Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Capital registra casos de varíola dos macacos em crianças e adolescentes

Todas estão sem sinais de agravamento; Ministério da Saúde anuncia centro de operação de emergências

Por Clayton Freitas Atualizado em 29 jul 2022, 16h35 - Publicado em 29 jul 2022, 11h28

A cidade de São Paulo registrou, até o momento, dez casos de varíola dos macacos (monkeypox vírus) em adolescentes e crianças. Em um outro caso, o de um adolescente, ele mora em Osasco. Tratam-se dos primeiros registros nessas faixas etárias. Todas estão em isolamento domiciliar e não apresentam sintomas graves, segundo o médico David Uip, secretário de Ciência, Pesquisa e Desenvolvimento em Saúde do estado.

+Sem chuva há 47 dias, capital paulista tem mês de julho quente e seco

“É totalmente esperado. Eu tenho absoluta certeza de que essa é uma doença que vai atingir todas as populações [faixas etárias]”, afirmou Uip.

As três crianças têm entre quatro e seis anos de idade e moram nas zonas leste, norte e sul da capital, segundo a Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura de São Paulo. Já os adolescentes têm entre 10 anos e 19 anos. Elas são monitoradas pelas Vigilâncias Epidemiológicas do Estado e da capital.

O número de casos no país chegou a 1 066, segundo dados mais recentes do Ministério da Saúde, sendo 818 só no Estado de São Paulo. A maior parte está na capital, que concentra 713 registros, segundo a Secretaria Municipal de Saúde.

+Projeto de lei que terceirizaria ensino municipal divide opiniões

A prefeitura informou que toda a rede de saúde pública da capital está apta a atender, diagnosticar e monitorar os casos. Uma das principais preocupações é a busca ativa, para tentar conter a circulação do vírus. Na capital a circulação já é comunitária, diferente do que ocorreu no primeiro caso, em início de junho, onde o paciente contraiu a doença fora do país.

Continua após a publicidade

“A rede foi capacitada e conta com insumos para coleta de amostras das lesões cutâneas (secreção ou partes da ferida seca) para análise laboratorial”, afirmou a prefeitura em nota.

+Luisa Mell, colecionadora de confusões, arranjou mais uma em Higienópolis

Segundo o médico David Uip, apesar de neste momento a doença não ter letalidade expressiva, há grande preocupação com os grupos de risco, pacientes em tratamento contra o câncer, transplantados e gestantes. “É uma doença que está começando”, afirma.

A gravidade da situação levou o Ministério da Saúde a criar um Centro de Operações de Emergências para elaboração de um planto de contingência para tentar conter o surto da varíola dos macacos no Brasil.

Na próxima quinta-feira (4) está marcada uma entrevista de integrantes do governo estadual para anunciar as medidas para combate à doença.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês