Continua após publicidade

Irmã de Paulo Gustavo escreve carta para Bolsonaro: “não despeje seus sentimentos, não os aceito”

Ator morreu em decorrência da Covid-19 e presidente publicou mensagem de pesar nas redes sociais

Por Redação VEJA São Paulo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 30 Maio 2021, 11h35 - Publicado em 30 Maio 2021, 11h33

A irmã do ator Paulo Gustavo (1978-2021), Juliana Amaral, escreveu um texto nas redes sociais para o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O humorista morreu no início deste mês por complicações da Covid-19.

Depois do falecimento de Paulo, Bolsonaro postou nas redes sociais: “meus votos de pesar pelo passamento do ator e diretor Paulo Gustavo, que com seu talento e carisma conquistou o carinho de todo Brasil. Que Deus o receba com alegria e conforte o coração de seus familiares e amigos, bem como de todos aqueles vitimados nessa luta contra a Covid”.

Neste sábado (29), Juliana escreveu: “me disseram algo sobre o senhor ter postado condolências à minha família”, escreveu ela, para o presidente. “Só agora tive forças de vir responder como o senhor merece. O mínimo que posso lhe dizer é que, por coerência, nunca mais ponha na sua boca o nome do meu irmão”.

“Essa boca que disse não à vacina e condenou tanto à morte, essa mesma boca que debochou imitando pessoas com falta de ar, pessoas que viveram o horror que meu irmão viveu. Também espero que o senhor não deseje sobre minha família os seus mais sinceros sentimentos pois eu não os aceito”.

Continua após a publicidade

E finaliza: “enquanto ele ia na estrada da vida, do afeto, da generosidade e empatia, o senhor vem pelas trevas, trazendo escuridão e morte. O Brasil que  senhor comanda carrega nas costas quase 500 000 filos mortos e dentre eles o meu irmão”.

Leia a carta completa:

Sr. presidente, me disseram algo sobre o senhor ter postado condolências à minha família. Só agora tive forças de vir responder como o senhor merece, e o mínimo que eu posso lhe dizer é que, por coerência, nunca mais ponha na sua boca o nome do meu irmão.

Continua após a publicidade

Essa boca que disse não à vacina e condenou tantos à morte, essa mesma boca que debochou imitando pessoas com falta de ar, pessoas que viveram o horror que meu irmão viveu, não pode ser usada para pronunciar o nome dele nem lamentar a morte de todos os vitimados pela Covid.

Também espero que o senhor não despeje sobre minha família os seus mais sinceros sentimentos pois eu não os aceito. Não sei que sentimentos tem um homem que deixa um país inteiro entregue à morte. Guarde pra você seus sentimentos e não nos obrigue a lidar com eles.

Seus votos de pesar também peço que deposite em sua própria consciência, pois é sobre o seu governo que pesa a pior gestão desta pandemia mundial. Espero que o senhor saiba que meu irmão e você não tinham nada em comum. Vocês trafegam em vias opostas. Enquanto ele ia na estrada da vida, do afeto, da generosidade e empatia, o senhor vem pelas trevas, trazendo escuridão e morte. O Brasil que o senhor comanda carrega nas costas quase 500 mil filhos mortos, e dentre eles o meu irmão.

Continua após a publicidade
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.