Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Butantan se prepara para iniciar testes do soro anti-Covid em humanos

A Anvisa deu aval para que o instituto iniciasse os estudos na semana passada

Por Redação VEJA São Paulo 3 abr 2021, 18h15

O Instituto Butantan se prepara para iniciar os testes do soro anti-Covid em humanos já em abril. Na próxima segunda-feira (5), cientistas devem se reunir para discutir os detalhes da testagem.

Na semana passada, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa, deu aval para que o Butantan iniciasse os testes. Os últimos documentos requisitados pelo órgão já foram entregues e as observações aos preparativos do estudo estão sendo adotadas pelo instituto.

Em nota, a Anvisa disse que aguarda o envio do “termo de compromisso”, que determina realização de estudos prévios antes de testar o soro nos voluntários. 

O soro será aplicado em adultos recém-infectados com o coronavírus. Os cientistas devem definir a quantidade de doses que serão aplicadas em cada pessoa e em quais locais os testes serão realizados.

Em reportagem, a Vejinha mostrou os bastidores da preparação do soro. A medicação segue a lógica dos soros contra picadas de cobra, um produto que remonta à origem do instituto. Ou seja, usa o plasma de cavalos infectados com o vírus, onde existem anticorpos de combate à doença.

Testes em hamsters mostraram uma eficácia promissora. “Tivemos uma redução importante da carga viral, preservação das estruturas pulmonares e uma diminuição muito clara nos processos inflamatórios”, explicou Ana Marisa Chudzinski-Tavassi, diretora do centro de inovação do instituto.

Em dezembro, a Argentina começou a usar a técnica de forma pioneira. Dados iniciais mostram que ela ajudou os pacientes. No hospital de campanha do distrito de Corrientes, 45 internados receberam o soro em fevereiro. Destes, 42 tiveram alta em uma semana.

  •  

    Continua após a publicidade
    Publicidade