Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Blog do Lorençato Por Arnaldo Lorençato O editor sênior Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há 29 anos. De 1992 para cá, fez mais de 15 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie

Donos e funcionários de bares e restaurantes fazem novo protesto

Grupo que caminhou entre a Rua do Consolação e o Masp se manifestava contra restrições do governo

Por Arnaldo Lorençato, Saulo Yassuda Atualizado em 28 jan 2021, 10h48 - Publicado em 27 jan 2021, 12h36

Por Saulo Yassuda

Empresários, chefs e funcionários de bares e restaurantes fizeram um protesto na manhã desta quarta (27) na Avenida Paulista. O grupo se manifestou contra o aperto das restrições do governo à quarentena, que afetou diretamente o setor. Desde o dia 25, estabelecimentos gastronômicos não podem mais abrir aos fins de semana nem depois das 20h de segunda a sexta. As medidas valem, pelo menos, até 7 de fevereiro.

Na sexta (22), um grupo menor se reuniu nas proximidades do Palácio do Governo, no Morumbi, pouco antes do anúncio das novas regras. Em entrevista coletiva, o governador João Doria pediu na ocasião: “não protestem pela morte”.

Os cerca de 300 manifestantes desta quarta (27) se encontraram por volta das 9h na Praça dos Ciclistas, na esquina da Rua da Consolação com a Avenida Paulista. Eles caminharam até o Masp (Museu de Arte de São Paulo). Muitos carregavam cartazes com dizeres como “queremos trabalhar” e pediam auxílio governamental. Uma intervenção com cadeiras foi feita numa das faixas da Paulista.

Protesto na Paulista: empresários e funcionários do setor
Protesto na Paulista: empresários e funcionários do setor Alexandre Battibugli/Veja SP

Participaram do protesto representantes da gastronomia como Janaína Rueda, do Bar da Dona Onça e de A Casa do Porco Bar, Mariana Pelozio, do Duas Terezas, Cafira Foz, do Fitó, e Hugo Delgado, da Taquería La Sabrosa Cocina de México. Também estiveram presentes nomes como Edrey Momo, do Grupo da Esquina e 1900, Benny Novak, de Ici Bistro e Cia. Tradicional de Comércio, e Daniel Parolin Hirata, do Hirá Ramen Izakaya.

Continua após a publicidade

“Não somos negacionistas. Não somos. A gente sabe que esse vírus existe. O que estamos pedindo é ajuda, inclusive, ajuda para fechar. Precisamos de ajuda com impostos, com moratória, com funcionários”, desabafa Mariana Pelozio.

O ato teve o apoio de entidades do setor como a Abrasel-SP (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) e ANR (Associação Nacional de Restaurantes). “As autoridades precisam parar pancadão e festa clandestina, que são o maior problema, e não culpar os restaurantes”, defende Percival Maricato, da Abrasel-SP. 

Protesto realizado à tarde: com integrantes do Sinthoresp
Protesto realizado à tarde: com integrantes do Sinthoresp Hilton Souza/Divulgação

Na tarde desta quarta (27), outro protesto aconteceu na Paulista, este organizado pelo Sithoresp, sindicato que reúne funcionários de restaurantes, entre outros estabelecimentos. “Não podemos fechar!”, diziam faixas levadas pelos manifestantes.

 

Assine a Vejinha a partir de 6,90 mensais

Caderno de receitas:
+ Fettuccine alfredo como se faz em Roma

Continua após a publicidade
Publicidade