Gula

A Bela Sintra: o melhor português da cidade brilha com clássicos

O refinado e badalado restaurante executa receitas clássicas que têm como base o bacalhau, mas brilha também em outros pratos, como o polvo à lagareiro

Por: Daniel Ottaiano - Atualizado em

S - Luxo
Salão do restaurante português A Bela Sintra (Foto: Divulgação)

O próprio gerente da casa, Aristedes Moreira, define: é comum encontrar no restaurante da Rua Bela Cintra artistas, jogadores de futebol e grandes executivos. Eleito pelo júri do COMER & BEBER 2009 como o melhor português da cidade, o refinado e badalado A Bela Sintra executa receitas clássicas que têm como base o bacalhau, mas brilha também em outros pratos, como o polvo à lagareiro (que leva azeite e vinho branco, acompanhado de batatas ao murro).

+ Confira restaurantes para conhecer antes de morrer

+ Luxo: veja guia com os melhores restaurantes, cinemas, baladas e muito mais

Nas noites de sexta e sábado e nos almoços de domingo (dias em que a casa tem mais movimento), o cliente pode encontrar no cardápio criações que levam perna de cordeiro, o próprio bacalhau ou ainda um arroz de pato.

  • Veja guia com os melhores restaurantes, cinemas luxuosos, baladas VIPs, e muito mais
    Saiba mais
  • Portugueses

    A bela Sintra

    Rua Bela Cintra, 2325, Jardim Paulista

    Tel: (11) 3891 0740 ou (11) 3891 1090

    VejaSP
    1 avaliação

    Em rara sintonia, o sócio alentejano Carlos Bittencourt e a chef Ilda Vinagre descobriram como agradar em cheio à clientela fel. Se o serviço no salão mantém a linha formal e extremamente gentil (as pedidas chegam à mesa em lindas cloches metálicas), a cozinha se permite uma ou outra invenção, sem escandalizar os mais puristas, claro. Entre as ótimas criações de Ilda está o mil-folhas de bacalhau com tomate, espinafre e creme gratinado (R$ 142,00). Para variar do pescado, experimente o arroz de polvo à portuguesa (R$ 117,00). Escolha na vistosa bandeja de sobremesas a deliciosa e açucarada torta de nozes com baba de moça (R$ 34,00).

    Preços checados em setembro/outubro de 2016.

    Saiba mais

Fonte: VEJA SÃO PAULO