Imagem Blog

Arte ao Redor

Uma curadoria de exposições, cursos e novidades dos museus, galerias e institutos culturais de São Paulo
Continua após publicidade

Masp abre três exposições de artistas indígenas nacionais e estrangeiros

'Histórias indígenas', 'Melissa Cody: Céus Tramados' e 'Sala de Vídeo: Glicéria Tupinambá e Alexandre Mortagua' abrem nesta sexta-feira (20)

Por Tomás Novaes
Atualizado em 23 out 2023, 19h02 - Publicado em 20 out 2023, 06h00

Três mostras que retratam a arte de povos originários são inauguradas nesta sexta (20) no Masp.

Histórias Indígenas, que leva o mesmo nome de toda a série de exposições que o museu lançou em 2023, é a principal do ano. Cerca de 285 obras de 170 artistas indígenas ou de ascendência indígena estão expostas no 1º andar e 2º subsolo da instituição, apresentando culturas originárias de, além do Brasil, países das Américas, Oceania e Escandinávia.

O acervo reúne peças em diferentes suportes e épocas — desde antes da colonização europeia até o presente —, incluindo a tela Nepu Arquepu (2019), de Duhigó.

A curadoria internacional é de Abraham Cruzvillegas (México), Alexandra Kahsenni:io Nahwegahbow, Jocelyn Piirainen, Michelle LaVallee e Wahsontiio Cross (Canadá), Bruce Johnson-McLean (Austrália), Irene Snarby (Noruega), Nigel Borell (Nova Zelândia) e Sandra Gamarra (Peru), mais curadoria adjunta de Edson Kayapó, Kássia Borges Karajá e Renata Tupinambá.

Continua após a publicidade

No 1º subsolo, está em cartaz Melissa Cody: Céus Tramados, com 26 obras têxteis da artista do povo indígena norte-americano diné/navajo. Cada tapeçaria, como Into the Depths, She Rappel (2023), é concebida diretamente no tear, sem nenhum desenho prévio.

melissa-cody-masp
‘Into the Depths, She Rappel’ (2023), de Melissa Cody: tapeçaria navajo. (Cortesia da artista/Garth Greenan Gallery, Nova York/Divulgação)

A curadoria é de isabella Rjeille e Ruba Katrib, diretora do centro de arte contemporânea MoMA PS1, em Nova York, onde a mostra será exibida em 2024.

A última estreia é Sala de Vídeo: Glicéria Tupinambá e Alexandre Mortagua, com o longa-metragem Quando o Manto Fala e o que o Manto diz (2023), em cartaz até 3 de dezembro.

Continua após a publicidade

Masp — Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand. Avenida Paulista, 1578, ☎ 3149-5959. Ter., 10h/20h. Qua. a dom., 10h/18h. R$ 60,00 (grátis às terças). Até 25/2/2024 (Histórias Indígenas) e 21/1/2024 (Melissa Cody: Céus tramados). masp.org.br.

Publicado em VEJA São Paulo de 20 de outubro de 2023, edição nº 2864

Compartilhe essa matéria via:

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.