Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Poder SP Por Sérgio Quintella Sérgio Quintella é repórter de cidades e trabalha na Vejinha desde 2015

Bruno Covas deve anunciar hoje reabertura de lojas e de imobiliárias

Prefeito vai assinar decreto com os detalhes da retomada, já a partir desta quarta-feira (10)

Por Sérgio Quintella Atualizado em 9 jun 2020, 10h45 - Publicado em 9 jun 2020, 10h17

O prefeito Bruno Covas deve anunciar nesta terça (9) a reabertura de lojas de rua e de imobiliárias na capital. A previsão é que ele assine um decreto com os detalhes da retomada e que ela passe a valer já a partir desta quarta-feira (10). O protocolo com orientações está sendo finalizado, mas ainda não inclui os shoppings, que devem permanecer ainda mais um dia fechados.

A ideia é que os comércios funcionem por até quatro horas, das 11h às 15h, mas pode haver uma variação para que os lojistas possam escalonar seus trabalhadores.

As lojas estão fechadas na capital paulista desde 22 de março, quando teve início a quarentena oficial decretada pelo governador João Doria.

Segundo boletim divulgado ontem (8), o estado de São Paulo registrou 43 novos óbitos por coronavírus em 24 horas, o número mais baixo desde 18 de maio, quando ocorreram 41 novos óbitos. No entanto, isso pode ser reflexo da retidão de dados que ocorre sempre aos finais de semana, quando laboratórios e órgãos públicos fecham – e sempre se refletem nos dados de segunda-feira, que são mais baixos do que no restante da semana.

Assine Vejinha a partir de 6,90 reais mensais.

Com a chegada de novos respiradores e a criação de leitos, o estado de São Paulo conseguiu diminuir a taxa de ocupação de leitos de unidades de terapia intensiva (UTI) destinados ao tratamento do novo coronavírus para 67,5% nesta segunda-feira (8), enquanto na Grande São Paulo esta taxa está em 75,5%. A ocupação destes leitos chegou na semana passada a 73% no estado e a 85% na região metropolitana. Há ainda 4.816 pacientes internados em UTI em todo o estado e outros 7.792 pacientes internados em enfermarias, em casos suspeitos ou confirmados de coronavírus.

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade