Imagem Blog

Notas Etílicas - Por Saulo Yassuda

Por Saulo Yassuda
O jornalista Saulo Yassuda cobre cultura e gastronomia. Faz críticas de bares na Vejinha há dez anos. Dá pitacos sobre vinhos, destilados e outros assuntos
Continua após publicidade

Vodca: como a bebida, que perdeu espaço nos bares de drinques, ganha força no mercado

Mesmo antes da guerra na Ucrânia, bebida de origem russa foi deixando de ser protagonista nas cartas de coquetéis

Por Saulo Yassuda Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
25 mar 2022, 06h00

Muito se falou em banir a vodca, em protesto aos ataques da Rússia contra a Ucrânia — é na terra de Vladimir Putin onde se encontram mais evidências de ter sido o berço da bebida, conta Stuart Walton no livro Vodka Classified (Vodca classificada). Um dos drinques mais populares feitos com ela, o moscow mule (com refrigerante de gengibre e limão), criado nos Estados Unidos, acabou sofrendo represálias pelo mundo — e também na cidade.

+ Cacá Ribeiro e André Almada lançam a primeira festa juntos

No restaurante Jacarandá, foi rebatizado de kiev mule. No Pensão Bar, virou um bem-humorado onu mule. “Baboseira”, opina o bartender Marcelo Serrano sobre as ações contra o drinque que ajudou a popularizar na capital a partir de 2009, quando deu de colocar espuma de gengibre por cima.

O fato é que, muito antes de se cogitar “cancelar” a vodca, ela já não tinha mais essa bola toda em bares de alta coquetelaria. Embora o moscow mule ainda faça um baita sucesso, o momento de glória do destilado nos mixing glasses dos bartenders foi embora há tempos.

Continua após a publicidade
Imagem mostra caneaca de metal com líquido espumado de cor branca.
Moscow mule: drinque de vodca, limão e gengibre, do bar Brasserie des Arts, no Jardim Paulista. (Henrique Peron/Divulgação)

Hoje, essa branquinha feita normalmente de grãos (mas não só) não predomina mais na carta de nenhum bar de coquetelaria listado pelo guia COMER & BEBER, como foi comum no passado. No Sylvester, em Pinheiros, protagoniza apenas quatro dos 32 drinques.

O sócio e bartender da casa, Rogério Souza, o Frajola, acompanhou as diferentes fases da relação do público com o líquido no mundo dos coquetéis. Trabalhou no Astor e no SubAstor entre 2001 e 2018, onde, no início, vendia muitos apple martinis (de vodca!).

Continua após a publicidade

Pouco a pouco, a clientela (re)descobriu o clássico gim-tônica, que teve um revival iniciado na Europa mais ou menos há uma década, e não largou mais. “Dez anos atrás, saía uma garrafa de gim para dez garrafas de vodca. Hoje é o contrário.” A bebida, que também chega de outros países como Polônia e Suécia, é um destilado e se mostra versátil, pois permite que outros ingredientes como frutas (alô, caipirosca!) ou refrigerantes (já tomou hi-fi?) roubem a cena.

+ Bar subterrâneo vai servir apenas coquetéis engarrafados

“Se a intenção não for realçá- la, é fácil disfarçar o álcool”, explica Adriana Pino, do Flora Bar, nos Jardins, onde só há quatro misturas de vodca, caso do pornstar martini (com maracujá, limão, baunilha e espumante), entre 32 receitas. Pela falta de personalidade forte, às vezes rola até uma discriminação do pessoal do meio.

Continua após a publicidade

“Principalmente de quem está começando”, diz Frajola. Profissionais consultados afirmam que, hoje, o público que prefere vodca são os clientes na faixa dos 50 anos, saudosos dos coquetéis dos anos 80/90, ou uma galera que está a começar a beber destilados. Apesar de o gim ser hoje o querido nas cartas, o espaço da concorrente é maior no mercado como um todo, o que vai além do mundinho dos bares de drinques.

“A vodca continua em uma posição favorável”, afirma Patricia Cardoso, diretora de marketing da Pernod Ricard Brasil, que controla marcas como a sueca Absolut e a polonesa Wyborowa. “Segue sendo muito consumida no país e, mais recentemente, impulsionada pela expansão de conhecimento da coquetelaria por parte dos consumidores.”

Imagem mostra duas garrafas, de vodca, uma de detalhes azuis e outra de detalhes dourados.
Versão nacional: dedicadas ao gim, marcas brasileiras têm produzido vodca, caso da Atlantis, lançada em novembro de 2021, e da YVY, que chegou ao mercado em outubro. (Crédito/Divulgação)

De acordo com a Euromonitor International, em 2020 circularam 43 milhões de litros de vodca no mercado brasileiro, número que pode subir para 58 milhões de litros em 2025 — ainda assim, um resultado menor que o de 2015 (64 milhões de litros). Os cálculos incluem tanto vendas no varejo como em restaurantes e bares.

De olho no potencial, marcas nacionais lançam rótulos. A paulistana Atlantis, antes 100% do gim, apresentou sua garrafa em novembro (preço sugerido de 79 reais). “A indústria colocou todo o dinheiro em cima do gim e esqueceu da vodca”, observa o sócio Bruno Siqueira. A mineira YVY Destilaria estreou, em outubro, uma variação feita com farinha da polpa do frutinho babaçu (89 reais). A APTK Spirits é outra empresa que promete lançar o produto, em abril, por 48 reais.

Longe de ser cancelada, a vodca não é mais aquela Coca-Cola toda na alta coquetelaria, mas tem força para recuperar parte do prestígio perdido.

Continua após a publicidade

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 30 de março de 2022, edição nº 2782

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.