Especial Pinheiros: conheça as curiosidades e as atrações da região

A região possui estabelecimentos para dos mais variados estilos e gostos; confira

Ruas Musicais

Samba, rock, forró ou jazz… Em casas acanhadas ou em palcos espaçosos, o bairro oferece um cardápio sonoro variado, basta escolher o estilo preferido.

Casa Natura: o espaço recebe shows variados, como Elba Ramalho

Casa Natura: o espaço recebe shows variados, como Elba Ramalho (Ana Catarina Duarte/Divulgação)

Palco da música nacional

Em dois anos de funcionamento, a Casa Natura Musical recebeu cerca de 100 000 pessoas em mais de 230 shows. Artistas brasileiros consagrados, como Lenine, Tom Zé, Gal Costa, Elba Ramalho e Erasmo Carlos, são o foco principal do espaço, que tem capacidade para 710 pessoas. A casa ainda abre as portas para a nova geração: fizeram festas por lá Àttooxxá, Afrocidade, Tássia Reis, Baco Exu do Blues e Johnny Hooker. Para o próximo mês estão agendadas apresentações de Toquinho, Letrux e Maria Rita.

Carioca Clube: sentados ou de pé, o espaço é palco para shows de diferentes estilos

Carioca Clube: sentados ou de pé, o espaço é palco para shows de diferentes estilos (WESLEY ANDRADE/Divulgação)

Microfone eclético

Aos 24 anos, o Carioca Club ferve com bandas brasileiras e internacionais de rock e metal — de Fresno a Cannibal Corpse, grupo americano de death metal —, dança ao som do funk, pagode e rap de Thiaguinho, Péricles, Jorge Aragão e Projota, e passa pela MPB, com Ana Cañas e As Bahias e a Cozinha Mineira. A casa também caiu no gosto da turma do Carnaval: às terças, recebe os ensaios do bloco Bangalafumenga. E, às quintas, promove festas de zouk.

Casa dos artistas

Inicialmente restaurante, o Bona instalou um palco em seu salão principal, com programação a cargo da cantora Manuela Fagundes. Joias da MPB como Maria Gadú, Ná Ozzetti e Luiz Tatit ocupam os microfones, e outros nomes dão as caras na plateia. O pianista César Camargo Mariano, por exemplo, já tocou ali com o filho, Marcelo Mariano, que fazia temporada por lá. Em agosto, o encontro é de Duda Brack com Chico Chico, filho de Cássia Eller. Os ingressos não costumam passar de 40 reais.

O estilo musical também é palco para um restaurante no andar de cima: Jazz nos Fundos

O estilo musical também é palco para um restaurante no andar de cima: Jazz nos Fundos (JOSE DE HOLANDA/Divulgação)

Momento para o jazz

Durante dez anos, o projeto Jazz nos Fundos organizava-se em eventos nos fundos de um estacionamento. Desde 2016 conseguiu espaço fixo atrás de uma portinha na Rua Cardeal Arcoverde, onde está o Centro Cultural de Música Instrumental. Quem passa por ela encontra um sobrado espaçoso de dois andares. Na parte de cima, fica o restaurante La Barceloneta. No térreo, de terça a sábado, ocorrem shows de jazz com nomes já consagrados da cena nacional e internacional, do naipe de Hamilton de Holanda, Azymuth, Camille Bertault e Toninho Horta.

Com rodas de samba e pagode, o Traço de União se mantém animado

Com rodas de samba e pagode, o Traço de União se mantém animado (Divulgação/Divulgação)

Samba no pé

Há quinze anos, o clima de Carnaval embala o Traço de União, independentemente da época do ano. As folias começam às quintas, quando a turma do bloco de rua Não Serve Mestre faz os seus ensaios. Nas noites de sexta, grupos de samba e artistas convidados divertem a plateia com samba no pé. Aos sábados, a festa começa mais cedo, com uma feijoada e música ao vivo. Nos intervalos, um DJ comanda o pickup com black music. A semana se encerra na domingueira.

Discotecagens descoladas

As festas no City Lights Hostel empolgaram os sócios, que decidiram fincar o pé na noite. Graças ao gosto pela música e pela cultura jamaicana, eles batizaram o espaço em homenagem à capital do país: Kingston Club. Às terças, a casa abre como bar. A partir das quartas, dá para estender a happy hour para a pista. A plateia descolada costuma dançar ao som de hip-hop, jazz, soul- funk, dub e reggae. KL Jay, Tahira e Nuts são alguns dos DJs que assumiram os pickups. Rua Álvaro Anes, 97, ☎ 2364-4231.

High Line Bar: espaço para discotecagem com rooftop

High Line Bar: espaço para discotecagem com rooftop (JOHNNIE MELLO/Divulgação)

Pista eletrônica quente

O grafite com uma representação dos Beatles assinado por Eduardo Kobra chama atenção no High Line. Quem chega cedo pode aproveitar o rooftop, enquanto beberica drinques e prova comidinhas. Às sextas e aos sábados, a pistinha no térreo abre as portas a partir da meia-noite e recebe uma turma bem-vestida a fim de paquera e das batidas eletrônicas do house. Aos sábados, os DJs começam a folia ainda no andar de cima, a partir das 16h. Não é raro ter domingueiras à tarde.

Dezenove anos no mesmo endereço: Canto da Ema

Dezenove anos no mesmo endereço: Canto da Ema (ALESSANDRA GERZOSCHKOWITZ/Divulgação)

Forró tradicional

Quem passeia pelo Largo da Batata pode notar a presença dos bailes de forró. O Canto da Ema, instalado na área há dezenove anos, é um dos espaços que conseguem reunir os mais variados públicos. De decoração simples, ganha pela programação artística: costumam surgir no palco Elba Ramalho, Falamansa, Chico César, Xaxado Novo, entre outros queridinhos do gênero.

Ponto clássico

Ao longo das décadas de 80 e 90, o Aeroanta consolidou-se como um lendário reduto do rock em Pinheiros. Depois de ficar fechado por vários anos, o antigo espaço foi recuperado a partir de 2015 pelo empresário Facundo Guerra. Desde o ano passado o endereço, agora batizado de Z – Largo da Batata, vem passando por uma repaginada em sua programação musical, com a chegada de Fabrício Nobre, fundador do Festival Bananada, de Goiás. A agenda é ligada na cena alternativa contemporânea nacional, sem fechar as portas para artistas consagrados como DJ Marky, Os Mulheres Negras e Pin ups. A trilha é ampla, de hip-hop, trap, indie rock a música eletrônica. Das festas, têm prioridade as de música brasileira. Algumas desse segmento que passaram por lá são Primavera, Te Amo e Pardieiro. Avenida Brigadeiro Faria Lima, 724, ☎ 2936-0934.

Mil e uma utilidades

Café, centro cultural, loja e restaurante em um único imóvel: confira alguns dos endereços multiúso que se espalharam recentemente pela região

Cartel 011: ideal pra quem gosta de comidas de barraquinhas

Cartel 011: ideal pra quem gosta de comidas de barraquinhas (ANDRÉ LIGEIRO/Divulgação)

Badalação vespertina

Inaugurado em 2009, o Cartel 011 tem um restaurante de cardápio inspirado nos clássicos das barraquinhas de rua. Mas, além disso, no local funcionam uma loja de roupas, um recinto para exposições e um bar. Para quem não perde uma noite de sono, o espaço realiza festas na parte da tarde. No próximo mês, a novidade será o Respira, projeto que deve oferecer aulas de ioga e meditação.

Casa Planta: conta com biblioteca, café, livraria e exposições de arte

Casa Planta: conta com biblioteca, café, livraria e exposições de arte (Divulgação/Divulgação)

Novas páginas

Palco de disputados encontros do mundo editorial independente, a Casa Plana conta com biblioteca, café, livraria e exposições de arte. Nesses ambientes, oferece cursos e atividades sobre assuntos variados, como cinema, editoração e design. Após iniciar a sua operação, em 2016, com a realização de um financiamento coletivo, o estabelecimento passou por dois imóveis na região do centro antes de mudar-se para o atual endereço, em Pinheiros. Rua Fradique Coutinho, 1139.

Lar Mar: loja, bar, restaurante e o aterliê de um shaper

Lar Mar: loja, bar, restaurante e o aterliê de um shaper (Divulgação/Divulgação)

Ondas paulistanas

Com bar, loja de surfwear, restaurante e o ateliê de um shaper, que modela pranchas durante a semana, o Lar Mar é um reduto praiano. O local, inaugurado em 2017, é a materialização de eventos culturais que eram realizados no litoral paulista e deram origem ao espaço de mesmo nome. A casa, fundada por Felipe Árias, conta com uma área para literalmente colocar o pé na praia: são 17 toneladas de areia para curtir o clima descontraído na companhia de drinques tropicais e culinárias peruana e italiana. Rua João Moura, 613.

Restaurante vegano com culinária baiana e um empório: Espaço Eco- Cultural Casa
Jaya

Restaurante vegano com culinária baiana e um empório: Espaço Eco- Cultural Casa
Jaya (Divulgação/Divulgação)

A vez dos veganos

A antiga residência do ator Laerte Morrone, que morreu em 2005, transformou-se dois anos depois no Espaço Eco- Cultural Casa Jaya. O local, de mais de 600 metros quadrados, recebe cerca de 250 pessoas por semana e comporta um restaurante vegano com culinária baiana e um empório com produtos orgânicos. Oferece cursos diversos e, entre aulas de capoeira e encontros de mindfulness, promove grupos de estudos e eventos, como a festa junina que ocorre no próximo sábado (29).

Bonde na Rua Fradique Coutinho, na Vila Madalena.

Bonde na Rua Fradique Coutinho, na Vila Madalena. (ACERVO JULIO ABE/Divulgação)

Antes de o bonde chegar

Confira um pouco da história e curiosidades da região da Zona Oeste de São Paulo

De índios e bandeirantes

A região onde hoje está Pinheiros começou a ser povoada por volta de 1560, quando indígenas construíram uma aldeia no atual Largo da Batata. Próxima ao Rio Pinheiros, a área servia como porta para a entrada e saída de bandeirantes na vila. O desenvolvimento urbano começou em meados de 1750, após a construção da Igreja Nossa Senhora de Monte Serrat. E depois se intensificou no início do século XX, com a chegada de bondes e do Mercado Municipal de Pinheiros.

500 réis era a multa aplicada em 1584 pela Câmara a quem cortasse uma árvore do chamado Bosque dos Pinheiros. Segundo relatos, a mata, que ficava na região da Rua Paes Leme, era conhecida por abrigar araucárias. O documento que cita a presença da vegetação é usado por historiadores como argumento para explicar a denominação do bairro. Outra hipótese seria a pronúncia errada do nome indígena do Rio Pinheiros, Pi-iêrê, que significa “derramado”, em alusão às cheias do local.

Joaquim Arcoverde Albuquerque Cavalcanti, 1º cardeal do Brasil e da América Latina

Joaquim Arcoverde Albuquerque Cavalcanti, 1º cardeal do Brasil e da América Latina (ACERVO JULIO ABE/Divulgação)

Quem foi o cardeal Arcoverde?

Joaquim Arcoverde de Albuquerque Cavalcanti nasceu em Pesqueira, Pernambuco, em 1850. O homenageado da Rua Cardeal Arcoverde, uma das principais de Pinheiros, entrou cedo para a vida religiosa. Aos 13 anos, ingressou em um seminário na Paraíba. Estudou filosofia e teologia em Roma e virou padre aos 24 anos. Ganhou destaque ao ser nomeado bispo auxiliar de São Paulo em 1894. Ficou famoso por ter sido o primeiro cardeal latino-americano, elevado, em 1905, à função de cardeal-arcebispo do Rio de Janeiro, posto que ocupou até sua morte, em 1930.

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 26 de junho de 2019, edição nº 2640.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s