Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Bolsonaro se irrita com acordo e diz que não comprará vacina chinesa

Anúncio envolve o governador de São Paulo João Doria, adversário político do presidente

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 21 out 2020, 12h19 - Publicado em 21 out 2020, 09h33

Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (21) que não irá comprar a vacina CoronaVac. A fala foi em resposta a uma seguidora em rede social. “Bom dia presidente. Exonera Pazuelo urgente, ele está sendo cabo eleitoral do Doria. Ministro traíra”, escreveu. Em seguida, o presidente respondeu. “Tudo será esclarecido ainda hoje. Não compraremos a vacina da China”, disse o presidente.

Na terça (20), o Ministério da Saúde anunciou a compra de 46 milhões de doses da vacina chinesa. O anúncio foi feito em uma reunião de Pazuello com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e mais 23 governadores.

Nos bastidores, Bolsonaro teria se irritado com o acordo anunciado, que envolve João Doria, seu adversário político. A CoronaVac é desenvolvida em parceria com a SinoVac, laboratório chinês, e o Instituto Butantan.

Bolsonaro
Reprodução/Veja SP

Momentos depois, o presidente disse, também em rede social, que o “povo brasileiro não será cobaia de ninguém”. No entanto, o Ministério da Saúde já havia negociado a aquisição de outras duas vacinas com pesquisas ainda em andamento, a AstraZeneca e a Covax.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade