Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Blog do Lorençato Por Arnaldo Lorençato O editor sênior Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há 29 anos. De 1992 para cá, fez mais de 15 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie

Izakaya Taka Daru tem data para ser inaugurado

A onda dos izakayas parece ter chegado para ficar em São Paulo. O mais novo bar japonês a ser aberto na cidade é o Taka Daru, resultado de uma associação do empresário Edrey Momo, do premiado Tasca da Esquina e do Taberna da Esquina, com o chef Takaaki Yasumoto, dono também do Yakitori, casa de […]

Por Arnaldo Lorençato Atualizado em 26 fev 2017, 13h11 - Publicado em 14 fev 2016, 11h53
Taka: em uma esquina da Rua Costa Carvalho, em Pinheiros (Arquitetura: )

Taka Daru: em uma esquina da Rua Costa Carvalho, em Pinheiros (Arquitetura: Hebert Holdefer)

A onda dos izakayas parece ter chegado para ficar em São Paulo. O mais novo bar japonês a ser aberto na cidade é o Taka Daru, resultado de uma associação do empresário Edrey Momo, do premiado Tasca da Esquina e do Taberna da Esquina, com o chef Takaaki Yasumoto, dono também do Yakitori, casa de espetinhos típicos em Moema. Momo me apresentou o projeto pela primeira vez em junho do ano passado, justamente quando foi para Tóquio pesquisar o funcionamento desse tipo de estabelecimento. Aliás, sobre os quais tem-se escrito e dito muita coisa sem sentido, bobagem mesmo. Na origem,  a loja de saquê ou sakaya ganhou o prefixo “i”  e virou botequim com petiscos.

+ Saiba como será a Padaria da Esquina

O surgimento desse tipo de estabelecimento foi em Edo, antigo nome da atual capital do Japão. No princípio, esses botequins eram conhecidos como tavernas japonesas. Se originalmente começaram apenas como negócios pequenos e tocados por famílias, hoje eles têm variações que vão dos pés-sujos a lugares bacanudos. Alguns, pertencem inclusive a cadeias de restaurantes e outros são redes com unidades em outros países. Portanto, essa visão romantizada de ser apenas um negócio familiar é coisa do passado, já que pelo menos 1/4 desses estabelecimentos segue outro modelo de administração. Para um mergulho no assunto, vale ler Izakaya, por dentro dos botecos japoneses (Melhoramentos, 2014, 87 reais), de Jo Takahashi.

Espetinhos típicos: atração do cardápio (Fotos: divulgação)

Espetinhos típicos: atração do cardápio (Foto: Claudia Basseto)

Visitei vários desses botecos em Tóquio, em especial aqueles que ficam embaixo de viadutos na região de Guinza, como na foto abaixo, que peguei emprestada de Jun Ikeidon. Tomei  saquê e cerveja, as bebidas oficiais, mas havia shouchu, uísque e até vinho, introduzido mais recentemente. Na hora de comer, provei frango em muitas variações: asa, pele, miúdos… Mas, cada visita a um desses endereços populares significa correr para a lavanderia no dia seguinte. Como não existe um sistema de exaustão decente em muitos deles, toda a galera que passa por lá depois do expediente fica com cheiro de defumado. Senti na pele e nas roupas o que isso significa.  O que não me impediu querer repetir a experiência, muito boa. Hoje, os izakayas, as japanese tavern do passado, são chamado em inglês de pub e até (argh!) gastropubs.

+ O retorno de Salvatore Loi com Paulo Barros

Na nova casa de Momo e Yasumoto, que tem ainda três investidores , a simplicidade foi deixada de lado como se pode perceber na imagem do projeto que abre esse post. Trata-se de um imóvel de esquina de visual descolado. A árvore que já existia na entrada dá um toque mais agradável. Para seguir a tradição oriental, não há sushis no cardápio. Como já acontece no Yakitori, os espetinhos estarão em primeiro plano. De frango, servirá coração, moela e sobrecoxa no tarê, o molho adocicado de shoyu. A oferta na grelha incluirá ainda frutos do mar. Os beliscos se estenderão às ostras empanadas. Haverá também alguns pratos como o soborodon (arroz coberto por carne moída de frango e ovo de codorna) e macarrões ou rámens, como o substancioso tchampon, mistura de porco e macarrão de trigo no caldo de frutos do mar.

Tóquio: izakayas embaixo de viadutos (Foto: Jun Ikeidon/Reprodução Flickr)

Tóquio: izakayas embaixo de viadutos (Foto: Jun Ikeidon/Reprodução Flickr)

Um detalhe importante: em izakayas do outro lado planeta não tem coxinha como em Sampa. Não falta, porém, acepipes de inspiração coreana. O motivo é simples. Há alguns anos os japoneses, em especial as japonesas, descobriram as telenovelas da Coreia do Sul. Os fãs dos astros pops da TV sul-coreana abriram espaço para a culinária do país vizinho. As mulheres foram adiante. Embora sejam muito magrinhas, as japs passaram tomar chá com pimenta, que seria o segredo da silhueta tão esguia das coreanas. Por isso, não raro se encontra um petisco carregado de pimenta nesses botequins. O Taka Daru terá o buta kimuchi (maneira dos japoneses dizerem kimchi). É pancetta com a famosa acelga apimentada.

Continua após a publicidade

+ Paulo Barros deixa o Grupo Egeu

Momo conta que a previsão de abertura é 15 de março e que o investimento total chegou a  1 milhão de reais, que inclui a reforma do imóvel em setembro, aliás duas casas que foram remodeladas como se vê na foto do slide show abaixo. “Usaremos apenas o térreo. Obviamente ‘tropicalizamos’ um pouco o ambiente sem descaracterizar o conceito. Visitei izakayas grandes lá [Tóquio] como o Gonpachi, que não perdem o charme nem a característica de local bom pra petiscar e beber”, acredita o restaurateur. “Nossa ideia é ter um lugar para tomar um saquê ou cerveja de garrafa com comida autêntica sem precisar ir até a Liberdade.” O Taka Daru fica na Rua Costa Carvalho, 236.

A conferir.

Conheça o cardápio ainda sem preços clique aqui.

Alguns pratos que farão parte do menu:

#gallery-2 {
margin: auto;
}
#gallery-2 .gallery-item {
float: left;
margin-top: 10px;
text-align: center;
width: 25%;
}
#gallery-2 img {
border: 2px solid #cfcfcf;
}
#gallery-2 .gallery-caption {
margin-left: 0;
}
/* see gallery_shortcode() in wp-includes/media.php */

Primeiros esboços do projeto:

#gallery-3 {
margin: auto;
}
#gallery-3 .gallery-item {
float: left;
margin-top: 10px;
text-align: center;
width: 25%;
}
#gallery-3 img {
border: 2px solid #cfcfcf;
}
#gallery-3 .gallery-caption {
margin-left: 0;
}
/* see gallery_shortcode() in wp-includes/media.php */

Caderno de receitas:
+ Dadinhos de tapioca, do Mocotó
+ Receitas do cozido maní-ocas, do Maní
+ Petit gâteau, do chef Erick Jacquin

Obrigado pela visita. Aproveite para deixar seu comentário, sempre bem-vindo, e curtir a minha página no Facebook. Também é possível saber as novidades pelo Twitter.

Continua após a publicidade
Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Edições da VejaSP liberadas no App Veja de maneira imediata

a partir de R$ 12,90/mês