Especial

100 lugares para fazer o seu #100HappyDaysEmSP

Já entrou na brincadeira #100happydays, o desafio de postar algo alegre nas redes sociais por 100 dias seguidos? Preparamos uma lista para cumprir o desafio na cidade, com direito a belos cenários para seus selfies :-)

Por: Marcus Oliveira - Atualizado em

São Paulo - Especial
Vista do centro paulistano: atrações de arquitetura, gastronomia, cultura e muito mais (Foto: Veja São Paulo)

Você possivelmente já se deparou nas redes sociais com a hashtag #100happydays acompanhada de uma foto alegre. A campanha 100 Happy Days está movimentando o Facebook, o Twitter e o Instagram propondo um desafio aos usuários: "Você conseguiria ficar feliz durante 100 dias seguidos?".

+ Saiba 460 programas que você precisa fazer em São Paulo antes de morrer

Quem topa participar precisa apenas compartilhar todos os dias uma imagem de alguma situação que o deixou contente. E vale tudo: fotos com crianças, reunião de amigos, sorvete apetitoso, a descoberta de um canto legal em seu bairro...

VEJASAOPAULO.COM entrou na brincadeira e separou 100 locais na cidade (clássicos ou menos óbvios) que podem te colocar um sorriso no rosto. E com cenários e elementos para caprichar nas fotos das redes sociais. Encara esse doce desafio?

Escadaria do Teatro Municipal
Teatro Municipal: tour pelos cômodos "escondidos" (Foto: Heudes Regis)

1)  Cômodos escondidos do Teatro Municipal: um dos principais pontos turísticos da cidade promove visitas gratuitas por toda sua estrutura, com direito a um guia especializado para revelar as histórias e curiosidades dos principais cômodos, inclusive os desconhecidos de quem costuma passar por lá.

2) MAC - Quer aproveitar as belezas do Ibirapuera de forma diferente? Venha ver o visual do alto desse prédio, que abriga desde 2013 o Museu de Arte Contemporânea da USP, criado em 1963. Fique de olho na agenda de exposições.

3) Praça do Pôr do Sol: está aí um lugar que justifica o nome. A vista do astro se pondo em meio aos arranha-céus paulistanos é incrível. Nos fins de semana, há muitos jovens e famílias fazendo piqueniques, empinando pipas ou simplesmente aproveitando a vista.

4) Cobertura do Banespão: um trunfo ter essa parada no #100HappyDaysEmSP. Mas é preciso descolar uma folga do trabalho. Aos sábados e domingos, o prédio permanece fechado. Confira aqui os horários de funcionamento.

5) Pico do Jaraguá: ponto mais alto da cidade, com 1 135 metros de altura, recebe acesso a pé, numa caminhada de cerca de 2 quilômetros, ou de ou de carro, pela Estrada Turística.

6) Terraço do Edifício Martinelli: de cima do belo ambiente é possível admirar boa parte da cidade. Uma vantagem: costuma funcionar também aos fins de semana.

7) Sala São Paulo: e por que não uma parada erudita nessa lista? Além da bela arquitetura, vale ficar atento às boas novidades da programação.

8) Parque Cândido Portinari: colado ao Parque Villa-Lobos, o espaço verde é um dos últimos inaugurados na capital e dispõe de ótimas paisagens para fazer belas fotografias. 

9) Caminhada pelo centro antigo: acha que conhece o centro paulistano? Não responda até fazer esse passeio que sai todas as quintas, às 20h, do Teatro Municipal e tem a duração de duas horas. Ao longo de todo o trajeto, um guia apresenta dados curiosos e conta histórias sobre os pontos visitados. Basta aparecer e se juntar ao grupo.

10) Minhocão aos domingos: o Elevado Costa e Silva fecha para carros todas noites (das 21h30 às 6h30) e aos domingos, quando vira uma extensa área de lazer recebe adultos e crianças que gostam de usar a área para correr e andar de bicicleta.

Minhocão
Minhocão no domingo pela manhã: trânsito zero no centro de São Paulo (Foto: Agliberto Lima)

11) Beco do Batman: conhecido como uma galeria a céu aberto, o local tem paredes inteiramente dedicadas ao grafite. O espaço ganhou esse nome quando um desenho do homem-morcego apareceu no bairro ainda no anos 80. Hoje, nem está mais por lá.

12) Galeria do Rock: Quem gosta do estilo musical e da moda roqueira, sem dúvida, será feliz por lá. São 450 estabelecimentos: estúdios de piercing e tatuagem, salões de beleza, butiques de roupas, vinis e muito mais.

13) Trilha do Parque Estadual da Cantareira: É uma das maiores áreas de mata nativa que podem ser encontradas dentro de uma metrópole. por lá destaca-se a paisagem da Serra da Cantareira e os setores abertos ao público com trilhas para caminhada, lagos e mirante. Dá até para ver de pertinho algumas espécies de macacos sauás.

14) Vila Maria Zélia: quem gosta de conhecer de perto a história da cidade pode passear pelas ruas da primeira vila operária do Brasil, inaugurada em 1917. A vila é uma minicidade com igreja, escola, casas, armazén, ambulatório médica e até salão de festas.

15) Basilicata: a padaria criada em 1914 mantém a tradição com bons quitutes. Entre os doces, o biscoito amareto, feito com essência de amêndoa, perde o posto de guloseima imperdível para a piccicatella, uma massinha leve assada e envolta em açúcar e raspas de limão.

16) Casa Godinho: o local centenário já recebeu o título de melhor empanada da cidade. As opções de palmito e de bacalhau (R$ 5,00) são boas pedidas. Aproveite para comprar pescados vendidos inteiros e já limpos para fazer um prato todo especial em sua casa.

17) Solar da Marquesa de Santos: localizada nos arredores do Pátio do Colégio, o local ficou famosos quando foi comprado pela Marquesa de Santos, Domitila de Castro Canto e Melo, entre 1834 e 1867. Hoje, abriga a sede ainda do Museu da Cidade de São Paulo.

18) Museu do Futebol: dica inevitável em época de Copa. Por lá é possível calcular a velocidade de um chute, jogar com bola virtual, praticar pebolim e se aprofundar na história do esporte. E ainda dá para espiar o gramado verdinho do Estádio do Pacaembu sem o agito das torcidas.

Museu do Futebol
Museu do Futebol: atração obrigatória em tempos de Copa (Foto: Divulgação)

19) Museu da Língua Portuguesa: vale a pena conhecer o Beco das Palavras, uma mostra permanenete que consiste em uma mesa interativa usada para formar vocábulos e descobrir seus significados e origens. Há ainda um telão de 106 metros com projeções simultâneas sobre o uso do português. 

20) Galeria Pivô: o local foi reinaugurado em 2012, depois de permanecer fechado por vinte anos. São três andares do Edifício Copan, no centro de São Paulo.

21) Choque Cultural: dedicada à arte urbana, recebe artistas jovens, brasileiros e estrangeiros. Belo programa para levar aquele amigo gringo descolado.

22) Museu Afro Brasil: entre pinturas, esculturas e gravuras de artistas brasileiros e estrangeiros, o museu tem uma coleção inicial de 1 100 peças para contar a história da cultura negra do país.

23) Cripta da Sé: para quem pretende fazer um passeio bem fora do comum, esse é o lugar. O local é uma espécie de capela cavada bem debaixo do altar principal da igreja. Nela estão sepultados quinze corpos de bispos portugueses e brasileiros que atuaram na cidade. 

24) Cinzas de Buda: cheio de mistérios, o templo da Comunidade Budista Nitirensyu do Brasil, comandado pela monja Myoho Ishimoto, abriga um dos tesouros mais raros da cidade: parte das cinzas reais de Buda.

25) Mosteiro de São Bento: além de ter uma arquitetura incrível, promove uma missa aos domingos, às 10 horas, acompanhada por coral de canto gregoriano e pelo som do órgão de 7000 tubos. Sem dúvida, um item diferente na lista de agitos do seu #100HappyDaysEmSP.

26) Mercado Municipal: não, sua visita não precisa incluir necessariamente o sanduíche de mortadela. Quem quer fugir do comum pode procurar o pastel de camarão com catupiry, por exemplo.

27) Feira da Benedito Calixto: uma imensidão de objetos e quinquilharias, que vão de baleiros antigos de bares a réplicas de bonecos de brinquedo e fitas cassetes, tiram um sorriso de qualquer um que se recorde do passado. E tudo isso é vendido por lá.

28) Feira de Flores Ceagesp: crisântemos, copos de leite, gérberas, lírios, rosas e outros tipos de flores formam um cenário arrebatador para fotos.

29) Padaria Brasileira: pergunte para seus amigos do ABC sobre a fama da coxinha (e de várias outras opções do cardápio) dessa animada padaria, que está se tornando point de baladeiros da Augusta

30) Casa Mathilde: não há melhor lugar na cidade para provar guloseimas típicas de Portugal — preparadas por três chefs confeiteiros trazidos de lá. Duas opções merecem atenção: o pastel de são bento e o travesseiro de sintra.

31) Feirinha Gastronômica: quem gosta de gastronomia variada vai se esbaldar por lá. O bacana é fazer um tour culinário pelos quitutes e aproveitar para passear pela região da Vila Madalena em pleno domingão. Na dúvida, não deixe de provar a macaxeira com carne-seca e o sanduíche de prochetta.

32) Bacio di Latte: vencedor de melhor sorvete me duas edições do prêmio "Comer&Beber" de VEJA SÃO PAULO não decepciona em nada os fãs de gelados. A felicidade é inevitável ao provar o cioccolato belga (ao leite), o nerissimo (amargo feito sem leite) e o gianduia crocante (acrescido de avelã). Outros hits são figo, doce de leite, banana e menta.

33) Confeitaria da Luana Davidsohn: os bolinhos do tamanho de uma xícara enfeitam as vitrines de muitas docerias paulistanas, e aqui ele é tão bonito quanto gostoso. Entre os mais pedidos, está o de doce de leite envolto em uma casquinha de chocolate.

34) Confeitaria Dama: As guloseimas encantadoras deixam qualquer tristeza do lado de fora da casa. Na dúvida de qual experimentar, a dica é mimar-se com o saboroso pavê de doce de leite, conhecido como o “doce dos argentinos”.

Madame Brigadeiro
Brigadeirão, na Madame Brigadeiro (Foto: Lucas Lima)

35) Madame Brigadeiro: A doceria prepara a receita com chocolate suíço da marca Lindt e surge em sete versões a cada semana. Saiba também outras opções de docerias que preparam boas versões de brigadeiro.

36) Mocotó: o restaurante mais famoso da Zona Norte é um daqueles lugares para se ficar horas petiscando e provando uma bebida diferente. Destaque para os dadinhos de tapioca feitas pelo chef Rodrigo Oliveira. Quer fugir da fila? Não tem muito jeito: só se conseguir passar lá durante a semana, em um dia de folga ou férias.

37) Rinconcito Peruano: quem curte viver uma experiência gastronômica ao conhecer um novo restaurante vai adorar o ceviche clássico com peixe branco, camarão, lula, polvo, batata-doce, milho e pimenta servido por lá. A casa peruana fica bem no centro da cidade, uma ótima oportunidade para um passeio a pé na região em um fim de semana.

38) Bolo à Toa: as receitas de bolos caseiros são aquelas de família — algumas delas batidas na mão, como antigamente. Na deliciosa opção de milho, por exemplo, são usados grãos debulhados da espiga, não os de lata ou congelados, mais fubá de fabricação própria. Um mimo capaz de alegrar qualquer café da tarde em casa.

Bolo à Toa
Bolo à Toa: delícias que parecem feitas em casa (Foto: Divulgação)

39) La da venda: quem trabalha na região da Vila Madalena e quer dar uma escapada para tomar um lanche precisa provar o pão de queijo da casa, acompanhado de um café coado na mesa.

40) Bolos de chocolate: ao dar uma mordida em um bolo fofinho, é inevitável não se recordar de um momento vivido durante a infância. E os restaurantes Maison de Marie — Café et Pâtisserie, o Café & Cacao e o Les Delices de Maya investem pesado nessas receitas. Há versões de chocolate 70% de cacau com cerveja escura, torta de musse chocolate e molhadinhos.

41) Comidinhas de rua: pretende comer bem pagando pouco? A opção são os food trucks, com comidinhas vendidas em carrinhos espalhados pelas ruas da capital. Encontre a sua.

42) Fisherman’s Table: quem reclama do preço da cerveja pode comemorar. O bar no Itaim faz uma happy hour chique com chope Heineken por 3,50 reais. Mas precisa chegar cedo. A promoção rola de segunda a sexta, das 19h às 21h.

43) Picolé recheado: quem passar pela Praça Benedito Calixto aos sábados, na feira de artesanato, e aos domingos, quando ocorre a Feirinha Gastronômica, não pode deixar passar a iguaria. Basta dar a primeira mordida para descobrir um delicioso recheio de leite condensando.

44) Varejão da Ceagesp: esse é um passeio gastronômico que vale e muito a pena. Tire uma tarde para passear por lá e você irá se surpreender com os quitutes imperdíveis para comer na hora. Entre eles está o lanche de pernil do Zezé, o acarajé da Cris e um tempurá super tradicional.

45) Cochilo: no meio de um dia de trabalho, quem é que nunca pensou em tirar uma soneca, mas não tinha um local? Esse lugar existe e fica bem no centro da cidade. Os dorminhocos entram em uma cabine e podem dormir de 15 a 60 minutos, pagando entre 10 e 20 reais.

46) Flutuar na água: a técnica é muito famosa fora do país e é realizada dentro de um tanque de água escura. A promessa: uma hora dentro da cabine equivaleria a tantas horas de sono. Dois locais na capital oferecem o serviço: a Vector Equilibrium e a Inner Fit.

Ciclofaixa de São Paulo
A ciclofaixa da Avenida Paulista: uma pausa para o carro aos domingos e feriados (Foto: Rogério Canella)

47) Ciclofaixa: todos os domingos, das 7h às 16h, quem curte andar de bike pode pedalar por diversos espaços diferentes da cidade sem ter de se preocupar com os carros passando por perto. Quem não tem bicicleta pode alugar nos pontos de locação espalhados pelas ruas.

48) Cinema 4D: localizada no Shopping JK Iguatemi, a Sala 4D tem poltronas que chacoalham e se inclinam ao ritmo do filme. Num outro momento, os ventiladores simulam uma brisa invernal, acompanhada por jatos de fumaça cenográfica e flashes de luz. Melhor ir em turma.

49) Caminhada com cães: todos os domingos, das 9h às 12h, em média 45 voluntários passeiam com parte dos 290 cães do Centro de Controle de Zoonoses, em Santana. Quem tiver acima de 18 anos e quiser participar deverá mandar um e-mail para caominhadaccz@prefeitura.sp.gov.br. Os novatos têm de assistir a uma palestra instrutiva de meia hora.

50) "Amassar um gato": o grupo Confraria dos Miados e Latidos organiza uma vez por mês o evento Domingo do Amassa Gato, onde é possível ficar cercado de uma porção de gatinhos e brincar com os bichanos. Quem se empolgar, pode, inclusive, adotar um animalzinho.

Cachorródromo Parque da Juventude
Cachorródromo do Parque da Juventude: até quem não tem um pet pode se divertir (Foto: Fernanda Kalckmann)

51) Cachorródromo do Parque Villa-Lobos: diversão a semana toda. Todo sábado, às 15h30, rolam aulas de adestramento no local.

52) Parque da Independência: "apenas" um dos mais belos cenários da cidade.

53) Parque da Juventude: o espaço na Zona Norte não só possui boas quadras para a prática de esportes, como também dispõe de locais para andar de bike e skate.

54) Parque Burle Marx: os jardins projetados pelo artista paulistano que dá nome ao local chamam atenção dos visitantes. Um gramado em xadrez é o fundo certo para selfies. O local possui ainda oitenta espécies de aves e resquícios de Mata Atlântica, onde é possível fazer trilhas.

Ibirapuera 24 horas
Ibirapuera depois da meia-noite: vista privilegiada da cidade (Foto: Ricaddo D`angelo)

55) Parque do Ibirapuera (de madrugada): sem a muvuca do dia a dia, mas com frequentadores sempre animados, que fazem até luau à beira do lago.

56) Jardim Botânico: aproveite a vegetação remanescente de Mata Atlântica e nascentes do histórico Riacho do Ipiranga. Por lá, o Jardim de Lineu, com duas estufas ao fundo que reproduzem vegetações de regiões do país, também chama a atenção.

57) Meats: redutos dos apaixonados por bacon, a casa não decepciona quem pretende degustar o ingrediente favorito do chef Paulo Yoller, que tem a imagem do alimento tatuado em seu braço.

58) P.J. Clarke's: Hambúrguer, milkshake e cheescake. Essa fórmula da felicidade pode ser encontrada em uma refeição da casa. O local já venceu o prêmio "Comer & Beber" de VEJA SÃO PAULO em duas edições como o melhor hambúrguer.

59) Butcher's Market: para afogar as mágoas, a casa serve o incrível OT burger, com aproximadamente 21 cm de altura.

Capa Ed. 2323 - Lanches - OT burguer - Butcher's Market
O OT burguer do 'Butcher's Market': 14 centímetros de altura e três anéis de cebelo empanados (Foto: Mario Rodrigues)

60) Alaska: a taça mais famosa reúne quatro bolas de sorvete, duas cassatas, pêssegos em calda, chantili, biscoitos, coberturas e cerejas para enfeitar. Para seis pessoas.

61) Frangó: não dava para criar uma lista assim sem incluir esse templo das cervejas e coxinhas.

62) Hocca Bar: vende o gigantesco pastel de bacalhau no mezanino do Mercado Municipal. Recheado de 200 gramas do pescado, o salgado custa R$ 14,90. 

63) Ponto Chic: mistura de queijos prato, gouda, suíço e estepe derretidos mais rosbife, tomate e pepino em conserva no pão francês sem miolo. Esse é o tradicional bauru.

64) Aconchego Carioca: possui uma excelente carta de cervejas — quase 200 rótulos —, algumas opções de cachaça e uma queda pelos bolinhos fritos. 

65) Eu Tu Eles: o bar recebe um público animado e oferece música ao vivo para alegrar o ambiente, que vive cheio. Vale experimentar algumas opções das carta de caipirinhas e tirar boas fotos do ambiente com teto enfeitado com fitinhas.

66) Veloso: coxinha obrigatória. Caipirinha obrigatória. Gente bonita. Sem mais.

Coxinha do Veloso
A dupla campeã do Veloso: coxinha e caipirinha (Foto: Raquel Espirto Santo)

67) Wall Street Bar: o grande barato do lugar é acompanhar a mudança do preço da cerveja que passa em telões espalhados pelo ambiente. O valor oscila conforme o número de pedidos, imitando uma bolsa de valores.

68) Astor: bar queridinho da Vila Madalena, a casa é campeã para quem quer experimentar bons drinques. No subsolo fica o SubAstor, com ambiente ideal para fazer novas amizades e também paquerar.

69) Xcaret: quem gosta de fazer bonito na pista de dança com passos como samba, forró e zouk pode arriscar umas performances por lá. É um bom lugar para quem pretende aprender os primeiros rebolados.

70) Bar da Dona Onça: instalado sob os pés do Edifício Copan, no centro, apresenta receitas de muita personalidade inspiradas na cozinha do interior. Petiscos como o saboroso croquete de panela (R$ 29,00) são uma boa para abrir os trabalhos.

peixaria bar venda mario rodrigues
peixaria bar venda mario rodrigues (Foto: Mario Rodrigues )

71) Peixaria Bar e Venda: o ambiente leva o visitante a sentir-se em um verdadeira praia. Além do clima, dezenas de peixes assados na hora em uma brasa e a cerveja servida e um isoporsinho dão o ar da graça. É possível levar os pescados também para casa.

72) Choperia Liberdade: reduto para quem gosta de soltar o gogó, o videokê localizado no bairro japonês fica aberto até altas horas e tem uma decoração toda temática.

73) Pé pra Fora: um pé-sujo bem tradicional. Mesinhas com toalhas de pano nas cores azul e bege se estendem sob o toldo azul e invadem a varandona em uma esquina da Avenida Pompeia.

74) Bar Brahma: fundado em 1948, ocupa a esquina mais cantada da cidade, aquela das avenidas Ipiranga e São João. Oferece boa programação musical dedicada a MPB e samba.

75) Coconut: fixado em uma quarteirão com mais diversas opções de casas para botar a prova os dons de cantor, o espaço faz reserva de salas para grupos de amigos que desejam cantar apenas para os mais chegados.

Cervejaria Nacional
O balcão da Cervejaria Nacional, no primeiro andar: vista para os tanques de fermentação (Foto: Mario Rodrigues)

76) Cervejaria Nacional: o grande barato de ir ao bar, além de experimentar ótimas cervejas, é ver toda a linha de produção e os enormes tanques de inox usados na maturação das geladas.

77) Empório Alto de Pinheiros: por lá, cerca de 650 rótulos de todos os cantos do mundo invadem não só as gôndolas mas a loja toda e atraem um público aficionado. Além das cervejas, há 33 bicos de chope que recebem produtos sazonais e especiais.

78) Karavelle: o estabelecimento tem como um dos sócios o cantor Seu Jorge, que vive circulando por lá. Com atmosfera escura e música predominantemente eletrônica, o clima é de balada.

79) Pirajá: um pedaço da Cidade Maravilhosa na cidade de São Paulo. Como não poderia deixar de ser, o samba rola solto nas caixas de som, e o cardápio também não foge ao tema. 

80) Siga La Vaca: a casa conta com um mix de restaurante, bar e videokê. Não deixe de fazer uma foto engraçada ao lado das duas enormes vacas iluminadas na fachada. Diversão meio trash (e garantida!)

81) Catavento Cultural: suas mais de 250 atrações científicas enchem os olhos das crianças e não entediam os adultos. Entre as atividades, é possível sentir a eletricidade passando pelo corpo, ao colocar a mão em uma bola de energia. 

82) Roller Jam: o único rinque de patinação da cidade dedica as noites de sexta-feira para quem está aprendendo a andar sobre rodinhas. Aos sábados, crianças dominam a pista até as 22h. Na sequência, o espaço se transforma em uma festa que vai até a madrugada.

Roller Jam - matéria
Roller Jam: entre luzes coloridas, ao som de jazz e soul music, patinadores deslizam pelos 450 metros quadrados (Foto: Divulgação)

83) Aquário de São Paulo: quem chega por lá pode ver de perto mamíferos aquáticos como lontras, o peixe-boi Tapajós e o lobo-marinho Thunder. O ponto alto do lugar é o tanque gigante de 1 milhão de litros de água salgada.

84) Zoológico de São Paulo (tour noturno): o local dispõe de um roteiro feito das 19h às 22h. Para observar bichos como gambás, onças e corujas em plena atividade, é preciso fazer agendamento com atecedência, pois as vagas são concorridas.

85) Pit Stop Kart: é necessário fazer reserva para grupos a partir de seis pessoas. A altura mínima é 1,55 metro.

86) Livraria Cultura - Conjunto Nacional: outro lugar para deixar louco qualquer visitante da cidade (brasileiro ou estrangeiro).

87) Octavio Café: o local dispõe de mesinhas e criou um espaço dedicado a misturar tipos de café chamado de blend station. Ali, os clientes podem personalizar a própria bebida combinando diferentes variedades do grão. Todos os cafés servidos na casa são de produção própria.

Livraria Cultura
Livraria Cultura: uma das mais belas e completas da cidade (Foto: Bruno Porte)

88) Livraria Cultura - Shopping Iguatemi: inaugurada em setembro de 2013, distribui-se entre quatro pavimentos repletos de livros, filmes e CDs. O segundo andar abriga ainda uma unidade da Geek.Etc.Br, loja dedicada a quadrinhos, games e séries. Um prazer: ler na arquibancada.

89) Livraria da Vila - Shopping JK: com design arrojado, o espaço possui um local especial dedicado às crianças. Funciona também como ponto de doação de obras usadas, que são posteriormente inclusas em cestas básicas destinadas a famílias de todo o país.

90) Ikesaki: o paraíso das mulheres, uma das perfumarias mais antigas da cidade, vende centenas de cosméticos, esmaltes e produtos para cabelos. 

91) Forever 21: a unidade da franquia californiana instalada no Shopping Morumbi, a primeira do Brasil se tornou febre devido aos preços acessíveis para roupas com as tendências de moda.

Forever 21
Forever 21: loja de departamentos em sua primeira unidade, no país no MorumbiShopping (Foto: Mario Rodrigues)

92) Gi Camargo Nail Bar: no salão  a maioria dos esmaltes são importados e a técnica é única: uma hora para os cuidados com as mãos ou pés das clientes. Atração à tarde: tomar uma taça de champanhe enquanto recebe os tratamentos.

93) Barbearia 9 de Julho: espaço decorado com elementos dos anos 50 é ideal para os marmanjos que pretendem deixar o visual em dia. Corte de cabelo e manutenção da barba, feitas com navalha e toalhas quentes, são alguns dos tratamentos.

94) Caos: o espaço para lá de estiloso funciona como loja de antiguidades durante o dia, com mais de 3 000 produtos para venda e à noite, o clima esquenta com drinques diferentões e cerveja, animados por DJ anima a apertada pista. De terça a sexta, dá para entrar de graça das 19h às 22h.

95) Beco: a casa é sucesso na noite e se consagrou como reduto do indie rock na Rua Augusta. A balada mantém ritmo intenso com festas de quarta a sábado.

Blitz Haus
Blitz Haus: nova opção em uma das ruas mais badaladas de São Paulo (Foto: Divulgação)

96) Blitz Haus: às terças e quartas, o espaço de três andares funciona mais como bar. No primeiro, encontram-se fliperamas e mesas de sinuca e pebolim. De quinta a sábado, a partir das 23h, fica disponível também a pista do subsolo, que recebe um público eclético.

97) Villa Mix: o clube queridinho de jogadores de futebol, como o Neymar, tem uma pista rodeada por disputados camarotes. No palco, duas atrações soltam a voz a cada noitada. No repertório versões de faixas conhecidas das rádios.

98) Cine Joia: a casa de shows, localizada no bairro da Liberdade, oferece uma programação de qualidade. O local virou querido dos moderninhos e agora esbanja alta tecnologia em som e projeção.

99) A Lôca: ponto fervido na Rua Frei Caneca, a boate-inferninho conquistou o público paulistano e abala a região há quinze anos. Disco, house, rock e pop animam os habitués, que se jogam na pista em clima de amizade e paquera.

100) Provocateur: endinheirados ocupam a pista principal. Ao redor do salão ficam dez camarotes, servidos por garçonetes exclusivas. Faixas de house ganham força por meio do poderoso sistema de som. Alexander de Almeida, o Rei do Camarote, sempre agregou valor por ali.

Fonte: VEJA SÃO PAULO