Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Pedras contra moradores de rua são instaladas em frente à agência bancária

Denúncia de arquiteta acontece após polêmica de rochas sob viaduto e faz parte da chamada 'arquitetura hostil'; entenda o termo

Por César Costa Atualizado em 16 fev 2021, 17h02 - Publicado em 16 fev 2021, 16h59

A instalação de pedras em frente a uma agência bancária do Itaú na Avenida Cidade Jardim indignou a arquiteta Clara Reynaldo. A profissional, que não ia até o local desde março do ano passado, usou as redes sociais para criticar a obra. Ela acredita que a instalação tenha o objetivo de afastar pessoas em situação de rua. “Não consigo imaginar outra função. Não tem valor estético, não tem valor funcional, não é uma instalação artística. Nada além de uma arquitetura agressiva contra moradores de rua”, falou à Vejinha.

Pedregulho em frente à agência do Itaú
Pedras irregulares: obra não tem valor estético nem funcional, segundo arquiteta Clara Reynaldo/Arquivo pessoal/Veja SP

Pela cidade, não é incomum encontrar outros exemplos de intervenções que têm o objetivo de afugentar quem vive nas ruas. “Tinha visto antes no episódio do padre Júlio Lancellotti. [Em outras oportunidades] reparei em bancos feitos para as pessoas não deitarem e pregos em volta da mureta para ninguém se sentar”, conta a arquiteta.

Tais instalações são exemplos da  chamada “arquitetura hostil”, termo cunhado em 2014 pelo jornalista britânico Ben Quinn em reportagem do jornal The Guardian. A expressão se refere a obras que impedem ocupação de espaços públicos como bancos, muros e até calçadas. 

Um exemplo recente é o caso dos pedregulhos instalados no viaduto Dom Luciano Mendes de Almeida, na avenida Salim Farah Maluf, no Tatuapé, Zona Leste da cidade. O caso ganhou visibilidade após denúncias do padre Júlio Lancellotti, que chegou a quebrar a marretadas as pedras em ação simbólica

À Vejinha, ele criticou a obra da prefeitura. “Uma cidade que tem tanta demanda, áreas de risco, córregos abertos, falta de moradia, uma série de coisas, gastar tempo e dinheiro nisso? Fazer uma obra higienista, desumana e hostil? É cruel”, disse o pároco na ocasião.  

A administração municipal afirmou que não tinha conhecimento da obra do viaduto. Disse que  abriu sindicância e que o servidor responsável pela ação foi exonerado do cargo. Logo após as críticas, o concreto começou a ser retirado do local.

Continua após a publicidade

A Vejinha entrou em contato com o banco Itaú para entender os motivos que levaram à instalação das pedras na agência 0169, mas não obteve retorno até momento da publicação desta matéria.

Protesto artístico

O tema tem ganhado visibilidade nos últimos dias em São Paulo. Na última segunda-feira (15), o artista plástico russo Fyodor Pavlov-Andreevich, de 42 anos, realizou um protesto em forma de performance na esquina das ruas Augusta e Oscar Freire, nos Jardins. Totalmente nu, ele passou algumas horas sentado sobre pedras para denunciar a arquitetura hostil na cidade. 

O padre Júlio esteve presente na ação do artista. “Ele é russo e esteve visitando a minha paróquia e participou de ações comigo e com os moradores de rua. Me contou que queria fazer essa ação contra a arquitetura hostil da Prefeitura com essas pessoas e que eu fosse lá apoiar”, contou o padre ao portal G1. “Acho sempre importante qualquer tipo de ato que chame a atenção para o que ocorre na cidade, para transformar a cidade mais humana”, acrescentou.

View this post on Instagram

A post shared by Renata Perobelli Borba (@reperobelli)

+Assine a Vejinha a partir de 6,90.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade