Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
A Tal Felicidade Saúde, bem estar e alegria para os paulistanos

Terceirizar nossas angústias não é um bom negócio

É linda, potente e desafiadora a percepção de ir na direção oposta ao hábito de terceirizar a responsabilidade daquilo que dentro de nós nos aflige

Por Daniel Hey, em depoimento a Helena Galante Atualizado em 2 jun 2022, 17h50 - Publicado em 3 jun 2022, 06h00

É comum em muitos de nós o hábito de, assim que nos sentimos mal, angustiados, tristes ou frustrados, elegermos responsáveis por esse mal-estar. É quando dizemos que a culpa é da cidade, do governo, do vizinho, da sogra, do marido, da filha, da esposa, do cachorro, do time que não vence, do frio, do calor, do passado, do futuro, do mundo.

Esse é um hábito que aprendemos na escola, em casa, nos filmes, livros e conversas que nos cercam ao longo da vida, nas quais sempre escutamos alguém se queixando de alguém ou de algo.

+ Arte como caminho de cura e estímulo à saúde mental

Uma das belezas de uma prática genuína de autoconhecimento é que ela está mais apoiada na arte de fazer perguntas certas do que no hábito de disparar certezas. E então a gente tenta se propor certas perguntas a aspectos que percebemos em nós e na vida. Nem sempre para obter respostas. Mas para farejar caminhos mais sábios.

E eu, então, me pergunto sobre esse hábito de eleger culpados daquilo que nos aflige: quanto isso nos conduz a uma relação de paz com a vida? Quanto isso de fato melhora ou resolve situações internas ou externas? Quanto esse hábito não nos afunda em uma forma conflitante de nos relacionarmos com os outros, com nós mesmos e com a vida?

Na direção oposta ao hábito de terceirizar a responsabilidade daquilo que dentro de nós nos aflige está uma percepção linda, potente e desafiadora: a percepção de que temos total responsabilidade e poder de escolha em relação aos pensamentos e sentimentos que nutrimos. O mundo pode estar em guerra, mas eu posso escolher responder a ele com a resiliência de um coração em paz. E vice-versa. Posso estar dentro de uma casa, com comida, protegido, com o som de pássaros lá fora, e me dilacerar com meus próprios pensamentos. Isso não é nenhuma novidade.

+ Bem-estar na vida

Quantas vezes já não pudemos reparar, em nossas vidas ou na vida dos outros, que às vezes uma situação completamente pequena, como uma gaveta emperrada, é capaz de nos enraivecer desproporcionalmente quando não conseguimos abri-la? E o contrário também: quantas vezes já não nos vimos, ou vimos os outros, reagindo inesperadamente bem, com calma, resiliência e compaixão, diante de situações complexas e duras?

Um dos principais ensinamentos que pude colher em alguns anos em que me dediquei ao voluntariado, em contextos sociais dos mais diferentes e vulneráveis, foi ter encontrado seres que, mesmo em condições que não julgamos nada próprias à possibilidade de paz e de alegria, manifestavam seus seres com paz e alegria.

Eu, pessoalmente, acho uma grande maravilha humana sermos assim: não temos um agir predefinido. Pode até parecer que a escola já nos definiu, nossos pais, nossa cultura, nossos antepassados, nossa genética, nosso enredo. Mas em última instância, a canetada final é nossa. Quem nos define somos nós. Aqui e agora.

Continua após a publicidade

+ Vejo flores em você

E a liberdade de escolha desse agir é simplesmente vasta. Sem nenhum limite. O limite, ou a ausência de limite, somos nós quem nos impomos. E quem de nós, sinceramente, não gostaria de se colocar diante de si mesmo de uma maneira mais vasta? De uma maneira mais livre? De uma maneira em que a gente se sinta inspirado pelo simples fato de percebermos que estamos decidindo caminhar na direção de uma estrutura interna mais emancipada de gatilhos que agem contra nós e contra a vida?

Se ainda somos capazes de vislumbrar a possibilidade de infinito que há dentro de nós (pois a natureza da nossa mente é simplesmente infinita), é impossível passarmos impunes por esse vislumbre: sentimos, nem que seja uma gota, do gosto da liberdade. E esse gosto, quanto mais vivo em nós, parece que mais combustível nos fornece para mergulharmos em processos sinceros de busca e transformação.

E um dia, quem sabe, sejamos capazes de perceber que terceirizar a responsabilidade daquilo que nos incomoda dentro de nós não é um bom movimento. Pois ele não resolve as situações, nem dentro de nós nem fora. E quando não mais terceirizamos o nosso estado interno, a gente liberta o mundo e as pessoas da obrigação de serem do jeito que gostaríamos que eles fossem. Passamos a ser do jeito que a gente gostaria de ser. Certamente, mais alegres.

Forografia de perfil do Daniel Hey sorrindo em preto e branco
Formado na Índia como instrutor de ioga, Daniel Hey conduz retiros
de meditação. Ao lado de seu irmão Julio, coordena o projeto Irmãos Ahimsa, responsável pelo documentário Samadhi Road. Prepara agora a abertura do Instituto Karuna, uma associação sem fins lucrativos voltada a difundir práticas compassivas que promovam saúde mental. Arquivo Pessoal/Reprodução

A curadoria dos autores convidados para esta seção é feita por Helena Galante. Para sugerir um tema ou autor, escreva para hgalante@abril.com.br

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 8 de junho de 2022, edição nº 2792

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês