Imagem Blog

Poder SP - Por Sérgio Quintella Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Sérgio Quintella é repórter de cidades e trabalha na Vejinha desde 2015
Continua após publicidade

Com rachas e dissidências, eleição no MP paulista é antecipada

Saída de Mário Sarrubbo para ocupar cargo na gestão Lula abriu espaço para cinco candidatos

Por Sérgio Quintella Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 2 fev 2024, 18h00 - Publicado em 2 fev 2024, 06h00

A decisão do novo ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, de nomear o procurador-geral de Justiça paulista, Mário Sarrubbo, para o cargo de secretário nacional de Segurança Pública, levou os postulantes a chefe do Ministério Público (MP) a antecipar suas campanhas. Marcada para 13 de abril, a eleição, em situações normais, começaria a esquentar depois do Carnaval, mas com o anúncio da ida de Sarrubbo para Brasília, ainda sem data para ocorrer, as disputas foram adiantadas em algumas semanas. Por ora são cinco os procuradores de Justiça candidatos à sucessão do comando do MP: José Carlos Cosenzo e Paulo Sérgio Oliveira e Costa (ligados ao atual procurador­-geral), Tereza Exner (se apresenta como independente, mas possui a simpatia de Sarrubbo), além dos opositores (e ex­aliados) Antonio Carlos da Ponte e José Carlos Bonilha.

A inusual escolha de dois nomes para compor o grupo aliado de Sarrubbo é vista nos corredores do prédio da Rua Riachuelo, 115, na , de duas maneiras: como forma de aumentar as chances de os dois candidatos comporem a lista tríplice que será enviada ao governador Tarcísio de Freitas, mas também devido a uma possível falta de união entre os membros da situação. “O Sarrubbo tomou a decisão de apoiar nós dois porque trata-­se de uma eleição com lista tríplice e ele entendeu que não deveria fechar apoio em um único nome, apesar de muitos terem essa expectativa”, afirma Paulo Sérgio Oliveira e Costa, ex-diretor da Escola Superior do Ministério Público.

A despeito de ser visto como um dos favoritos, não apenas pelo apoio de Sarrubbo, mas pelos anos de contato com os jovens promotores, Costa evita falar em predileções. “Tenho muito apreço pelas turmas, mas como ex-­diretor eu não posso cobrar dos promotores qualquer contrapartida. São pessoas com maturidade.” Procurado, José Carlos Cosenzo não concedeu entrevista.

candidatos-ministério-público-sp
Candidatos ao comando do Ministério Público de São Paulo (Arquivo Pessoal/Divulgação/Veja SP)

No lado da oposição, o nome de Antonio Carlos da Ponte desponta como favorito por dois motivos: ele foi o mais votado na eleição de 2020 (obteve 1 020 votos, contra 657 de Sarrubbo), mas o então governador João Doria optou pelo menos votado. O segundo motivo é que Ponte mostra-se como o candidato mais identificado com o bolsonarismo e possui contato direto com Tarcísio de Freitas. “A Constituição atribui ao governador a escolha do procurador-geral e vejo que ele tem adotado posturas republicanas desde a posse”, desconversa Ponte, que não está sozinho na oposição.

Membro do Conselho Superior do MP, o procurador José Carlos Bonilha se distanciou de seus quatro pares opositores (incluindo Ponte) após algumas votações no órgão que desagradaram seus colegas. Em campanha desde a última semana, Bonilha confirma as rusgas com o grupo, mas diz que há espaço para as duas candidaturas. “No exercício do mandato (no Conselho Superior) surgiram divergências intransponíveis. Respeito a opinião dele (Ponte), mas tenho proposta clara. Eu não fui preterido no passado, como aconteceu com ele, jamais fui candidato a procurador-geral”, diz Bonilha, que também critica o fato de o colega ter deixado o cargo para assumir um posto no primeiro escalão do governo estadual, em 2012.

Correndo por fora, a procuradora Tereza Exner, que atuou como corregedora-geral do MP, se apresenta como independente. Dizendo-se amiga de Sarrubbo, afirma não atuar em nenhuma coligação. Exner começou a fazer campanha somente de forma virtual, enquanto seus concorrentes já começaram a percorrer o estado. “Não consigo me deslocar agora, mas mais para a frente eu pretendo sair de férias para poder viajar”, afirma.

Enquanto se preparam para as urnas, os cinco postulantes iniciaram as conversas para a segunda parte do processo, a escolha pelo governador. Para isso, secretários como Gilberto Kassab (Governo) e Guilherme Derrite (Segurança) são algumas das pontes mais procuradas no Palácio dos Bandeirantes, assim como deputados estaduais. Para ocupar o cargo mais importante do Ministério Público, o próximo procurador-geral precisará ser bom de voto e de bastidores.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA São Paulo de 2 de fevereiro de 2024, edição nº 2878

Compartilhe essa matéria via:

 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.