Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Máscaras seguem obrigatórias até o início de dezembro na capital

A flexibilização depende de condições em relação à vacinação e aos índices de disseminação e óbitos causados pela Covid-19 na cidade

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 10 nov 2021, 14h54 - Publicado em 10 nov 2021, 14h53

A prefeitura de São Paulo optou pela manutenção da obrigatoriedade do uso de máscaras até, pelo menos, o início de dezembro. A previsão é de que a liberação, em ambientes públicos ao ar livre, ocorra somente no dia 5 do último mês do ano.

Algumas condições precisarão ser cumpridas para que haja a flexibilização do item. Pelo menos 95% dos habitantes acima de 12 anos da capital precisam estar com o esquema vacinal completo contra a Covid-19 e os índices de contágio e óbitos pelo vírus continuem em baixa.

Em coletiva de imprensa, o secretário municipal da Saúde Edson Aparecido disse que uma nova avaliação do uso de máscara será feito no início de dezembro. O governo de São Paulo também projeta liberar o uso do item em ambientes abertos na mesma data.

A gestão estadual afirma que a medida pode ser tomada devido a queda no número de casos e óbitos causados pela Covid-19. João Gabbardo, coordenador executivo do Centro de Contingência do Coronavírus, explica que a decisão depende dos indicadores da pandemia dentro do estado.

O que dizem os especialistas

No início de outubro, quando a cidade de São Paulo pretendia remover o uso obrigatório de máscaras em ambientes ao ar livre, a Vejinha ouviu especialistas. Eles não viram vantagens consistentes na medida. O infectologista Renato Kfouri, diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações, destacou que não há nenhum ganho objetivo ao deixar de usar o item de proteção.

Continua após a publicidade

“Não vejo um ganho consistente em remover a obrigatoriedade que justifique colocar as pessoas em risco, até porque a transmissão se dá por via respiratória. Já existe uma adesão baixa [ao uso de máscaras] e você desestimulando certamente vai piorar “, explicou na ocasião.

Diretor da Fiocruz, Rodrigo Stabelli concordou com o colega, explicou que há uma “extensa subnotificação” de casos de Covid-19 e que as vacinas ainda precisam ser aprimoradas com o objetivo de erradicação do antígeno.

“Apesar de a vacinação diminuir a transmissão, as vacinas foram idealizadas e autorizadas para diminuição de casos graves e óbitos, e não para a erradicação da transmissão viral.  Mesmo os imunizantes com essa finalidade, como o do sarampo, demoraram mais de 5 anos para controle da doença após a imunidade da totalidade da população”.

+Assine a Vejinha a partir de 12,90.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)