Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

São Paulo regride para fase vermelha em períodos específicos

Sem medidas mais restritivas, em 28 dias estado poderia entrar em colapso, diz governo; volta às aulas presenciais também foi adiada

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 22 jan 2021, 14h12 - Publicado em 22 jan 2021, 10h20

O governo de São Paulo anunciou que o estado passará para a fase vermelha do Plano São Paulo aos finais de semana e entre às 20h e 6h nos dias úteis. As medidas valem a partir da próxima segunda-feira, 25 de janeiro, e são válidas até 7 de fevereiro, quando haverá nova reclassificação.

Nesta fase, apenas serviços serviços essenciais, como mercados, padarias e farmácias, podem funcionar. Estabelecimentos comerciais, bares e restaurantes não poderão operar. O retorno às aulas presenciais também será adiado e passa a ser opcional.

De acordo com o governo de São Paulo, sem as medidas mais restritivas, em 28 dias o estado poderia ter o esgotamento de leitos de UTI Covid. 78% da população passa para a fase laranja e 22% para a fase vermelha.

Um grupo de chefs, empresários e funcionários de estabelecimentos gastronômicos compareceram a um protesto pacífico na manhã desta sexta (22) na Praça Vinicius de Moraes, no Morumbi, ao lado do Palácio do Governo.

 

Continua após a publicidade

Publicidade