Clique e assine por apenas 6,90/mês
Blog do Lorençato Por Arnaldo Lorençato O editor sênior Arnaldo Lorençato é crítico de restaurantes há 28 anos. De 1992 para cá, fez mais de 15 000 avaliações. Também é autor do Cozinha do Lorençato, um podcast de gastronomia, e do Lorençato em Casa, programa de receitas em vídeo. O jornalista leciona na Universidade Presbiteriana Mackenzie

Clássico das cantinas, capelete à romanesca ganha nova versão

Originalmente feito com creme de leite de latinha e ervilhas igualmente enlatadas, o prato é revisado no Casimiro

Por Arnaldo Lorençato - Atualizado em 27 Aug 2019, 12h40 - Publicado em 23 Aug 2019, 06h00

Um dos pratos mais emblemáticos da culinária ítalo-paulistana atende pelo nome de capelete à romanesca. Reza a lenda que teria surgido naquele que foi um dos lugares mais concorridos da cidade até os anos 80, o extinto Gigetto. Mais especificamente, no antepenúltimo dos quatro endereços que o restaurante ocupou, um belo casarão que ficava na Rua Nestor Pestana, bem em frente ao Teatro Cultura Artística, entre o fim da década de 50 e o início da seguinte.

Em vez de ser uma criação de um chef, seu autor seria Giovanni Bruno (1936-2014), um garçom conhecido pela enorme amabilidade e que legou à cidade a cantina Il Sogno di Anarello, na Vila Mariana.

Casimiro: cenário onde a massa é servida Reprodução Facebook/Veja SP

Com ingredientes chiques para a época, o capelete levava creme de leite de latinha, ervilhas igualmente enlatadas, cubos de presunto cozido e cogumelo-de-paris em conserva, tudo finalizado diante do cliente num réchaud.

Descendente de uma linhagem de restaurateurs cujo principal representante hoje é o avô, Mario Tatini, Thiago Tatini revisa com categoria esse clássico no Casimiro.

Continua após a publicidade
A pedida original: servida na extinta cantina Gigetto Fernando Moraes/Veja SP

À massa delicada com recheio de carne e de cozimento preciso, o chef adiciona ingredientes frescos que valorizam o resultado final: creme de leite, cogumelos e ervilhas, além de tiras de presunto. Salpica em seguida queijo grana padano e manda o prato ao forno para gratinar. A receita do passado na deliciosa versão revisada custa R$ 85,00.

Valeu pela visita! Para me seguir nas redes sociais, é só clicar em:
Facebook: Arnaldo Lorençato
Instagram: @alorencato
Twitter: @alorencato

Para enviar um email, escreva para arnaldo.lorencato@abril.com.br

Caderno de receitas:
+ Fettuccine alfredo como se faz em Roma
+ O tiramisu original
+ O melhor petit gâteau do Brasil

E para não perder as notícias mais quentes que rolam sobre São Paulo, assine a newsletter da Vejinha

Publicidade