Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

“Não vejo possibilidade de assumir a prefeitura nos próximos quatro anos”, diz vice de Covas

Ricardo Nunes (PSDB) é investigado pelo Ministério Público por um suposto favorecimento a uma ONG da qual fez parte

Por Sérgio Quintella Atualizado em 27 nov 2020, 16h28 - Publicado em 2 out 2020, 00h40

Vereador em segundo mandato, o empresário Ricardo Luis Reis Nunes, 52, vice de Bruno Covas, é o único candidato a vice-prefeito sem curso superior. “Fiz Direito na FMU, mas como na época tive dificuldades para pagar, não consegui concluir”, justifica. Na Câmara ganhou notoriedade (e inimigos) ao presidir a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Sonegação Tributária, responsável por multas bilionárias a grandes bancos. Nas últimas semanas, precisou se explicar sobre denúncias de favorecimento a ONG  da Zona Sul.

A escolha do seu nome, além da composição com o MDB, passa pelo seu perfil conservador. Em 2015, o senhor subiu em caminhão para defender a família e dizer não à ideologia de gênero.

Me rotularam com essa questão. Sou católico praticante e uma pessoa de centro. Dialogo com todos. Sobre 2015, minha opinião é a mesma: tem que focar na educação, na preparação para o mercado. Na época, o Plano Municipal de Educação foi aprovado inclusive pela bancada do PT.

O senhor é investigado pelo Ministério Público por um suposto favorecimento a uma ONG da qual fez parte. O que ocorreu?

A denúncia anônima, feita na época da CPI da Sonegação, diz que eu aprovei duas leis de isenção fiscal para beneficiar a Sobei, uma entidade da qual eu participo há vinte anos. As leis realmente foram criadas, mas a ONG, por ter imunidade tributária, não precisava ser contemplada pela legislação.

Acumulou muitos inimigos durante a CPI?

Porra, demais! Mas são inimigos da cidade, não meus. Teve banco que me representou, fez boletim de ocorrência. Mas não tenho medo.

Ricardo Nunes
Alexandre Battibugli/Veja SP

Qual sua avaliação sobre a flexibilização da Lei Cidade Limpa, em trâmite na Câmara?

A lei foi boa para a cidade. Se fizer uma flexibilização pontual, sou a favor, mas desde que não atrapalhe a cidade. Sou a favor de um Projeto de Lei, em tramitação, que permite publicidade em ônibus, com recurso destinado ao transporte. Não tem estudo de resultado financeiro, mas a estimativa é de uma arrecadação de 1 bilhão de reais por ano.

Embora a saúde do prefeito Bruno Covas esteja boa, o senhor estaria pronto para assumir o comando da cidade, em caso de vitória, claro, e em um eventual afastamento dele?

Isso é algo que está descartado. O Bruno está super bem. Tivemos uma ampla agenda no último fim de semana. A saúde dele é fantástica. Não vejo possibilidade de assumir a prefeitura nos próximos quatro anos.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90.

Por que a Câmara não colocou para andar nenhuma operação urbana nos últimos anos, como a da Vila Leopoldina?

Continua após a publicidade

Tem algumas que travam. A da Água Branca, por exemplo, parou porque o Ministério Público quer primeiro as HIS (habitação de interesse social). Tem muita situação que para nos órgãos fiscalizadores. Na Vila Leopoldina, há dois movimentos fortes. Um quer e outro não quer (prédios populares em áreas nobres). Há debate também pelo custo da outorga. Um setor diz que o valor é muito baixo. E tem também a questão da contaminação de um terreno. O debate não está maduro. Uma vez votado, não tem como voltar atrás. O debate é importante para ter amadurecimento.

A Justiça Eleitoral rejeitou suas contas da campanha para deputado federal em 2018. O que houve?

Não, foram aprovadas.

Foram rejeitadas por causa de gastos de 4.500 reais não justificados e o senhor teve que fazer o pagamento judicial.

Meu advogado cuida disso e me comunicou o apontamento. Isso ocorre em 98% das campanhas. Não me recordo especificamente desse caso. É natural numa campanha, você está sujeito a cometer alguma falha. Se identificaram isso, tem que parabenizá-los e precisamos corrigir. Não é nada relevante.

LEIA TAMBÉM:

Carlos Zarattini: “Creio que vamos ultrapassar o Boulos”

Marcos da Costa: “Hoje Russomanno certamente está mais maduro”

Luiza Erundina: “Quanto à periferia, Haddad não foi atencioso”

Marta Costa: “O desemprego é o que mais está incomodando nosso povo”

Antonio Fernandes: “Não queremos promessas milagrosas”

Ivan Leão: “Fui vítima de extorsão milhares de vezes”

Adelaide de Oliveira: “É viável reduzir o número de secretarias”

Publicado em VEJA São Paulo de 7 de outubro de 2020, edição nº 2707.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade