Imagem Blog

A Tal Felicidade Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Saúde, bem estar e alegria para os paulistanos
Continua após publicidade

Escuta ativa

Mediadora de conflitos do Tribunal de Justiça de São Paulo fala sobre como a escuta ativa pode resolver problemas

Por Rose Sima Schich, em depoimento a Helena Galante
10 fev 2023, 06h00

Quando penso no meu passado, uma lembrança em especial me vem à mente. Eu, sentada no corredor da casa velha — era assim que chamávamos a casa em que moramos até meus 8, 9 anos —, brincando com a Meire, minha amiguinha, invisível aos olhos de todos, menos aos meus. Trocávamos segredos, confidências e ouvíamos a nós mesmas. Eu ficava por horas em silêncio apenas desfrutando aqueles momentos em que podia me inebriar com sua fala. Hoje, creio que tive meu primeiro contato com a escuta ativa ainda muito nova, ali, junto com a Meire.

+ Homens pretos também precisam fazer terapia

O direito abriu as portas do meu entendimento jurídico e as leis trouxeram uma bagagem sobre o certo e o errado ao longo do meu percurso. Mas faltava algo mais. Um interesse pelos sentimentos daqueles que vinham ao meu encontro. Estudei mais. Me tornei mediadora. Me aperfeiçoei. E foi nesse momento que percebi a mágica do universo. Existem brechas, não aquelas que permeiam os códigos brasileiros, mas pequenas fendas, aberturas que nos mostram a essência real do ser humano.

Saber entender o que é dito exige resignação e resiliência. Transportar para o coração as palavras, os sons que entram por nossos ouvidos, cheios de história, é um procedimento delicado e intenso. É preciso doação. Abrir os canais do entendimento para sentir. E o coração, esse só fala a quem sabe escutar.

+ Acolher para libertar

Escuta ativa é uma habilidade que pode ser adquirida e desenvolvida com a prática e significa concentrar-se totalmente no que está sendo dito. Caro leitor, eu me encaminho naturalmente à mediação, pois dentro dela pude compreender a sutileza e a estratégia desenvolvida, mas não se iluda, o saber ouvir não habita apenas na mediação. Ele existe dentro da alma de cada um. É preciso “escutar” a comunicação não verbal. O ouvinte que não compreende um olhar não compreenderá uma longa explicação. Essa escuta só será eficaz e poderosa, porém, se for genuína.

Continua após a publicidade

Paro e penso na Meire: como nós nos ouvíamos? Eu me recordo de muita conversa, mas também muito silêncio e escuta. Sem críticas nem conselhos. É fundamental silenciar para poder ouvir. A sabedoria mora no silêncio.

Ao prestarmos atenção nos indivíduos, detectamos que grandes seres humanos sempre estão acompanhados de manifestações de humildade. E as condições básicas que fazem alguém ser humilde moram no saber ouvir e saber falar. Basta ser paciente e respeitoso. A humildade é uma consequência natural de outras virtudes. Ser humilde é abraçar a possibilidade de poder aprender e ensinar a quem quer que seja. Não se vangloriar nem se diminuir, respeitar a si e a todos. É preciso treinar a paciência, a humildade, o respeito. E quanto mais humilde, paciente e respeitoso alguém for, quanto mais ouvir ativamente, maior será sua grandeza. Quanto maior a pessoa, mais oportunidade terá de ser humilde.

Na singeleza e inocência que compartilhei com Meire, encontrei os caminhos para ouvir. Não é um processo transparente, cristalino, mas também não é árduo. Basta começar. Acreditar que é capaz. Convido você, leitor, após a leitura deste capítulo, a se mobilizar e trabalhar em seu interior aspectos relevantes que facilitem a sua comunicação e, consequentemente, a escuta ativa. Proponho a você que volte no texto e marque os tópicos que achar interessante. Mude sua postura. Permita que sua alma ouça.

O importante não é o que se dá, mas o amor com que se dá.

Rose Sima Schich é advogada e mediadora de conflitos. trabalha junto ao tribunal de Justiça do Estado de São Paulo e em mediações privadas. Quando finaliza um caso, analisa como foi possível auxiliar na resolução e levar paz e felicidade aos envolvidos emocionalmente. Acredita que ouvir e falar palavras de conforto e otimismo são ações ao alcance de todos que podem transformar um problema em algo solucionável. Um de seus ensinamentos favoritos é de Madre teresa de Calcutá: “Não podemos, ou devemos, permitir que alguém saia da nossa presença sem se sentir melhor e mais feliz”.
Rose Sima Schich é advogada e mediadora de conflitos. trabalha junto ao tribunal de Justiça do Estado de São Paulo e em mediações privadas. Quando finaliza um caso, analisa como foi possível auxiliar na resolução e levar paz e felicidade aos envolvidos emocionalmente. Acredita que ouvir e falar palavras de conforto e otimismo são ações ao alcance de todos que podem transformar um problema em algo solucionável. Um de seus ensinamentos favoritos é de Madre teresa de Calcutá: “Não podemos, ou devemos, permitir que alguém saia da nossa presença sem se sentir melhor e mais feliz”. (Divulgação/Divulgação)

A curadoria dos autores convidados para esta seção é feita por Helena Galante. Para sugerir um tema ou autor, escreva para hgalante@abril.com.br

Publicado em VEJA São Paulo de 15 de fevereiro de 2023, edição nº 2828

+Assine a Vejinha a partir de 9,90. 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.