Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Campinas começa toque de recolher a partir das 19h por Covid-19

Medida deve durar até o fim do mês; sistema público de saúde praticamente não tem mais vagas de UTI para a doença

Por Redação VEJA São Paulo 21 jun 2021, 11h55

O toque de recolher estabelecido pela prefeitura de Campinas começa a funcionar nesta segunda-feira (21). Atividades econômicas, entre serviços e comércios, devem funcionar a partir das 5h e encerrar os trabalhos às 19h. Anunciado no último sábado (19), o decreto deve ser mantido até o final do mês, no dia 30 de junho. 

Durante o dia, o atendimento é limitado a 40% da capacidade dos estabelecimentos, como era previsto anteriormente. Estão entre os afetados comércios de rua, shoppings, galerias, mercados, supermercados, padarias, templos religiosos, restaurantes, clínicas de estética, salões de beleza, barbearias, clubes, academias, eventos culturais, museus, cinemas, hotéis e áreas comuns de condomínios. Bares são proibidos. 

+ Covid: Araraquara e outras cidades do interior voltam a decretar lockdown

Outra proibição, nos mesmos horários, foi a de consumo de bebidas alcoólicas em vias, espaços públicos e nos postos de combustíveis. A multa para quem for flagrado cometendo a infração é de 1.515,44 reais. Para os postos, a multa é de 3.030,88 reais e, em caso de reincidência, o valor é dobrado e o estabelecimento será lacrado por 30 dias. 

Desde a última sexta-feira (18), a cidade enfrenta altas ocupações nos hospitais devido à Covid-19. A ocupação de leitos de UTI Covid no SUS municipal era de 98,15%, e as vagas remanescentes são exclusivas para grávidas. Na prática, não há mais leitos públicos disponíveis, sobrando apenas alternativas na rede particular. 

No último boletim epidemiológico, divulgado pela gestão municipal na última sexta-feira (18), 700 novos casos foram registrados, além de 18 óbitos pelo vírus. Ao todo, Campinas chegou a 109 251 casos de Covid-19 e 3 554 mortes desde o início da pandemia. Na fila para as vagas na UTI há 32 pessoas. 

A prefeitura também deve intensificar as fiscalizações de festas clandestinas. 2 261 pessoas foram dispersadas no último final de semana em aglomerações, festas e bares. No sábado (19), uma festa com cerca de 150 pessoas foi encerrada e o responsável recebeu uma multa de aproximadamente 18 mil reais. 

+Assine a Vejinha a partir de 8,90.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade