Clique e assine por apenas 6,90/mês

Bombeiros identificam local onde estaria vítima de desabamento

Agora, os bombeiros fazem um trabalho manual de retirada de entulho para tentar encontrá-lo

Por Estadão Conteúdo - Atualizado em 2 May 2018, 15h56 - Publicado em 2 May 2018, 08h52

O Corpo de Bombeiros encontrou na madrugada desta quarta-feira (2) a corda e o cinto que foram usados na tentativa de resgate de uma vítima do incêndio do prédio ocupado por sem-teto no Largo do Paissandu, no centro de São Paulo, antes da estrutura desabar.

Com a descoberta dos equipamentos e a ajuda de cães farejadores, a equipe de resgate acredita ter identificado o local onde um homem identificado como Ricardo está sob os escombros. Agora, os bombeiros fazem um trabalho manual de retirada de entulho para tentar encontrá-lo.

“A área onde ela (vítima) possivelmente está foi localizada por causa da corda que estava sendo usada no salvamento e o cinto alemão que foram encontrados nesse local. Os cachorros já determinaram uma área próxima a esses equipamentos que é possível que a vítima esteja lá, mas existem lajes pesadas a serem removidas”, afirmou o major Max Alexandre Schroeder.

Apesar da alta temperatura no local do acidente, de onde ainda emerge muita fumaça mesmo mais de 24 horas após o incêndio que começou na madrugada de terça-feira (1°) os bombeiros acreditam que seja possível encontrar vítimas com vida em possíveis bolsões que formam sob os escombros.

Continua após a publicidade

“Há uma série de fatores que tornam mais difícil achar pessoas com vida, mas o Corpo de Bombeiros sempre trabalha com a possibilidade de encontrar pessoas vivas. Então, nosso trabalho é técnico e protocolar”, disse o major Schroeder.

Segundo ele, as equipes só vão iniciar a retirada dos escombros com escavadeiras após 48 horas, quando as chances de encontrar um sobrevivente são praticamente nulas. Durante a madrugada desta quarta-feira, duas máquinas foram utilizadas apenas para tirar o entulho que se espalhou pela rua com o objeto de liberar a via para as viaturas e permitir o acesso a fiação subterrânea da Eletropaulo para desligar a energia elétrica da área e evitar um novo acidente.

Publicidade