Continua após publicidade

Funcionários da Fundação Casa começam greve nesta quarta

Servidores pedem reajuste salarial e não entraram em acordo com o governo estadual

Por Hyndara Freitas
Atualizado em 3 Maio 2023, 10h59 - Publicado em 3 Maio 2023, 10h55

Funcionários da Fundação Casa deflagraram greve nesta quarta-feira (3), após não entrarem em acordo com o governo estadual em relação ao reajuste salarial e de benefícios.

O Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT2) determinou, porém, que 80% do efetivo de servidores de cada área de atuação (agentes de apoio socioeducativo, agente operacional, agente educacional, assistente social, psicólogo, enfermeiro, auxiliar de enfermagem, pedagogo e profissional de Educação Física) permaneçam em seus postos de trabalho, sob pena de multa de 200 000 reais por dia para o sindicato em caso de descumprimento.

+ Parque Butantan reinaugura prédio centenário após três anos de restauros

A greve foi aprovada em assembleia realizada pelo Sindicato da Socioeducação de São Paulo (Sitsesp) na última terça-feira (2), na qual 84% dos servidores rejeitaram a proposta apresentada pelo governo, de reajustar 6% dos salários e benefícios como vale refeição e alimentação.

Os trabalhadores participam nesta manhã de uma audiência pública na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), onde apresentam suas reivindicações. Além do aumento, a categoria pede melhores condições de segurança durante o trabalho. Também foi  realizado um protesto na Fundação Casa da Vila Leopoldina, na Zona Oeste, e em outras unidades da instituição em todo o estado.

Continua após a publicidade

Na última terça, Tarcísio entregou à Alesp uma proposta de reajuste salarial para as polícias Civil e Militar de até 31%, a depender do cargo, e prometeu que vai dar aumento para as outras categorias de servidores públicos até julho.

Em nota, a Secretaria da Justiça e Cidadania e da Fundação CASA, informou que apresentou a “proposta de 6% de reajuste salarial, inclusive incidente sobre os benefícios dos servidores da Instituição – vale-refeição, vale-alimentação e auxílios creche e funeral –, aplicável a partir da folha de pagamento de maio, a ser creditada no mês de junho”. O governo ainda destacou que “realizará as avaliações de desempenho previstas no Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) relativas aos anos de 2017, 2018 e 2019, ao longo dos próximos três semestres, viabilizando a possibilidade de progressão funcional nas carreiras”, atendendo a uma demanda da categoria.

A pasta ainda ressaltou que, “entre 2018 e 2022, a Fundação CASA concedeu 18,91% de reajuste para os servidores, incluindo os benefícios do vale-refeição, auxílio-creche e auxílio-funeral. O vale-alimentação, por sua vez, teve elevação 45,42% no mesmo período”.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.