Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Evangélica, Marta Costa defendeu abertura de igrejas na quarentena

A vice de Andrea Matarazzo não tem pretensão de assumir alguma secretaria em uma futura gestão, mas quer ajudar na área social

Por Sérgio Quintella Atualizado em 2 nov 2020, 17h08 - Publicado em 2 out 2020, 00h40

Depois de três mandatos como vereadora, a deputada estadual de segunda legislatura Marta Maria Freire da Costa, 63, foi anunciada na segunda posição da chapa de Andrea Matarazzo. Evangélica e ligada à Igreja Assembleia de Deus, ela recentemente criou um Projeto de Lei para liberar os templos religiosos das regras rígidas da quarentena. A medida não foi a votação. Sem pretensão de assumir alguma secretaria em uma futura gestão na cidade, Marta quer ajudar na área social.

A senhora foi autora de um projeto recente para considerar os templos religiosos atividades essenciais. Não temia a contaminação dos fiéis?

As pessoas, de qualquer religião, vão aos templos como um ato de fé. Num momento difícil como a pandemia, quando elas precisavam de fé, nossos templos estavam fechados.

O motivo alegado pelas autoridades é o risco das aglomerações.

Concordo que não deveria haver reuniões grandes, o que não estamos fazendo até hoje, Mas a igreja está aberta para auxiliar. Fazemos muitas distribuições de cestas básicas, temos um assistencialismo muito grande. Tivemos muita dificuldade.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90.

Outro projeto apresentado foi sobre a publicidade infantil. Sobre propaganda, qual sua avaliação da possível flexibilização da Lei Cidade Limpa na capital?

Sou contra. Eu era vereadora quando votamos a lei, que foi muito boa para a nossa cidade. Foi uma maravilha começar a viver sem as propagandas pesando nas nossas vidas. Foi um projeto amplamente discutido e reconhecido mundialmente. É uma judiação isso voltar.

Alexandre Battibugli/Veja SP

Qual será sua atuação na cidade, em caso de vitória da chapa do PSD?

Não falamos em exercer nenhum cargo, mas por eu ser evangélica, trabalho na ação social. Tenho meu foco na pessoa, no ser humano. Não poderia atuar em nada, mas atuar em tudo, entendeu?

Não.

Continua após a publicidade

Posso atuar fiscalizando, ver se tudo está correndo como o planejado.

Quais os principais problemas da cidade atualmente?

O desemprego é o que mais está incomodando nosso povo. O que a gente mais tem que correr atrás é nisso.

LEIA TAMBÉM:

Carlos Zarattini: “Creio que vamos ultrapassar o Boulos”

Marcos da Costa: “Hoje Russomanno certamente está mais maduro”

Luiza Erundina: “Quanto à periferia, Haddad não foi atencioso”

Ricardo Nunes: “Sou católico e uma pessoa de centro”

Antonio Fernandes: “Não queremos promessas milagrosas”

Ivan Leão: “Fui vítima de extorsão milhares de vezes”

Adelaide de Oliveira: “É viável reduzir o número de secretarias”

Publicado em VEJA São Paulo de 07 de outubro de 2020, edição nº 2707

  • Continua após a publicidade
    Publicidade