Imagem Blog

Notas Etílicas - Por Saulo Yassuda

Por Saulo Yassuda Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
O jornalista Saulo Yassuda cobre cultura e gastronomia. Faz críticas de bares na Vejinha há dez anos. Dá pitacos sobre vinhos, destilados e outros assuntos
Continua após publicidade

São Paulo tem dois novos ‘buracos’

Estabelecimentos com o mesmo nome, mas propostas diferentes, abriram recentemente na capital

Por Saulo Yassuda Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 20 jan 2022, 15h15 - Publicado em 11 fev 2017, 17h35

Dois “buracos” foram abertos recentemente na cidade.

Não, não estou falando mal de nenhum estabelecimento. O nome deles é Buraco mesmo. Que culpa eu tenho?

O mais engraçado é que um não tem nada a ver com o outro — são lugares independentes. Só foram inaugurados na mesma época. E com o mesmo nome. Mas pertencem a donos diferentes, se localizam em bairros diferentes e têm propostas diferentes.

Saiba mais detalhes sobre cada um dos endereços recém-abertos abaixo. (Divido-os em “1” e “2” por questões didáticas.)

1. No centro, temos o bar Buraco. Curti a localização: fica em cima de uma loja de perucas na Vila Buarque (Rua Cesário Mota Júnior, 281), perto do café Beluga. É tocado por uma dupla de amigos, Dida Louvise e Pedro Marques. O projeto do espaço ficou a cargo do arquiteto Rodrigo Ohtake, e a carta de drinques, do experiente bartender Márcio Silva, do Guilhotina. Os coquetéis levam chá na fórmula, caso do fitzgrey (gim com infusão de earl grey, limão-siciliano e bitter de laranja; 25 reais). Para mastigar, tem oniguiri (7 reais), bolinho de arroz japonês recheado com umê, ameixa em conserva.

Continua após a publicidade

2. O outro Buraco é uma lanchonete especializada em, adivinhe só, buraco quente. Para quem não sabe, é assim que se chama aquele quitute em que o pãozinho é preenchido de carne por um orifício. A casa, que abre só à noite, foi fundada pelos sócios do bar Pitico e fica na mesma rua, a Guaicuí (número 26), que se tornou uma das mais fervidas de Pinheiros. Além da versão tradicional, há o sanduba com recheios diferentões para comer na companhia de cervejas artesanais.

View this post on Instagram

B U R A C O está aberto!

A post shared by thiegomontiel (@thiegomontiel) on

Conversei com os sócios dos dois estabelecimentos, que se conhecem e parecem se divertir com a coincidência. “Ninguém vai mudar de nome”, afirma Pedro Marques, do Buraco do centro. “Inclusive um dos sócios [da outra casa] veio aqui na quinta.”

No Buraco de Pinheiros, também tudo em paz. “A gente nem tem nome na fachada”, diz o sócio Thiego Montiel, que não tem medo de o público se confundir. “Algumas pessoas até nos chamam de Buraco Quente”

Continua após a publicidade

Ainda bem que tem espaço pra todo mundo. E aí, qual buraco vai querer conhecer primeiro?

Tem algum bar legal para indicar? Comente abaixo ou mande uma mensagem (saulo.yassuda@abril.com.br). Siga as novidades do blog no Instagram (@sauloy).

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.