Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Blog do Lorençato Por Arnaldo Lorençato O editor sênior Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há 29 anos. De 1992 para cá, fez mais de 15 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie

Mocotó em versão 2.0

O Mocotó, localizado num dos extremos da Zona Norte de São Paulo, passará por uma tremenda mudança. Não no cardápio, mas no visual. O chef Rodrigo Oliveira associou-se a três investidores e promoverá uma reformulação geral do salão e da cozinha. “Devemos começar em dezembro, no máximo em janeiro”, adianta o chef, que não se […]

Por Arnaldo Lorençato Atualizado em 27 fev 2017, 12h51 - Publicado em 18 nov 2011, 20h30

Salão do Mocotó, na Vila Medeiros: a simplicidade do lugar desaparece para ganhar um visual mais aprumado (Foto: Ligia Skowronski)

O Mocotó, localizado num dos extremos da Zona Norte de São Paulo, passará por uma tremenda mudança. Não no cardápio, mas no visual. O chef Rodrigo Oliveira associou-se a três investidores e promoverá uma reformulação geral do salão e da cozinha.

“Devemos começar em dezembro, no máximo em janeiro”, adianta o chef, que não se incomoda de trabalhar em meio a obras.

“Tínhamos problemas estruturais, resultado de reformas feitas sem planejamento”, diz. Desta vez, ele conta com projeto bacana, feito pela Lab. Haverá uma cozinha maior e um salão mais confortável, com novos banheiros e acessibilidade em todos os espaços.

O Mocotó 2.0: projeto da Lab Arquitetos, responsável pelas lojas da rede de pizzaria Piola e pelo italiano Tre Bicchieri

“Só os preços não vão mudar”, garante Rodrigo.

As novidades não param na reforma. Rodrigo, que já tinha criado o espaço de culinária Engenho Mocotó na parte superior do restaurante, finaliza a compra do ponto da padaria Rainha de Vila Medeiros, no imóvel vizinho, que fica na esquina.

Continua após a publicidade

Em 2012, o local será ocupado pelo Mocotó Café. “Não é uma réplica do Mocotó”, explica. Terá cardápio e estilo de funcionamento diferentes. Começa com o café da manhã nordestino, um banquete composto de cuscuz de milho no vapor, tapiocas, raízes cozidas (mandioca e inhame, por exemplo), ovos (mexidos e moles), queijo de manteiga (o requeijão do Norte) e queijo de coalho, além de bolos como o de rolo e o souza leão (a massa base de mandioca fermentada vem do Nordeste). Como Rodrigo batizou essa mudança geral, surgirá o Mocotó 2.0.

Da Casa do Norte ao Mocotó cult

Rodrigo: mocofava com torresmo na congresso espanhol Gastronomika 2011 (Foto: Ligia Skowronski)

O Mocotó passou por uma revolução desde que Rodrigo Oliveira começou a pilotar, em 2004,  os fogões do restaurante aberto por seu pai, José Oliveira de Almeida, dezenove anos antes, como um empório de produtos nordestinos, a Casa do Norte.

No ambiente com a simplicidade de um botequim, torresmos graúdos, como não há outros na cidade, e a mocofava, um cozido de fava com mocotó, assumiram um status gourmet que comida nordestina nunca teve. A qualidade tem atraído gente de todos os cantos da cidade para a Vila Medeiros, que nunca antes nesta cidade tinha integrado o circuito gourmet. O restaurante virou cult.

São méritos do cozinheiro que trouxe para o negócio técnicas culinárias aprendidas na faculdade de gastronomia. Também contaram a simpatia de Rodrigo, bem como seu azeitado marketing pessoal.

Rodrigo embarcou hoje para a Espanha. No País Basco, ele participa do fórum culinário Gastronomika 2011, de San Sebastián. Falará justamente sobre torresmos e mocofava na segunda (21) para a seleta plateia, em especial de jornalistas de gastronomia do mundo todo. É o caçula do Brasil na turma que reúne Alex Atala, Roberta Sudbrack, Helena Rizzo e seu marido, o espanhol Daniel Redondo, e o francês Claude Troisgros.

“Estou com frio na barriga. Me apresentarei ao lado de caras como o Andoni e Heston. É muita responsabilidade”, ele disse nas conversas que tivemos nesta semana. Leia-se aí Andoni Luis Aduriz, do espanhol Mugaritz, e Heston Blumenthal, do londrino Fat Duck, ambos a frente de restaurantes estrelados e eleitos entre os melhores do mundo pela revista britânica “Restaurant”.

Quarenta quilos de ingredientes sertanejos vão na bagagem de Rodrigo. Os projetos de reforma do restaurante, o chef põe em andamento na volta.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Edições da VejaSP liberadas no App Veja de maneira imediata

a partir de R$ 12,90/mês