Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Blog do Lorençato Por Arnaldo Lorençato O editor sênior Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há 28 anos. De 1992 para cá, fez mais de 15 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie

Morre Giovanni Bruno, da cantina Il Sogno di Anarello

Poucos personagens no mundo dos restaurantes foram tão célebres quanto Giovanni Bruno em seu tempo. Entre as décadas de 1960 e 1980, ele reinou como um dos mais atenciosos maîtres-cozinheiros da cidade. Pura simpatia, esse italiano de Salerno conquistava a atenção de quem passasse pelo restaurante Gigetto, onde  ele trabalhou logo que chegou a São […]

Por Arnaldo Lorençato Atualizado em 26 fev 2017, 21h07 - Publicado em 26 ago 2014, 18h10
Giovanni Bruno: 1935-2014 (Foto: Juca Varella/Folhapress)

Giovanni Bruno: 1935-2014 (Foto: Juca Varella/Folhapress)

Poucos personagens no mundo dos restaurantes foram tão célebres quanto Giovanni Bruno em seu tempo. Entre as décadas de 1960 e 1980, ele reinou como um dos mais atenciosos maîtres-cozinheiros da cidade. Pura simpatia, esse italiano de Salerno conquistava a atenção de quem passasse pelo restaurante Gigetto, onde  ele trabalhou logo que chegou a São Paulo, e também nas cantinas que montou na cidade, a última delas, o Il Sogno di Anarello, na Vila Mariana. Giovanni Bruno morreu hoje pela manhã, no centenário do Palestra Itália, seu time de adoração. Anarello, como era tratado por amigos, tinha problemas no coração e estava internado no InCor desde 18 de agosto. Ontem, sofreu seis paradas cardíacas consecutivas. Não resistiu e faleceu hoje pela manhã aos 78 anos de falência múltipla de órgãos.

+ A trajetória de Giovanni Bruno em fotos

+ Leia entrevista com Alex Atala sobre o livro D.O.M. Redescobrindo Ingredientes Brasileiros

+ Saiba todos os detalhes da abertura do primeiro Red Lobster paulistano

+ 50 menus executivos por até 50 reais

“Ainda não pensei o que fazer com o restaurante. Achei que ele fosse sair dessa”, diz a filha única, Solange Antonia Bruno Piva. “ Se continuarmos, será pela história que temos lá, pelos nossos funcionários.”  Bruno deixa a viúva Cecilia, filha de italianos e espanhóis nascida no Ipiranga, e os netos Giovanni e Letícia.

+ Restaurante francês com cozinha de bistrô faz refeição completa a 34,50 reais

+ 10 pizzarias com redondas de dar água na boca

+ Aprenda a fazer o tiramisu original

Praticamente expulso de uma Itália depauperada pela II Guerra Mundial, esse imigrante escolheu São Paulo como destino. Como tantos outros imigrantes, queria fazer a América. Chegou depois do pai e se instalou em um cortiço da Pompeia como contou na autobiografia Giovanni Bruno …aos nossos momentos. Dono de uma lábia e uma devoção ao trabalho incríveis, conseguiu emprego como ajudante de cozinha no Gigetto, na época um dos restaurantes mais concorridos da cidade. Ao rapaz de então 14 anos cabiam tarefas árduas como lavar pratos e descascar batatas. Com o tempo, o jovenzinho passou a fracionar e pesar o azeite levado às mesas, considerado artigo de luxo na época. Só depois de uma década conseguiu o posto de garçom.

+ Conheça o restaurante com a mais bela vista de São Paulo

+ Descubra cinco restaurantes mundo afora com visuais de ofuscar a retina

Dono de uma gentileza contagiante, conquistou os clientes que queriam ser servidos por ele. Era uma época em que os pratos eram montados na mesa, alguns deles inclusive finalizados no salão. Justamente por causa de um desses fregueses, que pediu um algo especial, atribui-se a Bruno a criação da mais emblemática receita da cozinha ítalo-paulista: o molho à romanesca.

+ Helena Rizzo, do Maní, é a melhor chef do mundo

Continua após a publicidade

+ Ranking com os melhores rodízios de comida japonesa de São Paulo

Embora faça uma referência à capital italiana, a mistura foi inventada a quase 10.000 quilômetros de Roma e não existe por lá. Tem como base o creme branco ao qual se adicionavam e continuam se  adicionando os produtos “chiques” da época, todos saídos de latinhas: creme de leite, cogumelo-de-paris, petits pois (por favor, nada de chamar as leguminosas verdes de ervilha), além de presunto cozido cortado em cubinhos.

+ Quer saber onde almoçar ou jantar? Veja a lista de restaurantes selecionados

+ Para bancar o chef: as receitas de VEJA SÃO PAULO

Como a possibilidade de ascensão no Gigetto era remota, no fim dos anos 1960 junto com  três outros garçons Bruno decidiu abrir uma casa com seu nome, tamanha a popularidade tida por ele com a clientela. O quarteto comprou a Cantina do Júlio, que ficava na Rua 13 de Maio. A festa de inauguração, em 20 de dezembro de 1967, foi retratada no Jornal da Tarde, mereceu chamada de capa com foto.

Capelete romanesca: banho por molho branco cuja receita é atribuída a Giovanni Bruno (Foto: Fernando Moraes)

Capelete à romanesca: banhado por molho branco cuja receita é atribuída a Giovanni Bruno (Foto: Fernando Moraes)

O sucesso não durou muito, ao menos nesse endereço. Ele e seus sócios tinham 60 dias para deixar o ponto, a ser demolido para ampliação da rua. Acabaram perdendo tudo. Passaram depois por imóveis nas ruas Santo Antônio e Martinho Prado, ambas na Bela Vista.  Em 1979, transferiu-se para os Jardins, onde adotou o nome Il Sogno di Anarello, apelido que ganhara do diretor teatral Antunes Filho anos antes. O aluguel, muito caro, o empurrou para um imóvel próprio na Rua Timbuí, 58, na Vila Mariana, no fim de 1983, onde está até hoje.

Quatro anos mais tarde, a pedido de alguns vereadores, o então prefeito Jânio Quadros rebatizou a rua com o nome do restaurante. Até essa época, Bruno tinha tratamento de astro.

Com a morte de Bruno, uma era, ao mesmo tempo simples e glamourosa na história dos restaurantes paulistanos, desaparece com ele

O velório começa  às 19h na Rua São Carlos do Pinhal, 376, na Bela Vista, e o sepultamento será amanhã as 10h no Cemitério do Araçá.

Veja galeria de fotos:

#gallery-3 {
margin: auto;
}
#gallery-3 .gallery-item {
float: left;
margin-top: 10px;
text-align: center;
width: 25%;
}
#gallery-3 img {
border: 2px solid #cfcfcf;
}
#gallery-3 .gallery-caption {
margin-left: 0;
}
/* see gallery_shortcode() in wp-includes/media.php */

Obrigado pela visita. Aproveite para deixar seu comentário, sempre bem-vindo, e curtir a minha página no Facebook. Também é possível receber as novidades pelo Twitter.

Continua após a publicidade
Publicidade