Restaurantes veganos de cara nova fazem receitas saborosas de verdade

Endereços de salões modernos e cardápios variados atendem à exigência crescente de paulistanos fãs de uma mesa sem nenhum produto de origem animal

Restritivo, sem graça, quase impensável. Até pouco tempo atrás, essas eram algumas das impressões que parte das pessoas tinha a respeito do estilo de vida vegano. Ainda que a decisão de deixar de lado qualquer produto de origem animal continue exigindo uma boa dose de determinação e paciência para ler embalagens, o jogo virou.

Quais são os melhores restaurantes veganos de SP

A nutricionista Ale Luglio, diretora da SVB: “Campanhas como a Segunda sem Carne ajudam a convidar pessoas a conhecer esse estilo de vida, sem fazer imposições”

A nutricionista Ale Luglio, diretora da SVB: “Campanhas como a Segunda sem Carne ajudam a convidar pessoas a conhecer esse estilo de vida, sem fazer imposições” (The Daily Company/Divulgação)

“Antes não era cool, agora a percepção está mais simpática. Pessoas de diversas profissões passaram a considerar a possibilidade de mudar seus hábitos em nome da saúde e da sustentabilidade”, afirma Alessandra Luglio, nutricionista e diretora da Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB). Não há dados precisos sobre o veganismo, mas o número crescente de vegetarianos, principalmente nas regiões metropolitanas, dá força à tese. Segundo o Ibope, em 2018 16% dos entrevistados nas grandes cidades se declaravam vegetarianos. Em 2012, eram 8%.

Maria Cermelli, do Sushimar Vegano: salão sempre lotado pelos fãs do rodízio

Maria Cermelli, do Sushimar Vegano: salão sempre lotado pelos fãs do rodízio (Romero Cruz/Veja SP)

Empresários atentos à demanda passaram a adaptar seus negócios. No fim de março, o Allianz Parque colocou pela primeira vez opções de tortas veganas ao lado de comidinhas tradicionais de estádio, como cachorro-quente. Foi justamente no show de Paul McCartney, garoto-propaganda da campanha Segunda sem Carne, presente em mais de quarenta países. “Vamos avaliar se a oferta é compatível com o público de cada noite”, afirma o gerente Marco Caldeira. Aqueles que investiram de vez no nicho têm encontrado resultados surpreendentes.

Parte do menu do Sushimar Vegano: variedades para todos os paladares

Parte do menu do Sushimar Vegano: variedades para todos os paladares (Romero Cruz/Veja SP)

É o caso de Maria Cermelli, do Sushimar Vegano. Inaugurada em dezembro de 2017 nos Jardins, a casa sempre tem fila na porta. “Quem experimenta essa transição alimentar costuma sentir falta do ritual do japonês, por isso fiz questão de que todos os itens fossem lindos”, conta Maria. No rodízio, os sushis cobertos por ingredientes como coco, aspargo, pimentão, romã e edamame impressionam pela apresentação e acertam na combinação de sabores e texturas, que agradam até mesmo a quem não é adepto.

A chef Thainá Andrade, do Casa Raw: sucesso de público também aberto para o jantar

A chef Thainá Andrade, do Casa Raw: sucesso de público também aberto para o jantar (Romero Cruz/Veja SP)

Se o ativismo vegano já passou por momentos de apontar o dedo para os onívoros, o clima hoje é de inclusão. “Adoro os comentários positivos de quem não é vegano e se permite uma nova experiência ao provar pratos como uma musseline de mandioquinha com almôndegas de cogumelos”, comemora a chef Thainá Andrade, da Casa Raw. Desde novembro o sobrado em Perdizes funciona no jantar, quebrando assim outro paradigma do gênero, focado mais no almoço. O visual dos salões também evoluiu e deixou no passado a pecha de hippie. Nessa nova leva de estabelecimentos, uma pegada moderninha clean predomina.

Mesa coletiva do Homa: José Barattino e Gilson de Almeida estão à frente do “restaurante sem bicho”

Mesa coletiva do Homa: José Barattino e Gilson de Almeida estão à frente do “restaurante sem bicho” (Antonio Brasiliano/Veja SP)

No Homa, dos chefs José Barattino e Gilson de Almeida, as receitas (60% delas veganas) podem ser provadas numa bela mesa coletiva, em bancadas com bancos altos ou mesinhas ao ar livre na entrada. “Não usamos proteína texturizada de soja, não tentamos imitar uma feijoada sem carne”, diz Barattino. Mas e quando bate aquela vontade de comer uma receita afetiva que tem ovo ou queijo?

Num hostel, a Padoca Vegan tem sonho, coxinha, café com leite de coco e torrada com requeijão de castanha

Num hostel, a Padoca Vegan tem sonho, coxinha, café com leite de coco e torrada com requeijão de castanha (Divulgação/Divulgação)

Cresceu também a oferta de bons substitutos. Dentro de um hostel no Sumarezinho, a Padoca Vegan buscou suprir uma lacuna matinal. “Café da manhã de padaria é uma instituição paulistana, mas os veganos acabavam tendo de se contentar com um pão com geleia”, acredita Renata Altheman. Na garagem e no quintal, ela e a sócia Denise Consolmagno servem pingado (feito com leite de coco), pão na chapa com azeite, sonho e enroladinho de feijão, no lugar da calabresa. “Já tivemos clientes veganos há décadas que choraram de emoção ao descobrir que podiam voltar a comer em uma padoca.”

Doce Fit: a premiada confeiteira Mara Mello oferece por encomenda a torta vegana com quinoa, chia e tâmara

Doce Fit: a premiada confeiteira Mara Mello oferece por encomenda a torta vegana com quinoa, chia e tâmara (Bruno Gherardi/Divulgação)

A confeitaria fina também entrou na onda. Premiada pelo COMER & BEBER, Mara Mello investe agora na linha Sweet Fit. “Para quem fazia tudo com creme de leite e açúcar, estou mudada”, diverte-se. Sua linha convencional continua, mas são justamente os itens veganos que ela viu decolar no último ano. “Meu padrão de exigência é alto, realizei muitos testes até chegar à torta com nuts, quinoa, chia, tâmara e chocolate de excelente qualidade.” As encomendas vêm por Instagram ou WhatsApp, uma modificação de comportamento que favoreceu o mercado.

Matilda Lanches, vencedor do COMER & BEBER: opções de sanduíche e um ótimo shake com leite de amêndoa

Matilda Lanches, vencedor do COMER & BEBER: opções de sanduíche e um ótimo shake com leite de amêndoa (Ricardo D'Angelo/Veja SP)

Outro campeão pelo guia gastronômico, o Matilda Lanches tem desde a abertura opções de shake com leite de amêndoa e sandubas veganos.

Quincho: drinques com espuma, como o moscow mule, são feitos com lecitina de soja no lugar de clara

Quincho: drinques com espuma, como o moscow mule, são feitos com lecitina de soja no lugar de clara (Clayton Vieira/Veja SP)

As transformações não se restringem à mesa — estendem-se à coquetelaria. No bar-restaurante Quincho, na Vila Madalena, os drinques que levariam espuma de clara de ovo, como o moscow mule, são feitos com uma versão vegetal de lecitina de soja. “O público saudável também quer tomar um bom drinque”, afirma a chef Mari Sciotti. Vestuário, calçados, maquiagem e outros produtos de beleza não ficam de fora da mudança cultural. Gigantes do ramo, como a Natura, têm apostado forte na tendência. “Hoje, 80% do nosso portfólio é vegano. Nossa busca por modos de operar mais sustentáveis levou à vegetalização dos produtos e ao fim dos testes em animais a partir de 2006”, lembra a diretora de inovação Roseli Mello. “O consumidor brasileiro está mais atento.”

Alana Rox: perto de 200 000 exemplares vendidos do Diário de uma Vegana, que ganhará continuação

Alana Rox: perto de 200 000 exemplares vendidos do Diário de uma Vegana, que ganhará continuação (Renato Parada/Divulgação)

Depois de conhecer de perto o stress do mundo corporativo, a terapeuta Marcelle Martins decidiu fundar, junto com Thiago Carvalho, um centro que favorecesse o despertar de uma consciência sobre novas formas de trabalhar e alimentar-se. Desde meados de 2018, o aFlora, em Pinheiros, une empresas de impacto positivo ao redor de um centro de meditação. “Queria trazer para a cidade a experiência que as pessoas buscam em um retiro”, afirma Marcelle. O cartão de visitas do espaço é o misto de café e restaurante Purana.co, criado com Alana Rox, autora do best-seller Diário de uma Vegana, Fabiana Raucci e outros sócios. “Não tem nada mais transformador do que a comida. Recebemos quase 800 pessoas aos sábados e conseguimos mostrar que uma receita vegana não é só mato e que, se benfeita, ela pode ser muito gostosa”, diz Alana.

Parte do menu do Purana.co: apresentação na tábua, bowl da saúde e fermentada

Parte do menu do Purana.co: apresentação na tábua, bowl da saúde e fermentada (Clayton Vieira/Veja SP)

Expoente dessa culinária na Califórnia e espécie de celebridade no meio, o chef Matthew Kenney terá um braço paulistano ainda neste mês, quando deve ser inaugurado o PlantMade, em Higienópolis. O casal Daniele e Fabio Zukerman é o responsável por trazer a marca para cá. “O Matthew elevou o padrão da gastronomia plant based nos Estados Unidos, e acreditamos que São Paulo pedia por algo assim”, diz Daniele. Com tantas opções, está cada vez mais fácil conseguir um lugar à mesa desse banquete feito só de vegetais.

OS MELHORES RESTAURANTES VEGANOS DE SÃO PAULO

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 17 de abril de 2019, edição nº 2630.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Esqueceram do primeiro boteco de verdade com opções veganas; desde 2014 como a melhor comida de boteco vegana de São Paulo: Boteco Ouzar

  2. CESAR AUGUSTO POOR

    Faltou o Vegan & Co. no Butantã. Local super agradável, um lindo jardim, estacionamento e uma comida deliciosa!