Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Blog do Lorençato Por Arnaldo Lorençato O editor sênior Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há 29 anos. De 1992 para cá, fez mais de 15 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie

A melhor pizza do mundo é nossa?

Um dos mais premiados restaurantes da cidade, a Bráz a levou o título de melhor pizza sete vezes na edição “Comer & Beber” de VEJA SÃO PAULO. Em time que está ganhando não se mexe. Ou não. Essa máxima não funciona exatamente assim para os proprietários do trio de casas espalhadas por Moema, Higienópolis e […]

Por Arnaldo Lorençato Atualizado em 27 fev 2017, 13h17 - Publicado em 30 abr 2011, 02h47

Ao fundo, a marinara, coberta de molho de tomate e alho, e a margherita (Foto: Alex Silva)

Um dos mais premiados restaurantes da cidade, a Bráz a levou o título de melhor pizza sete vezes na edição “Comer & Beber” de VEJA SÃO PAULO.

Em time que está ganhando não se mexe. Ou não. Essa máxima não funciona exatamente assim para os proprietários do trio de casas espalhadas por Moema, Higienópolis e Pinheiros.

O produto campeão pode ser sempre aprimorado e passar por comparações em seu próprio cardápio, defendem os sócios, que, liderados por Edgard Bueno da Costa, decidiram lançar duas pizzas napolitanas certificadas pela Associazione Verace Pizza Napoletana (AVPN).

Na segunda (2), entram no cardápio duas “autênticas” versões italianas da margherita, composta de folhas de manjericão, mussarela de búfala e molho de tomate; e da marinara, combinação do mesmo molho com pedaços de alho.

Continua após a publicidade

A novidade só foi possível porque um pizzaiolo da AVPN treinou a equipe da Bráz durante uma semana. Além disso, a casa passou a usar a maioria dos produtos 100% italianos, como a farinha de trigo 00 Molino Caputo e o molho de tomate San Marzano Agrigenus D.O.P., de importação exclusiva da própria pizzaria.

A turma da Bráz não é a primeira na cidade a fazer isso. A Speranza, fundada pelo casal de napolitanos Speranza e Francesco Tarallo no fim da década de 50, obteve a certificação há um ano.

“Queremos apresentar aos clientes uma versão do disco feito na Itália para que eles possam comparar”, explica Bueno da Costa, da Bráz. “A massa original napolitana tem como característica ser mais macia e levar uma pequena quantidade de ingredientes na cobertura.”

Bueno da Costa diz também que não quer promover uma competição. “Dizer que a melhor pizza do mundo está em São Paulo é uma bobagem. Por uma simples razão: a matéria-prima italiana é melhor”, diz. “Lá, eles têm a melhor farinha, o melhor tomate e a receita original.” O empresário revela que pretende usar farinha italiana em todas as pizzas da Bráz, como já faz com o tomate pelado italiano.

O restaurateur exalta a qualidade de endereços em Nápoles, como os famosos Antica Pizzeria Da Michele e Trianon. Inclui ainda na lista uma casa da cidade vizinha Caiazzo, a Antica Pizzeria Osteria Pepe di Caiazzo. “Lá são lugares para comer a melhor pizza do mundo.”

Continua após a publicidade

Publicidade