Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Tomás Covas diz que sonha com o pai: “Só não é bom quando o sonho é no hospital”

Filho de Bruno Covas relata choros, saudades e decisão de quando poderá iniciar a carreira política

Por Sérgio Quintella Atualizado em 16 Maio 2022, 14h40 - Publicado em 13 Maio 2022, 06h00

Acostumado a acompanhar o pai desde os tempos do bebê conforto no carro, Tomás Covas, 16, tinha apenas 1 ano de idade quando Bruno Covas foi eleito deputado estadual pela primeira vez, em 2006. Nas campanhas seguintes, lá ia ele atrás de Bruno nas infindáveis viagens pelo interior. Entre pedidos de votos, cafés com pão com manteiga na padaria e reuniões na igreja matriz de cada município paulista, o menino trocava as brincadeiras pelos comícios, chão de estrada e estadas em hotéis de beira de rodovias.

+Minha única opção é lutar pela vida, diz Bruno Covas

Miniaturas de Bruno e Mário Covas em cima de uma estante, com um ursinho branco de pelúcia atrás
Miniaturas de Bruno e Mário Covas Leo Martins/Veja SP

“Na campanha de 2014 (Bruno foi eleito deputado federal com 352 000 votos), eu percorri com ele mais de 500 cidades”, lembra Tomás, que frequentou também os corredores e gabinetes em Brasília. Atualmente morando nos Estados Unidos para estudar um semestre do segundo ano do ensino médio em uma escola de Long Island, no estado de Nova York, Tomás já tem planos para quando retornar de vez para São Paulo, em julho. “Vou percorrer o estado pela juventude tucana.”

Caixa com gravatas de várias cores e estampas listradas
Gravatas que guarda do pai: “Choro à noite” Leo Martins/Veja SP

+Há 6 meses no cargo, Nunes aposta em grandes obras para ficar conhecido

caixa com relógios
Relógios de Bruno Covas Leo Martins/Veja SP
Capinha de celular azul com foto de Tomás Covas abraçando Bruno Covas, seu pai
Capinha de celular de Tomás Covas: lembranças com o pai Leo Martins/Veja SP

A ideia de rodar São Paulo não é uma simples coincidência com o passado das campanhas do pai. Um ano depois da morte do então prefeito, aos 41 anos, ocorrida em 16 de maio após longo tratamento contra um câncer no trato digestivo, Tomás Covas carrega tudo o que pode do pai. Do jeito de falar às ideias, passando pelos relógios, o tênis, as gravatas, as pulseiras, o número do celular e a foto dos dois no perfil do WhatsApp (ao saltar de paraquedas, em 2020), o adolescente vai seguir mais um caminho hereditário: a política. “Para 2024 está inviável. Penso em me candidatar a partir de 2026, 2028, mas quero ter uma boa preparação antes, pretendo estudar direito. Não quero ser apenas o filho do Bruno Covas. Não me sinto obrigado nem pressionado. Meu pai nunca conversou sobre isso comigo. Nunca foi assunto. Mas eu gosto de política”, diz o adolescente, que passou duas semanas no Brasil devido às férias escolares nos Estados Unidos e recebeu a reportagem de Vejinha no dia 20 de abril na casa em que voltou a viver com a mãe, Karen Ishiba, após o falecimento do pai.

Ao contrário de muitos adolescentes de sua idade, que trocariam várias atividades públicas por um bom momento de ócio e videogame, Tomás cumpriu por aqui quinze dias de agendas. De visitas ao novo governador, Rodrigo Garcia (PSDB), e ao prefeito Ricardo Nunes (MDB), se encontrou com antigos amigos e aliados de seu pai, como Gustavo Pires, hoje na presidência da SPTuris, e Alex Peixe, presidente da Cohab. Durante as férias, Tomás também foi ao jogo do Santos (“Vaiei o Bolsonaro na partida contra o Coritiba”) e esteve no Rio de Janeiro, para uma solenidade com o prefeito Eduardo Paes, que deu o nome de Bruno Covas a uma via da cidade.

tomás covas e seu cachorro
Tomás e o cachorro, Volpi, em sua casa, na capital paulista Leo Martins/Veja SP

+Filho de Bruno Covas, Tomás, de 15 anos, foi companheiro inseparável

Tomás sentado em sua cama. Ao fundo, há um quadro com reportagem da Veja SP sobre Bruno Covas
Tomás em seu quarto: quadro com reportagem da Vejinha sobre o pai na parede Leo Martins/Veja SP
Capa da veja São Paulo mostra Bruno Covas no topo de um prédio
Capa da Veja São Paulo de 22 de março de 2018 Veja SP/Reprodução
Continua após a publicidade

A breve passagem pela capital teve uma grande sensação de déjà-vu. Quando o pai estava na prefeitura, sua rotina era basicamente sair da escola e ir para o Edifício Matarazzo esperar o prefeito encerrar o expediente para seguirem juntos à Barra Funda, onde o jovem vivia com o pai desde o início da pandemia. “Eu me sentia em casa lá (na prefeitura). A gente levava o meu cachorro, o Volpi (um brincalhão staffordshire bull terrier de dez anos), que andava pelo prédio todo. Sinto muita saudade desse tempo. Ele faz muita falta no meu dia a dia”, diz o menino que pretende fazer uma tatuagem com a foto de Bruno.

Bruno Covas na Assembleia, com seu filho Tomás Covas, quando pequeno, no colo
Arquivo Pessoal/Divulgação

O sentimento de vazio é às vezes preenchido, mesmo que momentaneamente. “Os sonhos só não são bons quando estamos no hospital. Nesses dias eu acordo e não me sinto reconfortado, não, ao contrário das outras vezes.” Os longos períodos de internação do pai foram sempre acompanhados pelo menino, que, embora apareça em público sempre sorridente, diz o momento em que é pego pelo choro. “À noite.”

tomás covas e o pai
Arquivo Pessoal/Divulgação

Como futuro candidato e um político desde o berço, Tomás Covas tem posições claras e algumas dúvidas. “Você acha que o Rodrigo Garcia vence a eleição?”, pergunta à reportagem da Vejinha. “Vou ajudá-lo na campanha. Já o conhecia de quando eu fiz estágio no Palácio dos Bandeirantes (foram cinco meses no ano passado). Uma vez, quando ele ainda era vice-governador, eu pedi para acompanhá-lo em uma agenda pública, mas ele não deixou, pois era no período da minha aula na escola. Parecia meu pai falando”, ri o jovem, que não nutre por um antigo aliado de seu bisavô, Mário Covas, os mesmos valores. “O (Geraldo) Alckmin colocou os valores políticos acima dos valores pessoais”, diz, ao se referir à filiação do ex-governador ao PSB e à aproximação com o ex-presidente Lula.

Bruno Covas, de terno, ao lado do seu filho, Tomás. Eles seguram placas verdes onde está escrito
Arquivo Pessoal/Divulgação

+Quem é Ricardo Nunes, que assume a prefeitura de São Paulo

Tomás Covas se inclina até o colo do pai, que beija suas costas
Arquivo Pessoal/Divulgação

SEMPRE A SEU LADO 

Pai e filho na Assembleia (1), em evento do governo do estado (2), na votação do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (3) e nos últimos meses de vida do pai (4)

Enquanto espera para retornar definitivamente para São Paulo — e também para votar pela primeira vez —, o jovem aproveita a passagem pelos EUA para reforçar o inglês e fazer novas amizades. Ele mora em uma casa de dois andares com outros sete alunos, todos sob a supervisão de um adulto. Nos fins de semana, a turma costuma alugar um ou mais carros e seguir para Nova York, onde passeia pela cidade. A rotina em solo americano só é quebrada quando tem jogo do Santos. “Um dia eu gritei demais depois de uma vitória sobre o Corinthians e tive de ficar de castigo. Foi uma hora a mais por dia na escola”, diverte-se o garoto, que não tem namorada, nem lá, nem cá. Aliás, quando perguntado sobre o assunto, deu a mesma resposta que seu pai dizia: “Sou casado com a cidade de São Paulo”.

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 18 de maio de 2022, edição nº 2789

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Edições da VejaSP liberadas no App Veja de maneira imediata

a partir de R$ 12,90/mês