Continua após publicidade

Policial é preso suspeito de atirar e matar homem em igreja de Pinheiros

Crime ocorreu na madrugada desta segunda (28) durante sessão dos Narcóticos Anônimos; policial e homem eram frequentadores do grupo

Por Redação VEJA São Paulo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 28 fev 2022, 12h38 - Publicado em 28 fev 2022, 09h41

Um policial civil foi preso em flagrante pela Guarda Civil Metropolitana (GCM) por suspeita de atirar e matar um homem dentro de uma igreja na Zona Oeste de São Paulo. O crime aconteceu na madrugada desta segunda-feira (28) durante sessão dos Narcóticos Anônimos na Igreja do Calvário, na Rua Cardeal Arcoverde, em Pinheiros.

O agente da Polícia Civil e a vítima eram frequentadores do grupo, segundo testemunhas informaram ao G1. O Narcóticos Anônimos aluga o espaço para realizar encontros.

O corpo do homem foi retirado do jardim da igreja pelas autoridades quase 6 horas depois do crime. Ele havia sido atingido por vários disparos feitos pelo policial dentro de uma sala da paróquia. Depois, a vítima tentou correr e caiu em frente à igreja.

Até esta manhã a Guarda Civil Metropolitana estava na igreja para fazer a segurança. A perícia da Polícia Técnico-Científica chegou logo depois ao local para analisar como a vítima foi morta e buscar eventuais câmeras de segurança que possam ter gravado o crime.

Segundo um dos membros do grupo falou à TV Globo, o policial civil participava das reuniões há aproximadamente 10 anos. O homem morto tinha começado a frequentar os encontros há pelos menos 45 dias. Os nomes e idades do agente e da vítima ainda não tinham sido divulgados pelas autoridades. Também não foi informada a eventual profissão do homem morto. Ele teria entre 25 e 30 anos de idade, segundo testemunhas.

Continua após a publicidade

Ainda de acordo com uma testemunha que viu o crime, a vítima estava participando de uma sessão dos Narcóticos Anônimos, por volta das 3h, quando o policial entrou na igreja e atirou nela sem qualquer motivo aparente. O encontro ocorria de madrugada porque fazia parte de uma espécie de maratona para que os frequentadores com abstinência de drogas não recorressem a elas nesse período de carnaval.

Após atirar, o agente tentou fugir indo em direção a um carro preto estacionado próximo à Praça Benedito Calixto. Ele jogou a arma que usou para atirar na praça, mas foi detido pela GCM e por um segurança de um bar que fica perto do local.

Em seguida, o policial foi levado para a Corregedoria da Polícia Civil e seria interrogado. De acordo com a GCM, o agente estava afastado temporariamente das funções como policial justamente por seu envolvimento com drogas.

Segundo um outro frequentador dos Narcóticos Anônimos, o policial foi a Igreja antes do crime, por volta das 22h de domingo (27) para participar das reuniões. Mas como ele estava sob efeitos de remédios, foi orientado pelos organizadores a voltar para casa. Depois, o agente retornou ao local já na madrugada desta segunda. Ele estava armado e fez diversos disparos contra o homem.

Continua após a publicidade

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.