Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Blog do Lorençato Por Arnaldo Lorençato O editor sênior Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há 29 anos. De 1992 para cá, fez mais de 15 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie

Do fundo da panela: no Brasserie Victória

  Entre muitas pessoas que fizeram história nos restaurantes da cidade está a libanesa Victória Feres (1894-1991). Como ela gostava de contar, tinha nascido para ser princesa e não cozinheira. Nunca a encontrei pessoalmente, mas suas falas preciosas estão registradas em artigos publicados na imprensa e no ótimo livro “Memórias da Imigração: Libaneses e Sírios em […]

Por Arnaldo Lorençato Atualizado em 27 fev 2017, 13h19 - Publicado em 30 mar 2011, 22h19

Dona Victória na cozinha (Foto: Carlos Fenerich)

 

Entre muitas pessoas que fizeram história nos restaurantes da cidade está a libanesa Victória Feres (1894-1991). Como ela gostava de contar, tinha nascido para ser princesa e não cozinheira. Nunca a encontrei pessoalmente, mas suas falas preciosas estão registradas em artigos publicados na imprensa e no ótimo livro “Memórias da Imigração: Libaneses e Sírios em São Paulo”, do trio Betty Loeb Greiber, Lina Saigh Maluf e Vera Cattini Mattar (São Paulo, Discurso Editorial, 1998). Nas palavras da própria dona Victória, um revés financeiro e um marido pouco afeito ao trabalho a levaram à cozinha. Seu restaurante, o Brasserie Victória, surgiu em 1947, na Rua 25 de Março. No fim de 1982, ganhou a atual sede no Itaim.  Sorte nossa. Incansável, dona Victória passou a maior de sua vida preparando delícias de sua terra natal, hoje reproduzidas por seus descendentes. A melhor pedida continua sendo o quibe, tanto o cru quanto o frito, este no formato de uma bola de casquinha fina. 

Quibe no formato de bola do Brasserie Victória (Foto: Arnaldo Lorençato)

Como ando nostálgico, aproveito para contar como conheci a culinária árabe. Na cidade onde nasci, havia um boteco, o Bar do Titio, do libanês Ratib. Era dona Nena, mulher dele, quem tomava conta da cozinha. Ela fazia esfihas maravilhosas, de massa fina, macia e bem elástica. Mas o que me encantava mesmo era a coalhada seca no formato de bolota e mergulhada no azeite. Ah, essa memória do paladar. Quanta saudade!

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Edições da VejaSP liberadas no App Veja de maneira imediata

a partir de R$ 12,90/mês