Gula

La Brasserie Erick Jacquin: refinado, serve culinária clássica francesa

O carro-chefe é o menu-degustação, que muda de acordo com a disponibilidade de ingrediente

Por: Daniel Ottaiano - Atualizado em

La Brasserie Erick Jacquin - Luxo
Para o chef Erick Jacquin, não existe melhor restaurante de cozinha clássica francesa na cidade do que o seu próprio (Foto: Fabiano Accorsi)

Para o chef francês Erick Jacquin, não existe melhor restaurante de cozinha clássica francesa na cidade do que o seu próprio, o La Brasserie. O refinado endereço trabalha com receitas que levam foie gras, cordeiro confit e steak tartar.

+ Confira restaurantes para conhecer antes de morrer

+ Luxo: veja guia com os melhores restaurantes, cinemas, baladas e muito mais

Atualmente, o carro-chefe é o menu-degustação, que muda de acordo com a disponibilidade de ingredientes. Nos almoços, o menu executivo sugere opções como vol-au-vent de frutos do mar, salmão rôti e emulsão de foie gras. Clientes também pedem pratos que levam a assinatura do chef, mas não aparecem mais no cardápio, como o pato na panela.

  • Veja guia com os melhores restaurantes, cinemas luxuosos, baladas VIPs, e muito mais
    Saiba mais
  • Franceses

    La Brasserie Erick Jacquin

    Rua Pedroso Alvarenga, 1088, Itaim Bibi

    Tel: (11) 3826 5409

    11 avaliações

    Erick Jacquin se tornou um personagem de si mesmo no mundo da cozinha. Não tem travas na língua, gosta de uma dose de uísque e parece cada vez mais rechonchudo (“Estou com 129 quilos. Tinha 130”, brinca). Essa exuberância se repete em suas receitas, mas de modo inverso. As sugestões elaboradas por ele mostram-se cada vez mais delicadas, de uma finesse surpreendente. Conta pontos para esse trabalho primoroso a direção segura de uma equipe afinada. Impossível não se render às suas versões de foie gras — não há chef no país que faça melhor. Frio e incrivelmente sedoso, o fígado de pato (R$ 78,00) vem com uma fruta na forma de entrada. Mas não se assuste se na descrição do cardápio estiver escrito figo e, de repente, aparecer uma pera. Jacquin é assim mesmo: muda sem avisar. O foie gras surge ainda numa sugestão modernizada do filé à rossini. No lugar da carne, vai um atum quase cru coberto por um naco da iguaria, tostada por fora e cremosa por dentro. Custa R$ 95,00. Da terra, há a paleta de cordeiro assada durante seis horas ao molho de vinho do Porto e servida na companhia de favas verdes e grão-de-bico (R$ 89,00). Jacquin, que se intitula o pai do petit gâteau, prepara uma degustação de sobremesas que inclui o bolinho de chocolate, creme brûlé, torrone gelado, fingers de chocolate no açúcar mascavo e sopa de frutas vermelhas, além de sorvete. Sai a R$ 48,00 e dá para duas pessoas.

    Preços checados em setembro/outubro de 2013.

    Saiba mais

Fonte: VEJA SÃO PAULO