Imagem Blog

A Tal Felicidade

Saúde, bem estar e alegria para os paulistanos
Continua após publicidade

Nasci para sofrer ou para ser feliz?

Terapeuta especializado em psicologia perinatal fala sobre as influências do período da gravidez em nossa vida posterior

Por Adriano Calhau, em depoimento a Helena Galante
24 fev 2023, 06h00

Se você pudesse voltar no tempo para assistir ao filme do início da sua vida e descobrisse que nas circunstâncias do seu nascimento está a origem dos seus maiores desafios e também chaves que podem te ajudar a encontrar a felicidade, ficaria surpresa(o)?

Há aproximadamente vinte anos, cheguei ao ápice da crise comigo mesmo. O trabalho na minha empresa e meus relacionamentos íntimos e familiares chegaram a um ponto de ruptura. Não dava mais para viver daquele jeito! Já tinha feito de tudo que estava a meu alcance para melhorar, anos de terapias em diversas linhas, viagens à Índia, rituais xamânicos, retiros de jejum e silêncio, enfim. Buscava qualquer saída para me libertar daquela sensação de não pertencimento e inadequação, além da incômoda percepção de que algo ruim poderia acontecer.

E foi participando de um processo sobre nossas origens realizado na Índia que pude encontrar uma dor que ainda não havia identificado e que senti que tinha raízes nas circunstâncias do meu nascimento. Cheguei ao Brasil e, numa conversa reveladora com minha mãe, pude acessar e confirmar o ponto zero da minha dor e sofrimento. A história de encontros e desencontros, enganos e desenganos, que fez os primeiros meses de gravidez algo bem complicado, para dizer o mínimo. Cheguei até a soltar um comentário: “Ahhhaaa, então é por causa disso?”.

+Terapias corporais e poesia

Continua após a publicidade

Vocês não imaginam o alívio que senti ao saber daquele enredo de novela. Foi como se tivesse acendido a luz do porão, para que finalmente eu pudesse enfrentar os medos e defesas que sabotavam a minha vida. Fiquei fascinado com a liberdade que comecei a sentir e fui atrás da história toda junto a meu pai. Também procurei informação e cursos disponíveis sobre traumas precoces.

A importância do período perinatal sempre foi relevante em diversas culturas, mas a ciência só agora está descobrindo a sua real importância na formação da personalidade. E o motivo era a justificativa de que acontecimentos desse período não seriam lembrados, pois, como não foi concluído o processo de mielinização dos neurônios, não seria possível a comunicação e ativação da memória.

Hoje, porém, novos estudos, em especial da psicologia perinatal, estão comprovando o equívoco dessa percepção, com destaque para a epigenética. Para entender a epigenética, pense em você como uma semente, e o ambiente em que você nasceu, como a terra na qual sua semente foi plantada. O estudo desse ambiente é a base daepi (ao redor) genética (genes). Quais foram os nutrientes ou mesmo as carências daquele terreno?

Continua após a publicidade

Ou seja, o que minha mãe e meu pai estavam vivendo naquele momento desde a concepção até o nascimento? Meu nascimento foi planejado? Fui bem-vindo(a) na minha família? Pensaram em aborto? Tinham preferência por algum sexo? Meu parto foi traumático? Foi uma cesárea desnecessária? Prematuro, indução, fórceps?

+“Adormecer é deixar-se levar…”

Por incrível que pareça, as respostas a essas perguntas podem nos fornecer um raio-x de por que sou como sou, em que tendo a acreditar e por que ajo ou reajo de determinada forma.

Continua após a publicidade

Esse provocante estudo hoje tem milhares de artigos e pesquisas nas mais prestigiadas universidades e institutos no mundo. Recentemente, foi matéria de capa da revista Time com o título “Como os nove meses moldam o resto de nossas vidas”.

Os estudos mostram que aquilo a que fomos expostos no período do nascimento possui o poder de moldar o nosso corpo de memória, e fica gravado no inconsciente como uma fórmula de sucesso, que é nascer e sobreviver.

Se eu, por exemplo, vivi no útero da minha mãe uma sensação de forte rejeição, pois meus pais ficaram muito resistentes à ideia de ter um filho naquele momento, isso significa que a gestação da minha mãe teve muito estresse e preocupação sobre o futuro. Assim, bilhões de neuropeptídeos foram criados em mim decorrentes das percepções de rejeição, culpa e ansiedade.

Continua após a publicidade

Na vida adulta, a tendência é, inconscientemente, buscar mais dessa química emocional, com alto potencial de atrair estados e eventos parecidos com aqueles que lhe trouxeram a vida, afinal isso já é conhecido e tem a memória de ser “bem-sucedido”.

+Escuta ativa

Vocês podem imaginar quanto essa informação pode ser importante na cura de traumas, medos e doenças, e também para que os novos nascimentos possam chegar com mais amor e consciência?

Continua após a publicidade

A área do autoconhecimento na qual eu dedico os estudos do Mapa do Nascimento ajuda as pessoas a compreenderem que, tanto a causa como também a solução dos bloqueios e ciclos repetitivos, podem ser encontradas na raiz de onde tudo começou.

Ninguém nasceu para sofrer! E, quando a gente descobre o profundo aprendizado que está por trás do nosso nascimento, a felicidade aponta no horizonte.

Adriano Calhau
Adriano Calhau (@mapadonascimento) é terapeuta e especialista em psicologia perinatal, com uma jornada de mais de trinta anos de estudos de autoconhecimento e espiritualidade. Criador do método do Mapa do Nascimento® e membro da Associação Internacional de Psicologia Pré e Perinatal (APPPAH) (Divulgação/Divulgação)

+Assine a Vejinha a partir de 9,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 1° de março de 2023, edição nº 2830

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.