteigada (R$ 6,50) integra a chamada viennoiserie, enquanto dos entremets o alexandra (R$ 17,50) agrada aos chocólatras com camadas de musse e merengue de chocolate. O ideal é provar essas e outras receitas na espaçosa matriz do Jardim Paulista, já que na filial do MorumbiShopping a vitrine nem sempre exibe o mesmo frescor.

Sodiê Doces: achar uma loja da rede não é tarefa das mais difíceis, afinal há 73 endereços na cidade. Os bolos vendidos em fatias ou inteiros, para levar, saem em noventa receitas, mas não espere que todas estejam expostas na vitrine. É certo encontrar o sabor campeão de pedidos chamado aerado, que intercala pão de ló de chocolate, creme de chocolate branco e musse de chocolate ao leite (R$ 51,00 o quilo). Das versões zero açúcar, o bolo de trufas de chocolate branco com nozes e geleia de damasco só peca pela quantidade exagerada de creme de leite (R$ 67,00 o quilo).

Sweet Café: confeiteiro de predicados, Arnor Porto não é mais sócio do Sweet Café, aberto em fevereiro. Suas receitas são feitas desde abril pela equipe da casa, sob a supervisão da proprietária Ana Gabriela Borges. Algumas derrapadas na execução dos doces colaboraram para a perda de uma estrela. É o caso da tortinha de limão (R$ 11,00), entregue com massa molenga e acidez em excesso. É melhor ficar com a tartelette de frutas vermelhas (R$ 4,00). As pedidas salgadas continuam ótimas. Peça a bruschetta do dia, que pode ser a pomodoro (R$ 19,00, com seis unidades).

+ As melhores rotisserias

Sweetshop: em vez de produzir os próprios doces, Marcelo Campos e Daniela Pilar apostam no que chamam de coworking. Isso quer dizer que eles fazem uma espécie de curadoria entre as casas do ramo para selecionar o que é vendido na loja. Por ora, brilham as ótimas sobremesas da Boutique CFC Pâtissier, como o le carré (R$ 23,00), que intercala dez camadas de creme, folhas e musse de chocolate, bem como macarons da D’Macarons (R$ 4,50). Dos bolos produzidos pela Bake My Cake, é imbatível o red velvet (R$ 12,00). Qualquer pedida pode vir acompanhada de expresso (R$ 5,50).

Tradicional Bolos Caseiros: tem coisa mais acalentadora que um bolo fofinho recém-saído do forno? Em uma das dezenove lojas da rede espalhadas pela cidade, essa sensação para lá de nostálgica deixa de ser apenas uma lembrança da cozinha das avós. Todos os endereços produzem as guloseimas diariamente, que são vendidas inteiras. Entre os sabores favoritos da clientela aparecem laranja (R$ 17,00), banana com canela (R$ 20,00) e mesclado de cenoura com chocolate (R$ 18,00).

Continua após a publicidade
Publicidade