Clique e assine por apenas 6,90/mês

COMER & BEBER 2017/2018 premia o restaurante estreante do ano

É a primeira vez que o guia gastronômico mais importante do país confere o título

Por Redação VEJA São Paulo - Atualizado em 1 Sep 2017, 19h20 - Publicado em 24 Aug 2017, 18h21

A crise provocou o fim das atividades de 25 dos restaurantes recomendados por VEJA SÃO PAULO. Apesar da turbulência econômica que deixou muita gente boa pelo caminho, muitos outros negócios abriram as portas no mesmo período, mostrando que o potencial do mercado gastronômico da cidade é capaz de gerar oportunidades mesmo em meio a um cenário de recessão.

Só na agitada Rua dos Pinheiros, por exemplo, brotaram sete estabelecimentos nos últimos doze meses. É o caso do Piccolo, irmão caçula do italiano Più, também em Pinheiros, e da Bráz Elletrica, versão informal da Bráz, além de uma unidade mais caprichada da rede Rinconcito Peruano.

Esse movimento de empreendedores que remam contra a maré negativa chegou ao centro, onde foram instaladas a padaria O Mundo Pão do Olivier, do chef Olivier Anquier, e a recentíssima pizzaria Fôrno, dos donos da lanchonete Holy Burger. Também se espalhou pela Mooca, onde vingaram o restaurante Hospedaria, a pizzaria Pommmodoro e uma filial da rotisseria La Pergoletta, com matriz no Tatuapé.

Para valorizar esses investimentos, surgiu um prêmio inédito de VEJA COMER & BEBER 2017/2018, intitulado estreia do ano. Dos 400 restaurantes listados na revista e no site da Vejinha, foram selecionados os endereços inaugurados de outubro de 2016 até o início deste mês para chegar aos três finalistas. São lugares de estilo e público diferentes, mas com características em comum: ótima cozinha, atendimento de primeira e ambiente agradável.

Continua após a publicidade

É o reconhecimento não só da qualidade dos estabelecimentos mas da garra de empresários empenhados em fazer seus negócios acontecer. O nome do vencedor, assim como o dos demais campeões das outras 41 categorias, será revelado na festa que está marcada para o dia 21 na Casa Charlô, no Itaim. A edição, a 21ª da história do guia, chega às bancas e à casa dos leitores dois dias depois.

Publicidade